Menu
2019-12-09T18:38:53-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

9 de dezembro de 2019
14:52 - atualizado às 18:38
Americanas.com
Imagem: Shutterstock

Depois de um certo suspense, o tradicional evento voltado para os investidores das Lojas Americanas (LAME4) e da B2W (BTOW3), que é dona do Submarino e da Americanas.com, surpreendeu positivamente quem estava na plateia.

Não é à toa que o BTG Pactual decidiu aumentar o preço-alvo em 12 meses das ações das duas companhias. Em relatório divulgado nesta segunda (9) a clientes, os analistas Luiz Guanais e Gabriel Savi elevaram o preço-alvo das Lojas Americanas (LAME4) de R$ 23 para R$ 28. O novo preço-alvo representa um potencial de valorização de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira (6).

Em sua justificativa, os analistas disseram a nova projeção reflete os 7% de taxa de crescimento anual composta (CAGR, na sigla em inglês) na área de vendas e uma média de expansão de vendas em mesmas lojas (SSS, na sigla em inglês) de 7,3% até 2025.

Já para os papéis da B2W (BTOW3), a valorização esperada é um pouco menor. No documento, os analistas elevaram o preço-alvo em 12 meses de R$ 53 para R$ 74. Com isso, eles preveem uma valorização de 20,5% para as ações em relação ao preço de fechamento do último pregão da semana passada.

Guanais e Savi destacaram que a atualização do preço-alvo dos papéis da B2W é fruto do crescimento maior da companhia ao unir o e-commerce, com uma plataforma que apresenta em um só lugar lojas de vários segmentos (marketplace) e uma parte de serviços digitais (modelo 3P).

Além disso, eles pontuaram que a empresa deve ver um aumento gradual nas suas margens e que a taxa de crescimento anual composta (CAGR, na sigla em inglês) do volume bruto das mercadorias (GMV, na sigla em inglês) deve ficar em 27% nos próximos sete anos.

Os papéis ordinários da B2W fecharam o pregão de hoje em queda de 1,11%, cotados em R$ 60,73. Já as ações preferenciais da Lojas Americanas fecharam negociadas a R$ 25,07, uma alta de 1,62%.

De olho no Investor Day

Os analistas se mostraram bastante animados com as novidades apresentadas durante o Investor Day das empresas, que ocorreu na sexta-feira passada (6) no Rio de Janeiro.

Entre as estratégias anunciadas e que receberam destaque dos analistas estão: a parceria entre a AME e o Banco do Brasil para oferecer um cartão de crédito; a criação de sete novos centros de distribuição até 2022; parceria com a Stone para que as maquininhas portáteis da adquirente passem a aceitar a tecnologia da AME digital de QR Code.

Outros pontos que também chamaram a atenção de Guanais e Savi foram o lançamento do Ame Pro - que é uma plataforma mobile de gestão e vendas para pequenos e médios varejistas, além da abertura de um escritório na China para se aproximar dos fornecedores locais, antecipar tendências etc.

Além dos temas anunciados, as companhias apresentaram os seus três maiores alvos para o próximo ano. No caso das Lojas Americanas, a empresa espera aumentar a receita bruta em 40% até 2022, o que representa uma alta de 8% em relação aos números previstos anteriormente.

Na visão dos especialistas, isso implicaria em uma taxa de crescimento anual composta (CAGR, na sigla em inglês) de 12% durante o período.

Já no caso da B2W, a companhia mencionou que deseja fazer com que o volume bruto de mercadorias (GMV) chegue a R$ 44 bilhões até 2022.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Número de casos do novo coronavírus no Brasil ultrapassa 510 mil

Com 480 mortes registradas nas últimas 24 horas, o número de óbitos pela covid-19 chega a 29.314

governo diante da crise

Bolsonaro atrasa promessas contra covid-19

Foram 17 compromissos sobre medidas de combate à pandemia entre 17 de março e 21 de abril. Dessas, 41% não foram cumpridas integralmente

crise em debate

Na China, preço do minério de ferro dispara 24%

Negociadores temem que a situação da pandemia por aqui provoque interrupções na cadeia de fornecimento do material

em meio à pandemia

Em Brasília, Bolsonaro vai a manifestação contra STF; São Paulo tem ato pró-democracia

Supremo tem sido alvo de ataques por parte do presidente após a Corte autorizar o cumprimento de mandados de busca e apreensão de aliados

conflito entre poderes

Ministro do STF compara Brasil à Alemanha de Hitler e diz que bolsonaristas querem ditadura

Em mensagem a ministros da corte, Celso de Melo diz que “é preciso resistir à destruição da ordem democrática”, segundo informações obtidas pela Folha de S. Paulo

histórico

SpaceX, de Elon Musk, chega à Estação Espacial; veja vídeo

Empresa finalizou primeira parte da missão espacial com astronautas da Nasa; operação deve abrir caminho para futuras viagens, inclusive turísticas

caos no país

EUA têm quinta noite seguida de protestos; ao menos 20 cidades declaram toque de recolher

Manifestações insurgiram após a morte de um homem negro de 46 anos, asfixiado por um policial branco no último dia 25; total de prisões é de 1,7 mil

DE OLHO NO LONGO PRAZO

Ouro ou imóveis: qual o melhor investimento para defender seu patrimônio?

Na hora da crise, os dois investimentos são considerados capazes de salvar seu dinheiro do derretimento dos mercados no longo prazo.

crise de saúde

Brasil tem 28.834 mortes por covid-19

Foram incluídas nas estatísticas 33.274 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, somando 498.440 casos confirmados

conflito entre poderes

‘Tudo aponta para uma crise’, diz Bolsonaro sobre decisões do STF e e TSE

Decisões recentes de Cortes miram a família, aliados e a sua campanha presidencial em 2018

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements