🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Novo nicho de atuação

Seguradora americana Liberty adquire brasileira Fácil Assist

Com a compra, companhia norte-americana quer começar a atuar no nicho de assistência 24 horas no Brasil

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
18 de dezembro de 2018
9:18 - atualizado às 12:09
Liberty seguros
Imagem: shutterstock

A seguradora Liberty Seguros deve anunciar em breve a compra da Fácil Assist. A informação é da "Coluna Broadcast", do Estadão, desta terça-feira, 18.

Com a operação, a companhia norte-americana passará a operar em no nicho de assistência 24 horas no Brasil.

Com duas décadas de operação, o grupo já atendeu mais de 3 milhões de beneficiários, tem um portfólio de 150 clientes corporativos e um exército de mais de 30 mil prestadores de serviços.

Independente

Para a seguradora americana, a Fácil Assist deve prestar serviço nas linhas de seguro residencial e de automóvel. A ideia é concluir a aquisição neste ano, com a nova unidade iniciando operações em 2 de janeiro.

No País desde 1996, um dos pontapés para o crescimento da Liberty em solo brasileiro foi a aquisição da Indiana Seguros, da família libanesa Afif, há dez anos. Atualmente, soma faturamento de R$ 3,2 bilhões e uma carteira com mais de 1,9 milhão de apólices.

 

Nos últimos anos, o setor de assistência 24 horas cresceu significativamente no país. A maior parte do faturamento do mercado, um total de mais de R$ 2 bilhões, está nas mãos de empresas especializadas e terceirizadas, incluindo nomes como a Tempo Assist, Mondial Assistance, Europ Assistance e Brasil Assistência, que têm por trás acionistas de peso como Allianz, Bradesco Seguros, Mapfre Seguros, Swiss Re e o fundo de private equity Carlyle. Somadas, as três maiores detêm 92% do setor.

*Com Estadão Conteúdo

Compartilhe

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies