Menu
2018-10-03T12:42:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Motor de crescimento

Braço de recuperação de crédito do BTG aposta em calotes para dobrar de tamanho

Com carteira de R$ 35 bilhões, volume da Enforce cresce com empréstimos corporativos vencidos e inadimplentes

3 de outubro de 2018
7:09 - atualizado às 12:42

A Enforce, braço de recuperação de créditos inadimplentes do BTG Pactual, está apostando na elevada quantidade de empréstimos corporativos vencidos e não pagos para dobrar de tamanho. A informação é do jornal Estado de S. Paulo desta quarta-feira, 3.

Com uma carteira de R$ 35 bilhões sob gestão, a empresa já se equipara à Recovery, menos de três anos após o banco ter sido obrigado a vender o negócio para o Itaú Unibanco.

Em função da crise gerada pela prisão repentina do seu fundador, o banqueiro André Esteves, em 2015, o BTG se desfez da empresa, com foco no varejo, e que na época administrava R$ 38 bilhões em ativos.

O motor para o crescimento da Enforce é o volume de empréstimos corporativos vencidos e inadimplentes. O estoque, além de ser elevado uma vez que é recente o hábito entre bancos locais de se desfazerem dessas operações, foi alavancado com a recente crise que o País enfrenta e que fragilizou a saúde financeira das empresas. Por consequência, o estoque de empréstimos inadimplentes e não pagos aumentou após serem provisionados e baixados dos balanços dessas instituições.

Estoque significativo

Convencer os bancos a desovarem esses créditos, segundo o sócio do BTG Pactual, Alexandre Camara, é um dos desafios estratégicos da Enforce. Além do amadurecimento do mercado de NPL (Non Performing Loans, na sigla em inglês) no país, pesa para essas instituições a preocupação sobre quem assumirá essas operações, originadas dentro de casa. “Há um estoque significativo. Se vão vender ou não, depende um pouco da necessidade de cada banco, mas o fato é que o Brasil vive um momento de pressão no crédito”, diz o sócio da KPMG, Fernando Omori.

Nos últimos anos, o interesse dos bancos na venda de carteiras vencidas cresceu seja por essa pressão de crédito, mas também por conta do volume elevado de estoque que cada banco tem. “O mercado está vindo bem mais forte. Nosso trabalho de convencimento tem funcionado”, admite o CEO da Enforce, Ricardo Cardoso.

Recentemente, a Enforce arrematou uma carteira de R$ 300 milhões em empréstimos corporativos do Itaú, abrangendo 40 casos de empresas em processo de recuperação judicial. Outra operação que deve movimentar esse setor é o leilão de R$ 550 milhões em créditos do falido BVA que deve ocorrer no mês que vem.

* Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements