Menu
2019-06-13T13:55:42+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
mais um indicador

Volume de serviços sobe 0,3% em abril ante março, diz IBGE

O resultado ficou abaixo da mediana de alta de 0,5% das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, mas dentro do intervalo das expectativas

13 de junho de 2019
10:54 - atualizado às 13:55
Central de Telemarketing da TIM
Central de Telemarketing da TIM - Imagem: J.F.Diorio/Estadão Conteúdo

O volume de serviços prestados aumentou 0,3% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, informou nesta quinta-feira, 13, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado ficou abaixo da mediana de alta de 0,5% das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, mas dentro do intervalo das expectativas, que ia de taxa zero a avanço de 1,0%.

No mês anterior, o resultado foi revisto de uma queda de 0,7% para um recuo de 0,8%.  Já na comparação com abril do ano anterior, houve queda de 0,7% em abril de 2019, já descontado o efeito da inflação.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo lembra que a alta de alta de 0,3% em abril não recupera a perda registrada no mês anterior. O setor de serviços acumulou uma perda de 1,8% nos três primeiro meses do ano e encontra-se ainda 1,4% abaixo do patamar de dezembro de 2018, lembrou Lobo.

"Não dá para dizer que é o início de uma recuperação. Tem que levar em consideração a trajetória ao longo do tempo", resumiu Lobo.

O recuo ficou mais intenso que a mediana negativa de 0,48% das projeções, mas também veio dentro das expectativas: de queda de 1,1% a alta de 1,7%. A taxa acumulada no ano foi de 0,6%. Em 12 meses, houve elevação de 0,4%.

Serviços de informação e comunicação crescem 0,7%

Segundo o IBGE, três das cinco atividades de serviços registraram crescimento na passagem de março para abril.
Houve aumento no volume de serviços prestados nas atividades de informação e comunicação (0,7%), serviços profissionais, administrativos e complementares (0,2%) e serviços prestados às famílias (0,1%).

Na direção oposta, houve recuos nos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,6%) e nos outros serviços (-0,7%).O agregado especial de Atividades turísticas registrou redução de 1,5% em abril ante março.

Falta demanda e investimentos

De acordo com Lobo, a demanda enfraquecida e a falta de investimentos são elementos que têm dificultados uma recuperação do setor de serviços. O índice de difusão de serviços - que mede a proporção dos 166 segmentos investigados com avanços no volume prestado - aumentou de 44,0% em março para 48,8% em abril.

"Ainda está negativo, ainda tem mais da metade dos serviços com queda em relação ao mesmo mês do ano anterior", ressaltou Lobo.

"Tem um cenário ainda muito enfraquecido economicamente, a demanda enfraquecida", mencionou. "A gente tem uma freada clara dos investimentos públicos de 2014 para cá, e que não foram compensados por aumento nos investimentos privados. As sondagens davam conta de algum tipo de melhoria depois das eleições de 2018, mas as expectativas não se confirmaram. A gente vê um discurso de que algumas reformas precisam ser aprovadas para que haja algum tipo de estimulo de parte do empresariado para retorno de investimentos, mas a gente não tem certeza se esse retorno de fato vai acontecer", completou o gerente da pesquisa do IBGE.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

A Bula da Semana

A Bula da Semana: Mundo mais suave, apesar da guerra

Viés dovish dos principais bancos centrais no mundo em resposta à desaceleração econômica causada pela guerra comercial alimenta o apetite por ativos de risco

Entrevista

Ex-diretor do BC diz que só o corte de juro não destrava economia do país

José Júlio Senna, economista do Ibre-FGV, diz que empresários já têm à disposição dinheiro mais barato. “E nem por essa razão há fila de empresários querendo tomar crédito.”

A Bula do Mercado

Semana promete novidades sobre guerra comercial e Previdência

Donald Trump e Xi Jinping devem se reunir durante o G20 para tratar da disputa tarifária e a comissão especial na Câmara deve votar o parecer da reforma da Previdência

Vídeo

Como investidor, eu devo me preocupar com o Brexit?

No próximo domingo (23), a escolha pelo Brexit completa três anos, mas o processo ainda se arrasta, e a saída do Reino Unido da Unidão Europeia foi adiada para outubro; mas qual o impacto que isso pode ter no seu bolso?

ENTREVISTA

“Assistimos a um parlamentarismo branco na reforma”, diz economista

O economista Fabio Giambiagi, especialista no tema, está “relativamente otimista” com a aprovação da mudança constitucional

Bancos públicos

CPI vê falhas no BNDES em operações no exterior

Entre os principais pontos levantados até agora estão ausência de critérios para rebaixamento de risco antes de conceder o crédito e a falta de auditoria para fiscalizar a aplicação do dinheiro

Agricultura

Chinês Qu Dongyu é eleito diretor-geral da FAO; Tereza Cristina comemora

O vice-ministro chinês assume o mandato a partir de 1º de agosto, no lugar do brasileiro José Graziano da Silva, que ocupa o cargo desde 2012

Pedido negado

Fachin nega habeas a ex-dirigente da Petrobras condenado a 10 anos na Lava Jato

Em fevereiro de 2018, o ex-gerente da estatal petrolífera foi condenado pelo então juiz federal Sérgio Moro

PRAGMATISMO

O ex-comunista que tem fé na reforma da Previdência

O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência, diz agradar ao mesmo tempo o governo e a oposição

DEIXA VOAR

Carrefour vende controle de suas atividades na China para Suning.com

A transação, que será paga em dinheiro, avalia o Carrefour China em um valor de empresa de 1,4 bilhão de euros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements