Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
Seu Dinheiro na sua noite

Vem ser sócio da Caixa você também

Enquanto a Caixa anunciava seu banho de loja, com privatizações de subsidiárias, as ações da Vale dispararam na bolsa com o plano de fim de barragens

30 de janeiro de 2019
19:09 - atualizado às 19:10
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Eu já me acostumei a receber críticas de pessoas que são contrárias à privatização toda vez que escrevo sobre o assunto. E não foi diferente ontem, quando contei para você sobre o tema que dominou o evento para investidores promovido pelo Credit Suisse.

Cada um tem a sua opinião, mas acredito que é difícil defender o controle do Estado em empresas. Ainda mais no Brasil, onde o governo nem sequer é capaz de fazer o seu papel básico de prover educação e saúde de qualidade para a população.

Isso não quer dizer que o processo de venda de estatais não tenha problemas. Basta lembrar das privatizações realizadas durante o governo Fernando Henrique Cardoso, em leilões restritos à participação de consórcios de grandes empresas. E com o povo “na porta estacionando os carros”, como diria Cazuza.

Bem mais democrático foi a possibilidade do uso do FGTS na venda das ações da Petrobras e Vale – que aconteceu no mesmo governo FHC, justiça seja feita.

Por isso fiquei bastante animado com a fala de hoje do novo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Ele deu alguns detalhes sobre o plano de venda das subsidiárias do banco. E disse que quer a sua participação.

Isso mesmo. O banco planeja fazer uma oferta de ações (IPO, na sigla em inglês) na bolsa das empresas de seguros, loterias, cartões e fundos.

Uma das ideias é destinar até 20% das ações que serão vendidas para investidores pessoas físicas. Normalmente, o varejo participa com, no máximo, 10% das operações, enquanto o resto vai para os peixes grandes.

Agora só falta o governo permitir o uso de uma parte do FGTS para quem quiser investir nas ações das futuras empresas privatizadas. Fica a dica para a equipe do ministro Paulo Guedes e do conselho do fundo de garantia.

Ficou interessado? Então saiba mais sobre o que disse o presidente da Caixa nesta reportagem da Bruna Furlani.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Não é culpa dele!

É o que pensa a BRF sobre Bolsonaro depois da decisão da Arábia Saudita de descredenciar unidades brasileiras habilitadas a exportar carne de frango para o país. Para o presidente da companhia, Pedro Parente, a medida não teve relação com a intenção declarada do governo brasileiro de transferir a embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. Então qual foi a motivação dos sauditas ao dificultar as nossas exportações? Eu te conto nesta matéria.

Vale e mercados

Mesmo com dados importantes do exterior, o mercado por aqui continuou atento à Vale. Depois de começar a semana despencando 24% após a tragédia de Brumadinho, as ações da mineradora reagiram bem hoje ao plano de segurança que vai eliminar dez barragens da companhia. Os analistas da XP e do Credit Suisse decidiram manter a recomendação de “compra” para as ações. Na nossa cobertura de mercados você confere todos os detalhes que movimentaram a bolsa nesta quarta-feira.

A paciência do Fed

O BC americano decidiu manter sua taxa de juros na faixa entre 2,25% e 2,5% ao ano na tarde de hoje. O mercado já esperava pela manutenção depois de vários ruídos no fim do ano passado sobre quais seriam os próximos movimentos do Federal Reserve. Por isso, o que realmente interessou foi o tom do discurso do presidente do Fed, Jerome Powell. E ele foi claro: paciência é o mantra dos diretores! O que isso significa para os seus investimentos? A resposta está na matéria do Eduardo Campos.

Disney, Fox e um porém

O Cade, órgão brasileiro de defesa da concorrência, sinalizou que deve aprovar a operação de compra da Fox pela Disney. O negócio de US$ 50 bilhões depende do aval das autoridades dos países onde as empresas atuam para sair do papel. Mas sempre há um porém, como diria Plínio Marcos (e a Marina Gazzoni). O Cade pode condicionar a aprovação a uma venda nada agradável para as duas empresas. E devo dizer que, se você é fã de futebol, seu compromisso com a TV no domingo está em jogo.

Dia 30 de Bolsonaro - "Me ajuda a te ajudar"

O presidente Jair Bolsonaro reassume a presidência, mas segue em São Paulo, onde deve receber ministros, na quinta-feira, para tratar do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. Resposta do governo ao caso foi rápida e parece bem recebida. No judiciário... (leia mais)

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu