Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
APÓS BRUMADINHO

Vale: fuja dessa barganha!

Há uma série de ações para ficar de fora desta ação. E não é moralismo.

6 de fevereiro de 2019
11:41 - atualizado às 12:22
Sobrevoo da área atingida pelo rompimento da barragem em Brumadinho - Imagem: Isac Nóbrega/PR/Fotos Públicas

Na segunda-feira 28 de janeiro, primeiro dia em que as ações da Vale foram negociadas após o desmoronamento da barragem do Feijão, em Brumadinho, um amigo meu de longa data comprou ações da empresa. Ele achou que a queda de 24% foi exagerada.

Talvez tenha sido. Talvez não.

Raciocinando de maneira oposta, os especialistas da Inversa que fazem indicações pontuais sobre o mercado de ações aconselharam aos assinantes de suas newsletters que ficassem de fora do papel.

Nós, da Inversa, podemos ter posições antagônicas (e muitas vezes temos) a respeito dos diversos mercados. Não existe uma política centralizada de julgamento. Algo como:

“Vamos nos posicionar a favor do real contra o dólar.”

Acontece que, desta vez, tenho exatamente a mesma opinião de meus colegas. Acho que, em meio a um bull market fantástico como o que estamos vivendo, comprar Vale só porque caiu muito não compensa.

Por que eu fico de fora?

Há sérias razões para isso. Um sem número de ameaças paira sobre a mineradora.

Para começar, a companhia vai descomissionar (desativar) 10 barragens de rejeitos de minério de ferro em Minas Gerais. Todas usam o método de alteamento a montante.

Nelas, a contenção é feita por intermédio de degraus em cuja construção são usados os próprios rejeitos. Esse sistema custa muito mais barato, mas é menos seguro. Tanto é assim que já foi proibido em diversos países. O Chile, por exemplo, é um deles.

O descomissionamento vai custar R$ 5 bilhões aos cofres da empresa. Quarenta milhões de toneladas de minério de ferro e 11 milhões de toneladas de pellets deixarão de ser produzidos por ano.

A mina de Brucutu, que produz isoladamente 30 milhões de toneladas, teve suas operações suspensas peja Justiça de Minas Gerais.

Diversas decisões judiciais bloquearam até agora 11 bilhões de reais de recursos da empresa.

Ninguém sabe quantas multas ainda virão.

Imaginemos agora o rigor com que as minas da Vale serão fiscalizadas.

E os ambientalistas, que andavam com a crista baixa após a eleição de Jair Bolsonaro? Eles agora têm 142 mortos e 194 desaparecidos para estimulá-los na volta à refrega.

Imaginemos se acontece uma nova tragédia. O raio já caiu em Minas duas vezes nestes pouco mais de três anos e pode cair uma terceira. Afinal de contas, o descomissionamento de barragens não pode ser feito da noite para o dia. Dependendo do caso, leva de um a três anos.

Pode ser que, com a possibilidade de aprovação da reforma da Previdência, o bull market da Bolsa se estique tanto que leve a Vale a reboque.

Só que, em minha opinião, há papéis muito mais atraentes. Não há necessidade de sair por aí catando uma barganha.

(Esta coluna foi publicada na Inversa Publicações. Para acompanhar os conteúdos gratuitos do Ivan Sant'Anna na Inversa, entre aqui. Ele também escreve uma newsletter matinal chamada Warm Up Pro, para experimentar, acesse aqui.)

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Olha o leão aí gente...

Receita começa a receber declarações do imposto de renda em 7 de março

Já os programas para o preenchimento das declarações estarão disponíveis para os contribuintes já no dia 25 de fevereiro às 8 horas

Captação de US$ 15 milhões

Dos tijolos aos bytes, BTG Pactual lança criptoativo com lastro em imóveis

A ideia do banco é proporcionar aos investidores do ReitBZ retorno com a recuperação dos ativos e a venda por um valor superior ao preço de aquisição. Lançamento envolve parceria com os gêmeos Winklevoss, que atuaram na criação do Facebook

Nova crise?

Flávio Bolsonaro diz que revista faz “ilação irresponsável” ao vinculá-lo à milícia

Reportagem obteve dois cheques de Flávio assinados por Valdeci: um de R$ 3,5 mil e outro no valor de R$ 5 mil; em nota, Flávio afirma que Val Meliga é tesoureira geral do PSL

Com pressão do mercado

Se reforma vier da Câmara em abril, entra no recesso aprovada, diz Alcolumbre

Para presidente do Senado Federal, proposta de reforma da Previdência pode estar aprovada até junho, caso o texto seja aprovado pela Câmara dos Deputados em abril

Clima otimista no governo

Expectativa é que aprovação da reforma ocorra no primeiro semestre, diz Guedes

Ministro da Economia demonstrou confiança com a articulação política no congresso e disse estar “sentindo ventos de otimismo” com a tramitação da proposta

Exile on Wall Street

Uma boa hora para comprar ativos geradores de renda

“Se uma empresa nunca teve meme, posts no Reclame Aqui e erros no meio do caminho, só há uma possibilidade: nunca teve cliente também.”

Imóveis

Qual o tamanho do mercado imobiliário no Brasil?

Parceria entre governo, registradores de imóveis e Fipe começa a responder essa questão de forma objetiva, melhorando a nota do país no ranking de facilidade de negócios do Banco Mundial

Mudanças na Previdência

Deputados querem segurar tramitação da reforma até proposta para militares sair

Para líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), o governo deve ser rápido para não aparentar tratamento diferenciado

Exclusivo

O que pensa o deputado cotado para presidir a comissão especial da reforma da Previdência?

Deputado Mauro Benevides Filho defende alterações no regime de capitalização, aposentaria de professoras e BPC

Salto de 368%

Com Fibria, Suzano registra lucro de R$ 2,987 bilhões no 4º trimestre

Excluindo Fibria, companhia reverteu prejuízo e obteve lucro líquido de R$ 1,462 bilhão, indicando um salto de 308,5% ante lucro de R$ 358 milhões de igual período do ano anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu