Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CEO da Empiricus
Exile on Wall Street

Vale, Cisnes Negros, Tail Hedging e Ética

Adepto da transparência radical de Ray Dalio, não sei qual o caminho ideal a se seguir. Aliás, nem sei se existe um. Somente os “especialistas” em licenças ambientais e os críticos das “maquiavélicas grandes corporações” sabem de tudo…

28 de janeiro de 2019
11:33 - atualizado às 12:33

Quando você pensa ter muito a dizer, é bastante provável que o silêncio fosse o melhor caminho. Hoje eu preferiria não escrever. Se preservo a rotina diária, não é por falta de sensibilidade, mas por manter o compromisso com os leitores e por acreditar na capacidade de separarem as coisas.

As palavras sobre finanças escondem certo constrangimento. Espero, talvez alimentado por uma esperança ingênua, que as pessoas possam entender que seguir o curso normal desta newsletter é meu dever de ofício. Tudo que está a seguir vem permeado de muito respeito e algum pesar. Aqui expresso meus verdadeiros sentimentos e total solidariedade às vítimas do acidente em Brumadinho.

Estou pessoalmente bastante tocado com o rompimento da barragem. E isso, conforme ficará claro a seguir, vai além de palavras vazias ou discursos politicamente corretos. “Put my money where my money is.” Ou, “walk the talk”. Escolha seu anglicismo favorito.

Há, porém, uma veia estritamente financista sob minha pele e, por meio dela, se orientam, em maior ou menor grau, quase 300 mil assinantes para tomarem suas decisões de investimentos. Eu não posso parar. Infelizmente, noblesse oblige.

O evento do dia

Com uma dose de vergonha e várias de tristeza, hei de escrever um texto sobre finanças ligado aos acontecimentos diários. E é inegável ser esse o evento mais relevante do dia para os mercados. Antes de prosseguir a essa questão estrita, vamos pela ordem. O mais importante primeiro.

Redijo este texto ainda com os mercados locais fechados. A julgar, contudo, pelo comportamento das ações da Vale no exterior na sexta-feira (25) e no pré-market de hoje, a sugestão de compra de puts renderá um bom lucro àqueles que a seguiram.

Adepto da transparência radical de Ray Dalio, não sei qual o caminho ideal a se seguir. Aliás, nem sei se existe um. Somente os “especialistas” em licenças ambientais e os críticos das “maquiavélicas grandes corporações” sabem de tudo. Esses estão prontos para apontar erros de terceiros (nunca os próprios!), tornam-se bacharéis em Direito Ambiental em 15 minutos e sabem exatamente quais medidas precisam ser adotadas agora. Escolheram os vilões (o governo e a malvada Vale) e o mocinho (eles mesmo, claro). Todos eles príncipes na vida.

Adepto da transparência radical de Ray Dalio, não sei qual o caminho ideal a se seguir. Aliás, nem sei se existe um. Somente os “especialistas” em licenças ambientais e os críticos das “maquiavélicas grandes corporações” sabem de tudo. Esses estão prontos para apontar erros de terceiros (nunca os próprios!), tornam-se bacharéis em Direito Ambiental em 15 minutos e sabem exatamente quais medidas precisam ser adotadas agora. Escolheram os vilões (o governo e a malvada Vale) e o mocinho (eles mesmo, claro). Todos eles príncipes na vida.

Faço aqui o convite – se me permite uma dose de ousadia, preferiria chamar de convocação – para que o leitor também se engaje na causa e doe o que puder. Falo com todos, mas especialmente com aqueles que obtiveram lucros com a operação de compra da put sobre as ações de Vale. Gostaria muito que pudéssemos devolver, ainda que uma pequena parte do rendimento, para a sociedade.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

As finanças

O que vem depois do travessão na última frase nos traz ao segundo momento da conversa. Agora falo estritamente de finanças, considerando já termos superada as questões ética e cívica. Mais do que o fato isolado e os lucros da operação específica, estamos mais uma vez diante da constatação empírica da importância dos cisnes negros – vale para a vida e para a construção patrimonial. São os eventos considerados raros, de alto impacto e imprevisíveis a priori que definem o jogo.

Talvez os eventuais leitores mais críticos e rigorosos apontassem não se tratar mais de um cisne negro. Depois de Mariana, Brumadinho precisaria ser classificado como um cisne cinza, pois poderia ser mapeado e antecipado. Deixemos filigranas de taxonomia e ornitologia de lado.

O importante dessa história toda para fins de gestão de portfólio se liga à imperiosa necessidade de sempre termos bons seguros contra catástrofe em nossas carteiras. Por mais convicto que o investidor esteja numa determinada posição (nós mesmos tínhamos opinião positiva sobre o futuro mapeável da Vale), ele jamais poderá fazer uma aposta all-in naquilo. A diversificação e as posições contra as próprias convicções precisam estar em qualquer portfólio. Em algum momento, você vai estar errado ou será surpreendido por alguma coisa inesperada, exatamente como acaba de acontecer.

Guarde esse caso particular como o que deveria ser uma prática geral. As pessoas têm dificuldade em carregar seguros em suas carteiras, justamente porque, na maior parte do tempo, eles representam apenas um custo e aparentam não ter benefício – ora, evento raro é… raro! Ele não pode acontecer toda hora. Mas, quando acontece, você lembra da importância do seguro – depois do ocorrido, será tarde demais.

Mais uma vez estamos diante de um cisne negro. E mais uma vez as proteções montadas no portfólio se mostram pertinentes. Desconfie de quem não desconfia de si mesmo.

Esclarecimentos

Encerro hoje com uma série de esclarecimentos, falando ainda só como financista (por favor, tente entender a separação com o cidadão):

1 - Recebi uma bateria de comentários de que dei sorte em relação à indicação de put fora do dinheiro de Vale. É claro que dei sorte. Jamais imaginaria algo assim agora, menos de dez dias depois da sugestão. O que escapa às pessoas, porém, é que a estratégia foi montada para capturar a sorte. Essa é a essência do tail hedging. Não fui eu que inventei isso. Ninguém se protege de um evento específico, mas de qualquer evento que possa causar uma grande variação das ações. Exposição repetida e competente a retornos convexos. Essa é uma meta de vida, aquela que aumenta sua chance de ter sorte. O país tropical abençoado por Deus oferece uma revoada de cisnes negros. Os eventos raros acontecem em bases semanais por aqui.

2 - Também recebi uma enxurrada de críticas sobre a matéria de O Antagonista em que o site pede a cabeça de Fábio Schvartsman após a tragédia. Esclareço o que deveria ser óbvio: somos apenas sócios do site; não participamos de qualquer atividade executiva ou editorial. O Antagonista tem total liberdade editorial e independência para escrever o que quiser – da mesma forma, eu tenho a minha para redigir esta newsletter, sem qualquer interferência alheia. De minha parte, considero o CEO da Vale um dos melhores executivos do Brasil. Pude conhecê-lo pessoalmente e dou o testemunho pessoal de sua competência. Tenho a convicção de que ele também está destruído como pessoa e de que sua dor é sentida fortemente pela família.

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu