Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CEO da Empiricus
2019-01-21T10:52:38+00:00
Exile on Wall Street

Uma humilde sugestão à família Bolsonaro – ou seriam duas?

Algo não podemos negar: há uma disciplina militar e a virtude da paciência em lidar com 48 envelopes à frente de um caixa eletrônico

21 de janeiro de 2019
10:51 - atualizado às 10:52
Jair Bolsonaro e seus filhos
Jair Bolsonaro ao lado de Flávio e Carlos Bolsonaro - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Flávio Bolsonaro, segundo consta, comprou dois apartamentos, entre 2014 e 2017, pela simbólica quantia de 4,2 milhões de reais. O período coincide com aquele em que o Coaf teria identificado movimentação de também simbólicos 7 milhões de reais nas contas de Fabrício Queiroz, seu ex-assessor. Para encerrar o simbolismo, o senador recebeu 96 mil reais num período de cinco dias, em 48 depósitos no valor de 2 mil reais.

Algo não podemos negar: há uma disciplina militar e a virtude da paciência em lidar com 48 envelopes à frente de um caixa eletrônico. “Eu quase que nada não sei, mas desconfio de muita coisa.” É a sabedoria de Riobaldo, que está transmitida lindamente pela voz de Caio Blat no Sesc Pompeia. A versão teatral de “Grande Sertão: Veredas” é apenas imperdível – deixo a dica cultural para a família Bolsonaro: “Uma coisa é pôr ideias arranjadas, outra é lidar com país de pessoas”.

Ao ler as notícias nesta segunda-feira, muita coisa vem à cabeça da gente. Para mim, cujo jaguncismo se dá no ambiente do mercado financeiro (“o sertão está em toda parte”), estranho mesmo é ele ter investido esse dinheiro todo no mercado imobiliário, concentrando o que parece ser fatia relevante de seu portfólio em apenas dois ativos físicos no Rio de Janeiro.

Poderia era ter diversificado isso em bons fundos imobiliários, com gestão profissional, menos encheção de saco e mais liquidez – se lesse o Valor de hoje, por exemplo, encontraria lá ótimas perspectivas para esse nicho. Depois do recorde do ano passado de volume, número de investidores e várias outras marcas históricas, o nicho continuaria com excelentes perspectivas.

Oportunidades

O mesmo Valor mostra como a superação dos “100 mil pontos pelo Ibovespa é apenas questão de tempo.” A Folha também traz algo nessa linha, com vários analistas tentando antecipar a pontuação do nosso principal índice de ações ao final do ano.

O que surge de especialista em ações, juro, câmbio e fundo imobiliário numa hora dessas é uma grandeza. A verdade é que me preocupo ao ver tudo isso. “O real não está no início nem no fim, ele se mostra pra gente é no meio da travessia.”

A evidência empírica sugere que, conforme noticiam recordes históricos e uma alta muito destacada para determinado ativo ou classe de ativos, há uma atração muito grande de pessoas físicas para aquilo. É uma espécie de tendência humana de extrapolarmos para o futuro as mesmas condições do presente. Se as coisas estão assim hoje, continuarão da mesma forma amanhã. Vale para as finanças e para a vida como um todo.

Pequena nuance

Há uma pequena nuance aqui. A prática implica comprar aquilo que já subiu e agora está ao menos um pouco mais caro. Viola-se o que deveria ser uma regra elementar de finanças: comprar barato e vender caro; não o contrário.

Noto o aumento do interesse por ativos de risco nas situações mais cotidianas. Vejo pessoas interessadas em saber se “já não subiu demais e muito rápido”; “se a reforma da Previdência está no preço”; “se, agora que já sou treinado em ações, posso negociar mais, fazer day trades e buscar novos instrumentos para sofisticar-me ainda mais como investidor.”

Fico triste comigo mesmo porque minhas respostas são sempre frustrantes. A realidade morde. Elas esperam uma fórmula mágica (mantida em segredo pelos profissionais) para ganhar dinheiro rápido ou, no mínimo, algum atalho para acelerar seus ganhos sem correr muito risco. “Sou conservador, não quero correr muito risco, mas preciso multiplicar meu capital.”

Talvez o maior segredo da educação financeira seja o de que não há segredo algum. Se o seu patrimônio crescer a uma taxa nominal de 10 por cento ao ano, isso já é maravilhoso. Mirar percentuais muito maiores enseja correr riscos por vezes escondidos, que não combinam com perfis conservadores.

Otimismo no ar

Em momentos de ganhos recentes pronunciados e muito otimismo no ar, essas coisas podem escapar às pessoas. E escapam a todos os espectros: investidores de varejo, jornalistas e até mesmo profissionais de mercado.

Para fingir uma pretensa austeridade (o pessimismo sempre foi percebido como uma postura intelectualmente superior, enquanto o otimismo parece transmitir superficialidade e falta de responsabilidade), muitos agora querem dizer que “subiu rápido demais”. Ora, sempre sobe (ou cai) rápido demais. As trajetórias dos ativos financeiros não são lineares, bem-comportadas e graduais. As Bolsas, as taxas de câmbio ou qualquer outra coisa caminham em grandes saltos súbitos, como se quisessem desafiar nossa avidez por desejo de controle, ausência de surpresas e pouca volatilidade.

Aliás, não é uma exclusividade das séries financeiras. A vida cotidiana é marcada por grandes saltos súbitos. Você fica vários meses – ou até mesmo anos – numa determinada profissão e, de repente, é promovido para uma nova oportunidade antes inimaginável. Passa anos na solteirice convicta até que, subitamente, conhece a mulher ou o homem da sua vida. Monta uma empresa e passa uma década de perrengue, até que fecha o contrato transformacional.

É da natureza da realidade – e os mercados, por mais incríveis que possam parecer, ainda pertencem à realidade, surpreendentemente. Para mim, a boa educação financeira passa pela montagem de um portfólio diversificado e balanceado a partir do pilar da paciência. Você compra e espera subir – provavelmente, vai passar meses ou até anos sem ganhar dinheiro, até que, subitamente, perceberá o tempo fazendo a sua mágica, num salto patrimonial súbito. “Deus é paciência, o contrário é o diabo.”

Outra coisa que me incomoda na leitura de ditos profissionais neste momento é qualquer colocação do tipo: “uma reforma da Previdência aguada já está no preço.” Não me refiro ao exemplo específico, mas à questão geral.

Expectativas

Veja: você não observa o que está no preço. Tudo que você vê é a realidade como um todo e o Ibovespa a 96 mil pontos. Não conseguimos simplesmente dissecar e desmembrar essa pontuação. “Olha, 32 mil pontos decorrem do cenário internacional favorável, outros 32 mil pontos são explicados pela melhora dos lucros e o restante deriva da expectativa pela reforma da Previdência.”

Estamos vendo uma tendência de alta para os ativos de risco brasileiros em meio a uma multiplicidade de variáveis. Melhora do ambiente internacional, recuperação cíclica, fim da estrutura esquerdopata intervencionista, evolução corporativa, etc. Quem ganhou a corrida: o cavalo ou o jóquei? Não dá para saber. Fora de ambientes de laboratório, não conseguimos realizar testes A/B no curso efetivo e material da História, apenas substituindo o cavaleiro para o mesmo cavalo, na mesma corrida, para capturar o que seria o efeito do jóquei estritamente.

Tendo proximidade com Tom Copeland e sua “expectations-based management”, sempre achei que os ativos financeiros se moviam independentemente de seus valuations. O caro pode ficar ainda mais caro, enquanto o barato pode ficar ainda mais barato. Depende apenas da gestão das expectativas e de um fluxo marginal de notícias capaz de trazer novidades positivas. Trazendo o argumento para o caso prático, se as próximas manchetes apontarem na direção de uma reforma da Previdência minimamente razoável, os ativos de risco brasileiros vão continuar subindo. Importam as notícias na margem. “Cavalo que ama o dono até respira do mesmo jeito.”

De minha parte, continuo otimista – às cotações atuais, especialmente com a moeda brasileira, que parece barata e descolada dos demais ativos domésticos por conta do desempenho dos últimos dias. Além de não lineares e súbitos, os movimentos e os ciclos de mercado são sempre maiores do que nossas cabecinhas lineares querem supor. Estamos só começando.

Isso não significa, claro, que a caminhada não será permeada por muita volatilidade e momentos de choro e ranger de dentes. O Brasil é o mesmo país de sempre, em que, apenas para ficar no exemplo da hora, os estandartes da ética e da moral, que rimam (na direita e na esquerda) como Marcelo D2, logo esbarram no caráter macunaímico ferozmente. “Deus mesmo, quando vier, que venha armado.” Agora, Ele ao menos conta com a vantagem da flexibilização da posse.

Mercados

Mercados abrem a segunda-feira próximos à estabilidade, embora predominando variações negativas. Há expectativas com o encontro de líderes globais em Davos, talvez com sinalizações para nossa política macroeconômica dadas por Jair Bolsonaro, e algum desconforto com mais um capítulo da guerra comercial entre EUA e China. Feriado em memória a Martin Luther King fecha Wall Street e retira liquidez.

Na agenda internacional, destaque para o PIB chinês, que apontou crescimento de 6,4 por cento, em linha com projeções. Produção industrial e vendas ao varejo vieram acima do esperado e limitam mau humor nas Bolsas.

Ibovespa Futuro cai 0,3 por cento, dólar e juros futuros sobem.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Nova cartada

Trump contra-ataca e anuncia um aumento nas tarifas sobre importações chineses

O presidente dos Estados Unidos anunciou a elevação das tarifas de importação sobre produtos da China, elevando a tensão no front da guerra comercial

Seu Dinheiro na sua noite

O Buraco do Twitter

O vale de Jackson Hole (Buraco do Jackson, para os íntimos) já serviu de cenário para as filmagens de Rocky 4. Em plena guerra fria, Sylvester Stallone usou a paisagem coberta de neve das montanhas que ficam no estado norte-americano do Wyoming para emular a Sibéria. Para quem acompanha o mercado financeiro, o lugar é […]

Estreitando relações

Bolsonaro anuncia acordo de livre comércio entre Mercosul e 4 países europeus

Anúncio foi comemorado por entidades diretamente envolvidas, como a Confederação Nacional da Indústria

Câmbio

BC ofertará até US$ 11,6 bilhões no mercado à vista a partir de 2 de setembro

Leilões serão iguais aos feitos ao longo desta semana, com o BC trocando swaps por dólar à vista a depender da demanda de mercado

Relação abalada

Maia volta a disparar contra Bolsonaro e diz que país vive ‘quase um Estado autoritário’, inclusive no Meio Ambiente

Presidente da Câmara também classificou como desculpa as ameaças da Europa sobre a questão das queimadas na Amazônia

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: No meio da guerra tinha um banco central

Seu Dinheiro traz em podcast um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Seguindo a Caixa...

Banco do Brasil pode adotar linha de crédito imobiliário atrelada ao IPCA

Se confirmado, novo tipo e crédito se somaria às novas linhas com taxas mais baixas para prazos de financiamento menores

Economia em dificuldades

Incertezas com Brexit e quadro global pesam no Reino Unido, diz Carney

Presidente do BoE afirmou que a economia do Reino Unido poderia ter várias reações, a depender dos progressos no Brexit

Deu a louca no gerente

Caixa vai vender todas as participações não estratégicas, diz presidente

Pedro Guimarães também voltou a mencionar que a Caixa vai “despedalar” os Instrumentos Híbridos de Capital de Dívida

Ela não para!

Caixa avalia mudança para taxa prefixada no financiamento imobiliário

Banco está avaliando excluir todo tipo de indexador e adotar taxa prefixada para o financiamento da casa própria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements