Menu
2019-08-15T16:09:49+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
guerra comercial

Trump tarifa e grita, mas China nunca exportou tanto quanto agora

Levantamento do Instituto Internacional de Finanças mostra resultados contrários ao esperado de uma guerra comercial. Se o ajuste não está nas contas de comércio, ele deve vir pela moeda

15 de agosto de 2019
16:09
Donald Trump, presidente americano
Donald Trump - Imagem: shutterstock

O presidente americano Donald Trump já fez inúmeras rodadas de aumento de tarifas sobre produtos chineses. O que se esperava era alguma manifestação disso no balanço de pagamentos da China, o mais óbvio reflexo seria na conta corrente. Mas o superávit das negociações de comércio e serviços segue em alta, puxado pelas exportações.

Os estragos da guerra comercial, no entanto, parecem estar se manifestando em outra linha do balanço. O país passa por acentuada fuga de capitais, superando patamares vistos em 2012 (escândalos de corrupção) e já somando metade do visto em 2015/16 (não por acaso desvalorização do yuan).

Para o Instituto Internacional de Finanças (IIF), as tarifas podem estar aumentando as expectativas com relação à depreciação da moeda chinesa. Tema especialmente sensível não só para a China, mas para todos os demais mercados emergentes.

O próprio IIF, em outro estudo, nos informou que a última rodada de tarifas anunciadas poderia levar a taxa de câmbio de 6,9 yuan por dólar vista antes do anúncio para cerca de 7,3 yuans. Mas o estudo foi feito antes de Trump recuar de parte dessa medida.

Exportando como nunca

O IIF levantou alguns dados e nos mostra que o superávit em conta corrente da China está em trajetória de alta. Algo que intuitivamente seria difícil de se esperara em função de uma série de tarifas.

Os técnicos do instituto também fizeram as contas tirando as commodities, pois são produtos que podem ter grandes flutuações de preço, distorcendo o resultado agregado. Para surpresa do IIF, a balança de bens ex-commodities está no maior patamar já registrado neste primeiro semestre. A China nunca exportou tanto!

Entra por um lado, sai pelo outro

Se as exportações surpreendem um lado, a conta de capitais assusta do outro. A questão a ser respondida, segundo o IIF, é o que está puxando essa firme retirada de dinheiro da China. Conceitualmente, tarifas são um choque negativo sobre a moeda. Por isso, o melhor palpite é que os agentes estão se antecipando a um movimento de desvalorização do yuan.

Segundo IIF faltam dados para fazer uma afirmação irrefutável, pois os números desagregados divulgados até agora são referentes ao primeiro trimestre. Mas o IIF avalia que a linha “erros e omissões” do balanço está aumentando muito rápido, o que é mais um indício de retirada de capitais por residentes e não residentes.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements