Menu
2019-11-16T15:53:04-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Shake it off

Taylor Swift, o grupo de investimentos Carlyle e uma briga feia no mundo da música pop

O Carlyle está no centro de uma discussão envolvendo Taylor Swift e sua antiga gravadora, a Big Machine Records, que estão disputando os direitos autorais da obra da cantora pop

16 de novembro de 2019
15:53
A cantora Taylor Swift durante a cerimônia do MTV Music Awards de 2019
A cantora Taylor Swift durante a cerimônia do MTV Music Awards de 2019 - Imagem: Shutterstock

Uma polêmica está abalando o universo da música pop. De um lado, a cantora Taylor Swift; do outro, dois importantes empresários que possuem os direitos sobre boa parte da obra da estrela americana. E, no centro dessa briga, aparece o grupo de investimentos Carlyle.

Sim, é um enredo bastante inusitado — microfones, guitarras e amplificadores não costumam aparecer ao lado de planilhas do mercado financeiro. No entanto, essa trama tem gerado enorme repercussão nas redes sociais e já envolve, inclusive, importantes figuras do cenário político dos Estados Unidos.

Antes de tudo, é preciso ter em mente a importância de Taylor Swift no cenário musical. A cantora pop é extremamente popular nos Estados Unidos, com seis álbuns gravados e mais de 50 milhões de discos vendidos desde 2016 — no Spotify, ela é listada como a 27ª artista mais ouvida em toda a plataforma.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Mas, apesar de toda a sua popularidade, Swift está tendo que enfrentar uma situação inusitada: ela não possui os direitos autorais sobe seus cinco primeiros discos. Tudo por causa de cláusulas contratuais assinadas por ela com a gravadora, a Big Machine Records, em 2005 — na ocasião, ela tinha apenas 16 anos.

Isso não era um problema enquanto Swift e Scott Borchetta, fundador da Big Machine, tinham um bom relacionamento. A situação, no entanto, começou a mudar a partir de junho deste ano, quando a gravadora foi comprada pela Ithaca Holdings, do empresário Scooter Braun.

A partir da aquisição, os direitos autorais sobre os discos de Taylor Swift passaram para as mãos de Braun — mais conhecido no mundo da música por ter descoberto outro fenômeno pop, Justin Bieber. E o empresário se recusa a ceder esses direitos de volta para a cantora.

No meio dessa disputa, Taylor Swift deixou a Big Machine e assinou com uma gravadora rival, a Republic. Ela diz ter a intenção de regravar os LPs lançados pelo antigo selo, mas esse plano também esbarra em termos contratual: pelas cláusulas assinadas, ela só poderá fazer isso a partir de 2020.

E onde entra o Carlyle nessa história? Bem, o grupo de investimentos financiou a aquisição da Big Machine pela Ithaca, numa transação de US$ 300 milhões. E Taylor Swift usou suas redes sociais para pressionar a empresa, "pedindo ajuda" para reverter a disputa com Braun e Borchetta.

"Eu peço ajuda especialmente do grupo Carlyle, que injetou dinheiro para que a minha música fosse vendida para esses dois homens", escreveu a artista, numa longa mensagem no Twitter.

Essa situação gerou ainda mais polêmica nas redes sociais porque, segundo Swift, os empresários e a Big Machine Records estariam a impedindo, inclusive, de tocar suas músicas antigas em apresentações ao vivo na TV, alegando que isso representaria uma tentativa de regravação do material que ainda é de propriedade da gravadora.

Haters gonna hate

Os fãs, é claro, estão fazendo um enorme barulho: a postagem da cantora já tem mais de 852 mil curtidas. A hashtag #IStandWithTaylor (algo como #EuEstouComTaylor) chegou a ser a mais comentada no mundo nos últimos dias.

A disputa chegou, inclusive, ao cenário político dos Estados Unidos: a influente deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez defendeu Swift e fez duras críticas aos grupos de private equity, como o Carlyle, afirmando que tais companhias possuem práticas predatórias que "ferem milhões de americanos":

"Suas compras alavancadas destruíram as vidas dos trabalhadores de varejo no país, eliminando mais de um milhão de empregos", diz ela, referindo-se às operações de aquisição de empresas como Toys R' Us e Sears, que culminaram no fechamento de grande parte das unidades de tais redes. "Agora, estão mantendo a música de Taylor Swift como refém".

Em comunicado, a Big Machine negou que esteja tentando bloquear apresentações ao vivo da cantora e se disse chocada com as afirmações baseadas em informações falsas. "A narrativa que você criou não existe. Tudo o que pedimos é uma conversa direta e honesta, e quando isso acontecer, você verá que temos respeito e admiração".

Já o Carlyle não se pronunciou sobre o caso — ao menos por enquanto, o grupo de investimentos não respondeu o chamado de Taylor Swift. Essa novela da música pop continua em aberto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

DE OLHO NO SERVIÇO PÚBLICO

Reforma administrativa é no sentido de valorização do quadro atual, diz Guedes

Ele defende que a estabilidade não seja automática, mas conquistada pelo servidor após anos de boas avaliações no trabalho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

É pra sorrir ou pra chorar?

A bolsa teve hoje um dia bastante parado, terminando o pregão praticamente no zero a zero. Nesse marasmo do mercado – que ainda contou com um alívio para a cotação do dólar – um papel se destacou no Ibovespa: as ações da Smiles dispararam quase 20%. Só que isso não quer dizer, necessariamente, que o acionista da […]

Poucas emoções

Num dia morno, o Ibovespa caiu e perdeu os 111 mil pontos; dólar recua a R$ 4,12

O Ibovespa cedeu a um leve movimento de correção e fechou em baixa, interrompendo a sequência de cinco altas consecutivas. Já o dólar à vista teve uma nova sessão de alívio, chegando à mínima em um mês.

MAIOR OTIMISMO COM PIB

Para Abimaq, PIB deve crescer 2,5% no próximo ano

A indústria, de uma maneira geral, de acordo com o executivo, vai crescer de 3,5% a 5%, focada muito no mercado interno

QUEDA À VISTA?

Bolsonaro sobre carne: Estamos na entressafra e preço vai diminuir

Bolsonaro disse que está levando “pancada” pelo preço da carne. “Muitos falam, nas redes sociais, que tem de ter tabelamento. Na Venezuela está tudo tabelado: vai lá comprar carne”, disse o presidente

DE OLHO NO CHURRASCO

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV

Em meio ao aumento das exportações para a China por causa do impacto da peste suína africana (PSA) naquele país, a inflação das carnes foi destaque na aceleração, tanto no atacado quanto no varejo

Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

a conta do benefício

Gigantes do Vale Silício deixam de pagar US$ 100 bilhões em impostos em uma década

Seis das principais empresas do Vale do Silício têm se beneficiado de estruturas governamentais ainda não preparadas para lidar com os serviços oferecidos por elas. Amazon, Facebook, Google, Netflix, Apple e Microsoft — cujo valor de mercado somado é de R$ 4,5 trilhões — deixaram de pagar ao menos de US$ 100,2 bilhões em impostos […]

OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

Vitreo zera taxa de performance de fundos para investir no IPO da XP

Com a decisão, a Vitreo se tornou, na minha opinião, a melhor forma de você investir nas ações da XP. Resta agora saber se a gestora conseguirá participar da oferta, que acontece na bolsa norte-americana Nasdaq

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements