Menu
2019-06-21T11:51:11+00:00
Um passo além

“Só a Previdência não vai nos recolocar na rota das altas taxas de crescimento”, diz secretário

Adolfo Sachisida afirma que há pouco tempo para colocar na rua medidas de estímulo que possam mudar a trajetória do PIB ainda neste ano

21 de junho de 2019
10:38 - atualizado às 11:51
brasil-crise
Crise no Brasil - Imagem: Shutterstock

Secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida alerta que a reforma da Previdência é essencial para resolver o problema fiscal do País, mas não será suficiente para garantir a retomada de altas taxas de crescimento.

"Honestamente, estamos numa situação tão ruim que só isso não basta mais. O PIB vai sair de 0,8% e vamos para 1,6%? Continua sendo baixo", disse em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. "Hoje esse 1,6% está quase um sonho muito distante. Temos de agir para a coisa não ficar pior ainda".

Segundo ele, há pouco tempo para colocar na rua medidas de estímulo que possam mudar a trajetória do Produto Interno Bruto (PIB) ainda neste ano: "Se essas medidas saírem em um ou dois meses, ainda tem efeito. Mas, se formos começar em setembro, por exemplo, muito difícil". "Tem de ficar muito claro para todos: a economia brasileira não está indo bem." Ele não quis fazer previsões de quando o País voltará a fazer superávit fiscal.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O economista, que apoiou Jair Bolsonaro desde muito cedo e ajudou o ministro Paulo Guedes a montar o programa de governo, diz que a equipe econômica trabalha hoje com o diagnóstico de que o País não enfrenta um problema de expectativa, mas de má alocação de recursos. Ele afirma que o time de Guedes trabalha numa série de medidas, que vão desde mudanças no FI-FGTS e no PIS/PASEP até a liberação de recursos do FGTS.

O governo já decidiu quando irá liberar os saques do FGTS?

A economia está passando por um momento difícil. O problema fiscal é muito grande. Outro problema é o de má alocação. Tecnicamente, é quando você, por meio de política pública, direciona recursos para setores que não são os mais eficientes. Exemplo: você direcionou R$ 2 bilhões para construir um estádio de futebol em Brasília. Para que serve? Para nada. Só que tem outro problema: todo ano tenho de colocar R$ 40 milhões para mantê-lo. Não é apenas o erro no passado. É o que ele continua custando à economia todo ano.

Por isso, economistas já falam que a reforma da Previdência não resolverá o problema?

Ela resolverá a primeira parte do problema. Vai resolver boa parte do problema fiscal e gerar onda de expectativa positiva, que vai se reverter em investimento. Mas isso, por si só, não vai nos recolocar no caminho de taxas altas de crescimento. Temos de corrigir a má alocação. Temos de rever vários dos fundos que direcionaram recursos para lugares que não dão retorno. Por exemplo, o FI-FGTS, o PIS/PASEP.

São medidas que podem trazer impacto no PIB deste ano?

Se essas medidas saírem em um ou dois meses, ainda tem efeito. Mas, se formos começar com essas medidas em setembro, por exemplo, muito difícil (dar resultado no PIB de 2019).

Dá tempo de anunciá-las?

Sim, porque boa parte dessas pautas é positiva. Mas entendo quem está tomando a decisão também. Estamos a dois meses de aprovar uma das reformas mais importantes já feitas na economia nos últimos dez anos. As pessoas não querem arriscar e por três, quatro votos perder uma reforma dessa.

Liberar o FGTS entraria aí?

Entraria no bojo de corrigir a má alocação. É economia do lado da oferta. É uma agenda muito mais ampla. No governo passado, havia insistência do lado da demanda. A economia está indo mal, então o governo gasta e estimula. Essa agenda está fora e não será repetida. Não tem aumento de gasto público. Ah, mas a demanda está fraca. Para corrigir um problema de má alocação de recursos você tira de um setor e coloca em outro (lugar). É corrigir a curva de oferta, melhorar a produção da economia.

Foi feito o discurso para a população de que a reforma tiraria o País do buraco. Não é complicado dizer agora que não bastará?

Verdade. Mas, infelizmente, você só vai se dando conta do tamanho do problema quando entende a complexidade dele. Quando corrigir o problema fiscal, principalmente da Previdência, vai entrar muito dinheiro. O que acontece é que hoje o PIB brasileiro está estimado em 1% (para 2019). Está muito baixo. Aprovar a Previdência vai, sim, nos trazer investimento e ajudar muito. Agora, honestamente, estamos numa situação tão ruim que só isso não basta mais. Vai sair de 0,8% e vamos para 1,6%?

Continua sendo um "pibinho".

Continua sendo baixo. Se você falasse no início do ano que o PIB seria de 1,6%, era difícil (acreditar). Hoje, 1,6% está quase um sonho muito distante. Já está em 1% e temos de agir para a coisa não ficar pior ainda.

Há risco de recessão?

Estatisticamente, é pouco provável porque, no segundo trimestre do ano passado, houve greve dos caminhoneiros. (Não haverá recessão agora) muito mais por erros do passado do que por méritos nossos. Tem de ficar muito claro para todos: a economia brasileira não está indo bem.

Quais setores deveriam receber recursos?

Não sei e não é a minha função saber. Esse é o erro do passado. Tenho de parar de tirar dinheiro de alguns e colocar no campeão nacional. Na hora que eu parar com isso, o dinheiro vai migrar naturalmente para os setores mais eficientes. Essa é a estratégia do governo: a economia do lado da oferta.

Foi um erro ter prometido na campanha que iriam zerar o déficit primário já em 2019?

A gente tinha certeza do tamanho do desafio fiscal. Mas muitas vezes se comunicar é mais difícil do que pensamos. Me parece que estava claro o seguinte: vamos vender uma estatal. Daí alguém diz: mas isso não entra no primário! O que estava na cabeça do ministro e na minha era que iríamos resolver o problema do lado econômico. O detalhe é como você endereça medidas econômicas. O que acontece é que boa parte dessas medidas não gera resultado primário na hora de contabilizá-las.

Quando haverá superávit?

Prefiro não dar previsão. Vamos ver o que vai passar de Previdência, ver a nossa força e corrigir outros desafios.

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Vitória do governo

Câmara aprova texto-base da MP que reformula estrutura do Executivo

No início da votação, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro que vive uma crise interna, obstruiu a tramitação e tentou esvaziar o quórum do plenário

Investigação

CVM aplica R$ 82 milhões em multas em esquema intermediado por Cruzeiro do Sul

Inquérito aberto em 2010 pela xerife do mercado de capitais identificou prejuízos milionários a fundos de pensão de estatais como Copel, Eletronuclear, Correios e Cedae

Em meio à crise

Líder do PSL na Câmara diz que partido não vai expulsar nenhum parlamentar

Delegado Waldir negou também que vá haver qualquer retaliação do partido em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro

Perto do fim

CCJ do Senado marca reunião para analisar emendas do 2º turno da reforma da Previdência

Até o momento, senadores apresentaram nove sugestões de alteração, que mexem na redação da proposta

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a realidade se impõe

Groucho Marx dizia que jamais faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. Durante muito tempo os brasileiros trataram erroneamente a bolsa de valores como o tipo de clube desprezado pelo lendário comediante. Mas essa realidade começa a mudar. Quem decidiu ingressar no clube da renda variável no início do ano obteve um […]

De olho no gráfico

S&P vai, não vai, fez que vai…

Apesar da recente alta em um dos principais índices da bolsa de Nova York, Fausto Botelho ainda projeta um ciclo de queda

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements