Menu
2019-04-05T15:46:25+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
E as reformas?

Será que o Temer e seus amigos vão travar mais uma reforma da Previdência?

Segundo o cientista político e vice-presidente da Arko Advice, Cristiano Noronha, episódio gera ruído para o governo, mas não altera perspectiva de aprovação

21 de março de 2019
15:38 - atualizado às 15:46
Michel Temer e Jair Bolsonaro
Presidente Michel Temer ao lado de presidente eleito, Jair Bolsonaro - Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

A prisão do ex-presidente Michel Temer repercute no mundo político e no mercado financeiro trazendo preocupações sobre o andamento da agenda de reformas do governo Jair Bolsonaro no Congresso. O evento é negativo, sem dúvida, mas não catastrófico.

Para o cientista político e vice-presidente da Arko Advice, Cristiano Noronha, apesar de criar um embaraço no curtíssimo prazo, o evento não altera a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência.

Noronha lembra que outros eventos de prisão de políticos relevantes como o ex-presidente Lula e o ex-deputado federal Eduardo Cunha também geraram expectativas de que a classe política poderia se rebelar, “mas nada disso aconteceu”.

Noronha e sua equipe já conversaram com diversos parlamentares depois do evento e a principal dúvida dos congressistas (e dele também) é a fundamentação da prisão não só de Temer, mas de outras pessoas envolvidas, e o motivo dessa ação estar ocorrendo agora.

Por ora, diz Noronha, com mais esse ruído, é possível que o governo tenha de aumentar sua cautela no diálogo com o Congresso, mas que esse é um evento de curto prazo.

“Gera ruído, tem consequências, mas não altera a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência”, diz Noronha.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Militares

Para Noronha, a reforma dos militares, enviada ontem ao Congresso e já criticada por conter uma reformulação de carreiras, pode ser utilizada para reforçar os argumentos daqueles que já defendiam algum tipo de compensação ou suavização para determinados grupos dentro da reforma geral.

“O texto dos militares reforça esse argumento, mas também não inviabiliza a reforma. O governo vai ter de operar para que reforma dos militares não acabe criando justificativa para desidratar a reforma geral”, diz o especialista.

Dentro desse grupo que pode usar o texto dos militares para buscar benefício próprio, segundo Noronha, está o funcionalismo público, que para travar o andamento da reforma, propaga que o projeto tira direito dos mais pobres e entrega a Previdência para os banqueiros.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Xadrez político

Bolsonaro tira general da cúpula do governo e coloca nos Correios

Floriano Peixoto será a segunda troca na Secretaria-Geral em menos de seis meses de governo

DE OLHO NO GRÁFICO

Ouro e bitcoin estão subindo enquanto o Dow Jones sofre tendência de queda

Coluna do Fausto Botelho traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Os temas são mercado de ações e criptomoedas

Pensando no futuro?

Bolsonaro fala pela primeira vez em disputar a reeleição em 2022

Diante de moradores de Eldorado, no interior de São Paulo, o presidente apontou para a possibilidade de disputar novamente as urnas

Logo na largada

Fed sinaliza que regulará criptomoeda do Facebook

Presidente do BC norte-americano, Jerome Powell, confirmou que a rede social conversou com o Fed sobre regulação

Seu Dinheiro na sua manhã

Trilha sonora de fim de festa

Ali pelo fim dos anos 1990 ficou relativamente popular na região da Baixada Santista uma espécie de “trilha sonora de fim de festa”. Quando o anfitrião desejava jogar um balde de gelo na animação da galera, pressionado pelos vizinhos em fúria, bastava pôr para tocar Daysleeper, do REM. A música faz parte do disco Up, de 1998. […]

Entrevista

BC erra ao atrelar queda de juros à reforma, diz Figueiredo, da Mauá Capital

Ex-diretor do Banco Central prevê duas quedas na Selic de 0,5 ponto porcentual cada uma até o fim do ano e diz que política monetária deve apenas focar na expectativa de inflação

Tensão diplomática

Cotações do petróleo sobem depois de derrubada de drone americano pelo Irã

Forças iranianas informaram que o drone foi derrubado porque estava invadindo o espaço aéreo do país, mas autoridades dos EUA negam

Ações

Bolsas da Ásia fecham em alta com Fed e otimismo com comércio EUA-China

Sinalização de queda dos juros e possibilidade de uma nova rodada de negociações entre Estados Unidos e China ajudaram mercados asiáticos

Política monetária

Corte de juros é uma possibilidade, diz vice-presidente do BC europeu

Luis de Guindos disse que o BCE está preparado para agir se o cenário de deterioração na perspectiva econômica se mantiver

Julgamento no TRF4

Ex-presidente da Petrobras e do BB tem pena reduzida na Lava Jato

Aldemir Bendine, que comandou o Banco do Brasil e a Petrobras, teria recebido propina de R$ 3 milhões da Odebrecht para favorecer o grupo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements