Menu
2019-06-07T18:52:39+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nada de parar

Senador do PSL articula acordo contra recesso de meio de ano no Congresso

Major Olímpio afirma não ter sentido um recesso no momento em que pautas importantes como a reforma da Previdência precisam ser votadas

30 de maio de 2019
18:24 - atualizado às 18:52
Major-Olímpio
Senador Major Olímpio - Imagem: Fotos Públicas

O líder do governo no Senado Federal, Major Olimpio (PSL-SP), afirmou nesta quinta-feira, 30, a empresários que tem articulado para que o recesso de meio de ano do Congresso Nacional seja suspenso, via acordo entre Senado e Câmara. Segundo ele, não há sentido haver recesso num momento de crise em que pautas importantes como a reforma da Previdência precisam ser votadas.

"Estou fazendo toda a força do mundo contra o recesso num momento de crise como esse. Basta haver um acordo amplo entre as presidências do Senado, da Câmara", disse durante o 3º Fórum Nacional do Setor de Serviços, em São Paulo. O recesso começa em 17 de julho. Segundo Olimpio, a ideia é fazer a tramitação na Câmara se encerrar até essa data.

O senador criticou ainda parte dos parlamentares do Centrão durante a votação da reforma administrativa do governo, que acabou com uma derrota ao Palácio do Planalto, ao retirar o Coaf do ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública, e devolvê-lo ao Ministério da Economia. Segundo o Major, parte do centro é composto de "pseudoaliados de conveniência".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Articulação política

Em nota, o líder do governo no Senado disse também nesta quinta que o governo não fez nenhuma articulação para garantir que medidas provisórias de seu interesse fossem votadas hoje no plenário da Casa.

Pela manhã, o Senado decidiu adiar as votações para a segunda-feira. Uma das propostas é a chamada MP Antifraude do INSS.

O texto precisa ser votado até o dia 3 para não perder a validade e ameaçar uma economia de R$ 9,8 bilhões em um ano com o combate a fraudes nos pagamentos de benefícios.

"Não houve articulação política nenhuma no sentido de pedir que as bancadas de senadores ficassem hoje para votar as medidas provisórias, nem mesmo com a bancada do PSL houve esse pedido", disse Olimpio. "Não houve esforço nenhum para tentar votar hoje. Todos sabiam que não teria quórum para eventual pedido de verificação, ou seja, mais uma vez, faltou articulação política", acrescentou.

Olimpio destaca na nota que ficou decidido entre os líderes que não ocorreria votação nominal hoje, e se ocorresse votação seria apenas votação simbólica. "Não houve esforço nenhum para tentar votar hoje (...). É um embuste falar em articulação".

Com o adiamento das votações, o governo terá que mobilizar senadores para estarem no Senado em uma segunda-feira, dia em que vários parlamentares ainda não estão de volta à capital federal. A sessão foi anunciada para as 16h.

Na mesma sessão, o Senado deverá votar a MP que ampliou o prazo para o pagamento de gratificações a servidores e empregados cedidos à Advocacia-Geral da União (AGU).

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Seu Dinheiro na sua noite

Lucro, pra que te quero?

Podem me chamar de antiquado ou de romântico, mas sou do tempo em que empresa boa é empresa que dá lucro. Mas reconheço que, diante das mudanças abruptas na forma como consumimos produtos e serviços, olhar para a chamada última linha do balanço das companhias ficou meio fora de moda. No lugar do lucro, o […]

Xiiii...

Oi avisa Anatel que pode ficar sem dinheiro para operar a partir de fevereiro

Diagnóstico da situação da empresa indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário”

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: O furacão das eleições na Argentina e o fantasma da recessão mundial

Seu Dinheiro traz um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements