Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Boletim Focus

Projeções para Selic e inflação em 2019 recuam, segundo o último Focus do ano

Para o PIB, expectativa de crescimento aumentou; perspectiva para o câmbio permanece

31 de dezembro de 2018
10:35 - atualizado às 11:28
Juro baixo, inflação controlada e crescimento favorecem ativos de risco - Imagem: Shutterstock

A expectativa do mercado para a taxa básica de juros para o fim de 2019 caiu de 7,25% para 7,13% ao ano, apontam as estimativas do último Boletim Focus do Banco Central do ano.  Na prática, o percentual indica que os economistas ouvidos estão divididos entre uma Selic de 7,25% ou de 7,00% no fim do ano que vem.

Para o grupo de analistas que mais acertam as projeções (top 5) de médio e de curto prazos, a mediana da taxa básica em 2019 seguiu em 6,50% ao ano, ante uma previsão de 7,00% e 7,50% um mês antes, respectivamente. Ou seja, para esses analistas, a Selic estacionaria na sua mínima histórica durante todo o ano que vem.

No geral, o mercado espera que os juros se mantenham em 6,50% ao ano pelo menos nos primeiros meses do governo Bolsonaro, iniciando um novo ciclo de alta apenas no segundo semestre de 2019.

Para 2020, a projeção da Selic se manteve em 8,00% no fim do ano, tanto para o mercado em geral quanto para os analistas dos rankings top 5.

A projeção para o crescimento do PIB no ano que vem, no entanto, subiu de 2,53% para 2,55%. Para 2018, a expectativa de crescimento permaneceu em 1,30%, e para 2020 também se manteve a projeção de alta de 2,50%.

Inflação e câmbio

A projeção de inflação pelo IPCA para 2019 também caiu, de 4,03% para 4,01%. Já os analistas dos rankings top 5 mantiveram suas previsões em 3,96%.

A expectativa para o IPCA de 2018 permanece em 3,69%, sendo 3,66% para os analistas dos rankings top 5.

Para o câmbio, foi mantida a expectativa de dólar a R$ 3,80 tanto para 2019 quanto para 2020 em todos os recortes.

Confira o Boletim Focus na íntegra.

Projeções favorecem os ativos de risco

As projeções de Selic baixa, inflação controlada e crescimento econômico favorecem os ativos de risco, cuja rentabilidade está fortemente ligada ao setor produtivo.

Assim, investimentos como ações, fundos imobiliários e imóveis tornam-se atrativos, bem como os ativos de renda fixa que se beneficiam da queda nos juros futuros e que financiam a atividade.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Novidades à vista?

Em estratégia de “fatiamento” da Abril, Exame deve ficar com o BTG

Segundo uma fonte, o empresário deve buscar compradores não só para a “Exame”, mas também para outras unidades de negócio, como a Casa Cor e o Guia do Estudante

Novidades nos EUA

Não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, destaca carta

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) às autoridades americanas uma parte do conteúdo do relatório do conselheiro especial do DoJ, Robert Mueller

Investigações

Caixa 2 é o crime eleitoral mais investigado pela Polícia Federal

Entre 2006 e 2016, a maioria dos procedimentos eleitorais abertos pela PF estava relacionada à acusação de compra de voto

Articulação política

Major Vitor Hugo visita Bolsonaro e tenta aproximar Planalto e demais poderes

Ao sair da residência oficial da Presidência da República, Vitor Hugo disse que conversou com Bolsonaro sobre a aprovação da reforma da Previdência e a tramitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ)

OBRIGADA, LEITOR!

Seis meses com o Seu Dinheiro

Projeto foi lançado em 24 de setembro e já tem mais de 800 mil leitores por mês no site e 65 mil cadastrados para as newsletters diárias. Conheça a linha editorial, saiba quem não somos e como ganhamos dinheiro.

Entrevista com o cientista político

“Presidente não demonstra capacidade de articulação”, afirma Sérgio Abranches

Autor do termo “presidencialismo de coalizão” nos anos 1980, Abranches afirma que “não faz sentido” o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser articulador político de qualquer agenda do governo

Todo mundo se estranhando...

Bolsonaro rebate Maia e cita “velha política”

O presidente também alegou não saber por que Maia anda tão “agressivo” com ele

Bon vivant

Mergulhe no maravilhoso mundo dos cafés especiais

Além de apreciar safras de pequenos produtores, amantes da bebida podem tomar um banho terapêutico ou sobrevoar plantações a bordo de um balão

Fintech

Fundo do BNDES investe em ‘bolsa’ de cotas de consórcio

Com sede na Bahia, o Bom Consórcio funciona como uma plataforma de compra e venda de cotas de pessoas que desistiram ou deixaram de pagar as prestações

IR 2019

Guia: como declarar os seus investimentos no imposto de renda 2019

Você também precisa prestar contas das suas aplicações financeiras ao Leão! Confira nosso guia completo sobre como declarar investimentos no IR 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu