Menu
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Sabia que a crise na Venezuela pode afetar os seus investimentos?

Dependendo do desfecho, crise no país vizinho pode ter efeito no Brasil não só do ponto de vista diplomático e humanitário, mas também no bolso dos investidores brasileiros

1 de março de 2019
11:26 - atualizado às 11:49

A atual crise na Venezuela afeta o Brasil do ponto de vista diplomático e humanitário. O país não reconhece mais Nicolás Maduro como presidente legítimo depois da interferência dele nas últimas eleições, assim como vários outros países. Para piorar, Maduro fechou a fronteira com o Brasil. Enquanto o vizinho passa por conflitos políticos e protestos, o Brasil tem recebido os imigrantes venezuelanos que buscam refúgio já há algum tempo, e agora tenta enviar também ajuda humanitária, rechaçada por Maduro.

Mas você sabia que, dependendo do desfecho, a crise na Venezuela pode acabar trazendo bons ventos para os seus investimentos? Se nossos vizinhos acabarem escolhendo um caminho mais democrático, isso não será bom apenas para eles, mas também para o Brasil. No vídeo a seguir, eu explico como:

Confira a seguir a transcrição do texto do vídeo sobre a crise na Venezuela

A Venezuela não é daqueles países que mexem com a economia mundial. Mas a atual crise do nosso vizinho impacta o Brasil de várias formas. Do ponto de vista humanitário e diplomático, a relação é bem clara. Os venezuelanos buscam ajuda por aqui, e o governo brasileiro tende a apoiar a democratização do país. Mas você sabia que o impacto pode chegar até nos seus investimentos? Crise na Venezuela: e eu com isso?

A Venezuela, como você deve saber, é um país riquíssimo em petróleo, com as maiores reservas provadas do planeta. E é em torno desse ouro negro que se dão as disputas políticas do país. Mas a bem da verdade, os venezuelanos nunca exploraram as suas riquezas naturais de um jeito lá muito eficiente. Mesmo antes do chavismo, a exploração do petróleo por multinacionais era bastante lesiva pro país. E depois que o governo estatizou a produção, a exploração passou a ser de monopólio de uma estatal mal administrada.

O maior problema é que a Venezuela não aproveitou a riqueza do petróleo pra diversificar a sua economia. Os gastos do governo chavista foram altos e mal direcionados. O país falhou em se industrializar e se tornou extremamente dependente de importações. Resultado: quando o preço do petróleo tava nas alturas, as coisas iam bem, mas era só a cotação cair, que a população passava a sofrer. Até papel higiênico sumiu das prateleiras, lembra?

Agora, o presidente Nicolás Maduro se depara com uma grave crise política e humanitária. Depois de Maduro ter perdido as últimas eleições e invalidado o pleito pra ganhar numa segunda rodada, o presidente da Assembleia Nacional se autoproclamou presidente interino, no que foi reconhecido por vários países. O imbróglio colocou em xeque a permanência de Maduro no poder.

E o que isso tudo tem a ver com você como investidor? Se a Venezuela superar essa crise tomando um caminho mais democrático, o país pode se abrir pra investimentos estrangeiros, inclusive de empresas brasileiras, que ainda têm capacidade ociosa. Pensa que a Venezuela é um país que precisa de praticamente tudo pra se reerguer, na indústria, no comércio e nos serviços. As oportunidades se abrem principalmente pra Petrobras e as construtoras.

Se você gostou do vídeo, se inscreve no nosso canal de YouTube e clica no sininho pra receber as notificações. E pode deixar as suas dúvidas e sugestões no campo de comentários.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

A Bula do Mercado

Muito além do otimismo

Após Ibovespa romper os 100 mil pontos e o dólar vir abaixo de R$ 3,80, mercado doméstico busca motivação para ir em frente, mas cabe também alguma cautela

Fundos negociados em bolsa

Como declarar fundos imobiliários e ETF no imposto de renda

Fundos imobiliários e fundos de índice têm cotas negociadas em bolsa, e a forma de declarar esses investimentos é muito parecida com a maneira de declarar ações

Chegamos lá

Com Ibovespa a 100 mil pontos, ainda vale a pena entrar na bolsa?

Finalmente chegamos lá, os históricos 100 mil pontos! É claro que é só uma marca “psicológica”, mas a pergunta que fica realmente é: a bolsa já subiu demais, dadas as circunstâncias? Ainda vale a pena entrar ou aumentar posição? Ouvi alguns nomes de mercado para responder à questão

Venham para o Brasil!

Em discurso na Câmara de Comércio dos EUA, Guedes faz chamado aos investidores americanos

Ministro da Economia disse que o Brasil vive um novo momento econômico e citou as mudanças fiscais que o governo tem promovido como exemplo

Viagem aos Estados Unidos

Citando o recorde na bolsa, Bolsonaro fala em “amor à primeira vista” por Guedes

Presidente parabenizou o ministro pelo seu trabalho e colocou nas mãos dele a responsabilidade pelos 100 mil pontos do Ibovespa

Seu Dinheiro na sua noite

100 mil razões para celebrar

Ibovespa rompe marca dos 100 mil pontos pela primeira vez na história; na economia, governo já lança novo pacote de concessões de aeroportos

Pente-fino

Governo encaminha projeto contra grandes devedores da Previdência este mês

Membros do governo Bolsonaro acreditam que será possível recuperar em torno dos R$ 150 bilhões com o novo sistema

Mercado aquecido

Volume de operações de fusões e aquisições cresce 28% em 2018, diz Anbima

De acordo com dados da associação, a alta foi puxada pela transação entre a Suzano Papel e Celulose e Fibria

Aproximação comercial

Guedes diz que exportações e importações com dos Estados Unidos devem aumentar

Ministro destacou, no entanto, que as relações comerciais com a China, principal parceiro do Brasil, não sofrerão cortes

Presidente em exercício

Em encontro com Doria, Mourão fala em convergência de ideias

Presidente em exercício afirmou que o governo federal buscará estreitar relacionamento com os Estados para atrair investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu