Menu
2019-09-23T15:10:15+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
olho nos números

Rombo nas contas externas brasileiras chega a US$ 30 bilhões, diz Banco Central

Investimentos Diretos no País somaram US$ 9,470 bilhões em agosto; resultado das transações correntes ficou negativo em US$ 4,274 bilhões no mês

23 de setembro de 2019
13:08 - atualizado às 15:10
Notas de dinheiro
Imagem: Shutterstock

O rombo nas contas externas soma US$ 30,277 bilhões até agosto, segundo estimativa do Banco Central divulgada nesta segunda-feira, 23.

Segundo a instituição, a remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 3,433 bilhões em agosto. A saída líquida representa um volume superior aos US$ 464 milhões que foram enviados em igual mês do ano passado, já descontados os ingressos.

No acumulado do ano até agosto, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 17,966 bilhões. A expectativa do BC é de que a remessa de lucros e dividendos de 2019 some US$ 17,5 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O BC informou também que as despesas com juros externos somaram US$ 1,316 bilhão em agosto, ante US$ 596 milhões em igual mês do ano passado.

No acumulado do ano até agosto, essas despesas alcançaram US$ 17,285 bilhões. Para este ano, o BC projeta pagamento de juros no valor de US$ 19,4 bilhões.

Transações correntes

Após o déficit de US$ 9,035 bilhões em julho, o resultado das transações correntes ficou negativo em agosto deste ano, em US$ 4,274 bilhões, informou nesta segunda-feira, 23, o Banco Central. A instituição projetava para o mês passado déficit de US$ 4,8 bilhões na conta corrente.

O número do mês passado ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 5,0 bilhões a déficit de US$ 1,1 bilhão (mediana negativa de US$ 4,0 bilhões). O déficit de US$ 4,274 bilhões é o pior resultado para agosto desde 2014, quando houve déficit de US$ 5,998 bilhões.

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 2,664 bilhões em agosto, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,461 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 4,727 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou negativo em US$ 4,152 bilhões.

No acumulado do ano até agosto, o rombo nas contas externas soma US$ 30,277 bilhões. A estimativa do BC, do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de junho, é de déficit em conta corrente de US$ 19,3 bilhões em 2019. Esta projeção será atualizada na próxima quinta-feira, na divulgação do RTI.

Já nos 12 meses até agosto deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 33,852 bilhões, o que representa 1,84% do Produto Interno Bruto (PIB).

Viagens internacionais

A conta de viagens internacionais voltou a registrar déficit em agosto, informou o Banco Central. No mês passado, a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil foi de um saldo negativo de US$ 846 milhões. Em igual mês de 2018, o déficit nessa conta foi de US$ 900 milhões.

O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 1,309 bilhão em agosto. Já o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 464 milhões no mês passado.

No ano até agosto, o saldo líquido da conta de viagens ficou negativo em US$ 7,876 bilhões. Para 2019, o BC estima um déficit de US$ 12,0 bilhões.

Investimento direto no país

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 9,470 bilhões em agosto. O resultado ficou bem acima das estimativas apuradas pelo Projeções Broadcast, que iam de US$ 5,4 bilhões a US$ 7,0 bilhões, com mediana de US$ 6,0 bilhões. Pelos cálculos do Banco Central, o IDP de junho indicaria entrada de US$ 5,500 bilhões.

No acumulado do ano até agosto, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 41,213 bilhões. A estimativa do BC para este ano, atualizada em junho, é de IDP de US$ 90,0 bilhões em 2019.

No acumulado dos 12 meses até agosto deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 71,993 bilhões, o que representa 3,91% do Produto Interno Bruto (PIB).

Investimento em ações

O investimento estrangeiro em ações brasileiras ficou negativo em US$ 3,486 bilhões em agosto, ainda segundo o BC. Em igual mês do ano passado, o resultado havia sido negativo em US$ 36 milhões.

No acumulado do ano até agosto, o saldo ficou negativo em US$ 1,941 bilhão. Pelos cálculos do BC, o saldo das operações de investidores estrangeiros no mercado de ações será zero em 2019. Esta projeção considera as ações negociadas em bolsas brasileiras e no exterior e os fundos.

O investimento em fundos de investimentos no Brasil ficou positivo em US$ 23 milhões em agosto. No mesmo mês do ano passado, ele havia sido negativo em US$ 43 milhões. No acumulado do ano, houve aportes de US$ 2,296 bilhões dos fundos de investimentos.

Já o saldo de investimento estrangeiro em títulos de renda fixa negociados no País ficou negativo em US$ 3,130 bilhões em agosto. No mesmo mês do ano passado, havia ficado negativo em US$ 7,750 bilhões.

No ano, o saldo em renda fixa ficou positivo em US$ 8,073 bilhões. Para 2019, a estimativa do BC é de entradas de US$ 15 bilhões nas operações com renda fixa.

Taxa de rolagem

O Banco Central informou que a taxa de rolagem de empréstimos de médio e longo prazos captados no exterior ficou em 254% em agosto. Esse patamar significa que houve captação de valor em quantidade para rolar compromissos das empresas no período.

O resultado ficou acima do verificado em agosto do ano passado, quando a taxa havia sido de 152%.

De acordo com os números apresentados nesta segunda-feira pelo BC, a taxa de rolagem dos títulos de longo prazo ficou em 168% em agosto. Em igual mês de 2018, havia sido de 240%. Já os empréstimos diretos atingiram 256% no mês passado, ante 115% de agosto do ano anterior.

No ano até agosto, a taxa de rolagem total ficou em 104%. Os títulos de longo prazo tiveram taxa de 32% e os empréstimos diretos, de 165% no período. O BC estima taxa de rolagem de 85,0% para 2019.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Sopa de letrinhas

Entenda como funciona o rating, a nota de crédito dos países e das empresas

A avaliação sobre a capacidade financeira de países e empresas de uma maneira padronizada serve para que os investidores conheçam o nível de risco a que estão se expondo na hora de comprar títulos de dívida. Eu conto para você o conceito que está por trás dessas notas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements