Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Congresso

Rodrigo Maia é reeleito presidente da Câmara dos Deputados com 334 votos

Deputado ocupará o cargo pela terceira vez consecutiva e fala em fazer reformas de forma pactuada. No Senado, sessão foi suspensa e será retomada amanhã

1 de fevereiro de 2019
22:05 - atualizado às 22:23
Rodrigo Maia (DEM-RJ). - Imagem: J.Batista/Câmara dos Deputados

Em linha com o previsto pelos analistas políticos e pelo mercado, o senador Rodrigo Maia (DEM-RJ) vai comandar a Câmara dos Deputados. Maia foi eleito em primeiro turno com 344 votos, resultado considerado expressivo, para o biênio 2019/2020.

Outros seis deputados disputavam o comando da Casa que terá papel no encaminhamento da agenda de reformas do governo Jair Bolsonaro. Maia foi candidato oficial do bloco PSL, PP, PSD, MDB, PR, PRB, DEM, PSDB, PTB, PSC e PMN.

Rodrigo Maia assumiu a cadeira emocionado e agradeceu os votos dos deputados e aos competidores.

“Nós teremos muitos desafios. A Câmara precisa de modernização na relação com a sociedade, nos nossos instrumentos de trabalho, para que a gente possa ficar mais perto dos cidadãos. Precisamos modernizar as nossas leis, simplificá-las, e fazer as reformas de maneira pactuada”, disse.

Maia afirmou que, apesar de ter disputado o cargo por três vezes, sempre se emocionou na disputa. “Cresci nesta Casa, convivendo com todos os partidos”, declarou.

Concorreram com candidaturas avulsas, Fábio Ramalho (MDB-MG), que teve 66 votos; Marcelo Freixo (Psol-RJ), com 50 votos; JHC (PSB-AL), com 30 votos; Marcel Van Hattem (Novo-RS), com 23 votos; Ricardo Barros (PP-PR), com 4 votos; e General Peternelli (PSL-SP), com 2 votos.

Senado

Na Casa Revisora, a indefinição segue. Os senadores tentaram se entender sobre quem deve presidir a sessão, se o senador mais velho ou se Davi Alcolumbre (DEM-AP) e se a votação será aberta ou fechada. Por volta das 22h15, Alcolumbre suspendeu a sessão e convocou para amanhã, sábado 11 horas, a continuidade da reunião preparatória para a eleição.

Mais cedo, Alcolumbre realizou votação em plenário e 50 senadores votaram a favor do voto aberto e 2 foram contrários.

Há uma batalha regimental, pois o regimento interno do Senado prevê eleição secreta para a presidência. Mas também é possível que o Plenário tenha entendimento diferente. No entanto, se discute, também, se basta a maioria dos votos para “alterar” o regimentou o se tem de ocorrer votação unânime pela nova interpretação.

Senadores Renan Calheiros (DEM-AL) e Tasso Jereissati (PSDB-CE) discutem no Senado. - Imagem: Pedro França/Agência Senado

*Com Agências Câmara e Senado

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu