Menu
2019-05-22T13:05:28+00:00
Na busca do R$ 1 trilhão

Reforma abrirá portões para retorno do crescimento econômico, diz Guedes

Guedes discursou contra corporações do funcionalismo público que se opõem à proposta do governo de reforma previdenciária

22 de maio de 2019
13:05
O ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência pública da Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.
O ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender nesta quarta-feira, 22, que a reforma da Previdência abrirá os portões para o retorno do crescimento econômico e disse estar confiante de que a proposta do governo será aprovada pelo Congresso Nacional com uma potência fiscal de R$ 1 trilhão em dez anos. "Não há alternativa para a Previdência, o regime antigo quebrou. Temos uma bomba demográfica, não podemos seguir com essa ameaça", afirmou, durante palestra de mais de uma hora de duração no Seminário Previdência, organizado pelo jornal Correio Braziliense.

Guedes admitiu que a comunicação da reforma é o grande desafio do governo, mas voltou a dizer que sem ela será inviável garantir os benefícios e aposentadorias no futuro. "A reforma da Previdência reduz desigualdades e remove privilégios, sem atingir os mais frágeis", enfatizou.

Mais uma vez, Guedes discursou contra corporações do funcionalismo público que se opõem à proposta do governo de reforma previdenciária. "As aposentadorias dos funcionários do legislativo são 20 vezes maiores que as dos trabalhadores comuns. É evidente que lobby contra reforma da Previdência está em Brasília. Não é o Brasil que é contra a reforma da Previdência, é Brasília", acrescentou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Para o ministro, essas corporações estariam estão usando os pobres como escudo contra a reforma, ao alegarem que a proposta retira direitos dos menos favorecidos. "Isso é 'fake news'", acusou.

Ele também rebateu críticas de que a alíquota contribuição previdenciária de 22% proposta para quem ganha mais R$ 30 mil seria uma medida confiscatória. "Se algum juiz reclamar de alíquota de 22% para quem ganha mais do que o presidente da República, é melhor ficar quieto. Não chateia", alfinetou.

Estouro do Orçamento

O ministro da Economia avaliou ainda que a reforma da Previdência livrará o País de ameaça de estouro do Orçamento pelos próximos 15 ou 20 anos. Ele repetiu estar confiante na aprovação do projeto do governo com economia de R$ 1 trilhão em uma década. "Se a reforma for pouco potente, servirá apenas aos próximos dois governos. Se a reforma tiver de R$ 500 bilhões a R$ 700 bilhões de efeito, não lançaremos um novo regime (de capitalização). Não enviaremos os jovens em um foguete para a lua se não tivermos o combustível", afirmou.

Para Guedes, a reforma da Previdência abre um horizonte de crescimento de 3% ao ano para a economia brasileira por mais de dez anos. "Essa visão de estabilidade financeira à frente é o que traz de volta os investimentos", completou.

O ministro elogiou o apoio do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à reforma e disse não poder "reclamar nada" da ajuda do presidente Jair Bolsonaro sobre o tema. "Não adianta cobrar tudo do presidente, ele já faz coisas além do que se poderia pedir", afirmou.

Guedes ainda brincou ao dizer que o governo é criticado por não ter habilidade de comunicação, e lembrou que governos que eram reconhecidos por essa habilidade não conseguira aprovar correções nos sistema de aposentadorias. "A antiga forma de fazer política morreu. Não sabemos qual é a nova, porque ainda a estamos construindo. Mas estou seguro de que a classe política fará a parte dela na reforma da Previdência", completou.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seu Dinheiro na sua noite

Insiste em zero a zero e eu quero um a um

Você disse que não sabe se não. Mas também não tem certeza que sim. Se Djavan fosse um analista de mercado, representaria o sentimento dos investidores sobre o que vai acontecer com as taxas de juros no país. Para muita gente, não é mais uma questão de “se”, mas de “quando” a Selic vai cair. […]

Tá liberado!

Governo amplia setores autorizados a trabalhar aos domingos e feriados

A partir de hoje, 78 setores estão autorizados a funcionar nesses dias. Entre os novos segmentos está o comércio em geral

Agora vai?

Leilão de ativos da Avianca Brasil acontecerá no dia 10 de julho

Colegiado de desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo liberou a decisão sobre a na manhã de ontem

Preenchendo a vaga

À espera de aprovação do nome de Montezano, BNDES nomeia presidente interino

Nome do atual diretor de finanças da instituição, José Flávio Ferreira Ramos, foi indicado para ocupar o posto provisoriamente

O rombo em forma de dados

Mansueto: dos 26 Estados mais DF, 14 gastam acima do limite de 60% com pessoal

Percentual abordado pelo secretário o Tesouro Nacional foi estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal

Olha eles aí outra vez

Deputados favoráveis à reforma da Previdência defendem volta da capitalização e de Estados

Sessão para debates sobre o relatório na comissão especial da reforma da Previdência na Câmara contou com várias defesas dos pontos retirados

negócio fechado

Embraer assina cooperação estratégica com a Elta para desenvolver P600 AEW

Com o acordo, as duas empresas criam um novo segmento de mercado, o de AEW; aeronave de última geração foi concebida para atuar em um novo segmento do mercado

acelerou! (um pouquinho)

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,29% em maio em 10 capitais, diz associação

A Abecip avaliou, em nota, que as altas nos preços dos imóveis residenciais na maioria das capitais ainda não resultam em uma recomposição dos valores dos imóveis em termos reais.

temos um impasse

Virtualmente demitido, presidente dos Correios diz que só deixa o cargo com pedido formal

Bolsonaro disse na última sexta-feira que demitiria o presidente dos Correios pelo comportamento “sindicalista”; mas ele não deixou o cargo: ontem foi trabalhar normalmente e disse, em palestra, que só sai com formalização da demissão

Blog da Angela

Nativos e gringos soltam o verbo e mercados comemoram

Discurso afinado de relator sobre capitalização na Previdência anima; Draghi levanta a bola e Trump corta com categoria – para o Federal Reserve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements