Menu
2019-10-14T14:32:14+00:00
atento ao PIB

Recuperação da economia permaneceu gradual no 1º semestre de 2019, diz BC

BC afirmou que o mercado financeiro “permanece apreensivo em relação a atrasos ou interrupções na aprovação da reforma da Previdência no Senado”

10 de outubro de 2019
12:07 - atualizado às 14:32
roberto campos neto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Banco Central avaliou nesta quinta-feira (10) por meio do Relatório de Estabilidade Financeira (REF), que "o ritmo de recuperação da economia brasileira permaneceu gradual no primeiro semestre de 2019". Em função disso, "o índice de utilização da capacidade de produção da indústria seguiu baixo, com leve redução na taxa de desocupação".

Conforme o BC, o financiamento amplo às empresas não financeiras no Brasil avançou no primeiro semestre de 2019 em ritmo semelhante ao visto no segundo semestre de 2018. "O recuo no crédito bancário foi compensado pelo expressivo aumento do financiamento via mercado de capitais", pontuou o BC. "O crédito às famílias, por sua vez, foi pouco afetado pelo desempenho da economia e manteve a tendência de aceleração apresentada nos semestres anteriores", acrescentou.

Reformas

O Banco Central afirmou que o mercado financeiro "permanece apreensivo em relação a atrasos ou interrupções na aprovação da reforma da Previdência no Senado, mas a aprovação na Câmara Federal atenuou o nível de preocupação que vigorava anteriormente".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A reforma da Previdência ainda depende de votação em segundo turno no plenário do Senado.

Ao tratar dos riscos ao sistema financeiro, o BC afirmou que não houve alterações relevantes no cenário. "A dívida bruta do governo e o persistente aumento dos ativos problemáticos na carteira às grandes empresas continuam sendo os principais pontos de atenção", disse o BC no REF, que trata do cenário visto no primeiro semestre deste ano.

"O mercado reduziu sua preocupação com os riscos político-fiscais - embora ainda os considere a maior fonte de vulnerabilidade para a estabilidade financeira -, mas aumentou a apreensão com o cenário externo. As instituições permanecem confiantes na capacidade de o sistema financeiro absorver choques adversos", acrescentou o BC.

Ao tratar do exterior, o BC citou elevação do risco, "em razão da tensão comercial entre Estados Unidos da América (EUA) e China".

Crédito imobiliário

O Relatório de Estabilidade Financeira considera que, em um cenário no qual a Selic tende a permanecer nas mínimas históricas, a poupança se mantém como um instrumento competitivo de captação, possibilitando o aumento nas concessões do crédito imobiliário.

O BC lembra, porém, que enquanto os depósitos da poupança representam um passivo de curtíssimo prazo para as instituições financeiras, as operações de crédito para imóveis têm prazos mais longos. Além disso, devido ao mercado secundário pouco desenvolvido no setor, esses ativos são desprovidos de liquidez.

"Esse descasamento entre ativos e passivos precisa ser gerenciado pelas instituições e pode tornar-se fonte de instabilidade para o sistema em uma eventual conjuntura de estresse caracterizada por resgates líquidos persistentes dos depósitos de poupança, em especial se aliada a um ciclo de elevação da taxa Selic", afirma o documento.

Segundo o BC, em uma reversão de cenário dessa natureza, os bancos precisariam captar recursos a custos mais elevados, comprimindo a margem financeira a ponto de colocar em risco a sustentabilidade do mercado de crédito imobiliário.

"Dados esses possíveis desdobramentos, o montante recolhido compulsoriamente no BC assume o papel de um colchão de liquidez, podendo ser liberado de forma a reduzir, naquele momento, os efeitos do choque de captação do sistema, contribuindo para o gerenciamento do descasamento entre ativos e passivos do crédito imobiliário", completa o relatório.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Vitória do governo

Câmara aprova texto-base da MP que reformula estrutura do Executivo

No início da votação, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro que vive uma crise interna, obstruiu a tramitação e tentou esvaziar o quórum do plenário

Investigação

CVM aplica R$ 82 milhões em multas em esquema intermediado por Cruzeiro do Sul

Inquérito aberto em 2010 pela xerife do mercado de capitais identificou prejuízos milionários a fundos de pensão de estatais como Copel, Eletronuclear, Correios e Cedae

Em meio à crise

Líder do PSL na Câmara diz que partido não vai expulsar nenhum parlamentar

Delegado Waldir negou também que vá haver qualquer retaliação do partido em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro

Perto do fim

CCJ do Senado marca reunião para analisar emendas do 2º turno da reforma da Previdência

Até o momento, senadores apresentaram nove sugestões de alteração, que mexem na redação da proposta

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a realidade se impõe

Groucho Marx dizia que jamais faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. Durante muito tempo os brasileiros trataram erroneamente a bolsa de valores como o tipo de clube desprezado pelo lendário comediante. Mas essa realidade começa a mudar. Quem decidiu ingressar no clube da renda variável no início do ano obteve um […]

De olho no gráfico

S&P vai, não vai, fez que vai…

Apesar da recente alta em um dos principais índices da bolsa de Nova York, Fausto Botelho ainda projeta um ciclo de queda

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements