Menu
2019-10-21T08:27:21+00:00
consequências da selic baixa...

Queda na taxa de juros diminui interesse por títulos de dívidas

Prêmios, que junto com o CDI ou as NTN-Bs, compõem as taxas de remuneração dos papéis, não estão mais compensando a redução nos juros básicos.

21 de outubro de 2019
8:21 - atualizado às 8:27
Relógio e moedas representam investimento de longo prazo
Além das possíveis perdas relacionadas a indexadores e prazos, as debêntures têm o risco de mercado. - Imagem: Number1411/Shutterstock

As debêntures, que levaram anos para cair no gosto dos investidores brasileiros, estão perdendo apelo com a queda na taxa básica de juros, a Selic. Os prêmios, que junto com o CDI ou as NTN-Bs, compõem as taxas de remuneração dos papéis, não estão mais compensando a redução nos juros básicos. "Os investidores estão desacelerando a compra de debêntures e indo para ativos mais interessantes, como fundos imobiliários e de ações", disse o sócio-diretor do ModalMais, Ronaldo Guimarães.

A debênture é um título de crédito privado - um papel de dívida emitido por uma empresa e negociado pela Bolsa de Valores. O título pode ser prefixado, atrelado, em geral, ao CDI ou às NTN-Bs (Notas do Tesouro Nacional série B), com rentabilidade definida pelo IPCA (inflação) mais uma taxa fixa, chamada de prêmio, ou pós-fixado, indexado a índices como a Selic.

O professor dos MBAs da Fundação Getulio Vargas Pedro Leão Bispo explica que as debêntures pós-fixadas estão sujeitas às variações econômicas de forma direta: se durante a vigência do título a taxa de juros for cortada, a expectativa de rentabilidade também cai. "Como qualquer decisão de investimento, é preciso fazer uma análise. Uma debênture de três ou cinco anos pode sofrer oscilação na taxa de juros no período", explica Bispo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Nos títulos prefixados, a rentabilidade é garantida, desde que seja respeitado o prazo de vencimento do papel. Ao negociar no mercado secundário, porém, o investidor fica exposto às variações da economia.

Além das possíveis perdas relacionadas a indexadores e prazos, as debêntures têm o risco de mercado. Bispo explica que, por se tratar de uma negociação direta entre a empresa emissora do título e o investidor, os papéis não têm cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Em caso de falência ou calote, portanto, o processo de ressarcimento pode ser longo e burocrático.

Com números que chegavam a 180% do CDI, a rentabilidade na época de juros altos costumava compensar os riscos de mercado. Com a Selic no piso histórico de 5,5% ao ano, porém, os investidores só estão aceitando papéis que ofereçam prêmio de 4% somado ao IPCA, de acordo com um especialista que não quis se identificar.

O IPCA acumulado em 12 meses até setembro está em 2,89%, de acordo com o IBGE, e a projeção dos analistas do mercado é que feche o ano em 3,42%, segundo o boletim Focus divulgado pelo Banco Central no dia 14.

Nos últimos 90 dias, a taxa das NTN-Bs com vencimento em 5 anos (2024) e 15 anos (2035) caíram 20% e 12%, respectivamente, para 2,28% e 3,26%, de acordo com a cotação da semana passada. "Em uma operação com vencimento médio de oito anos, com base na NTN-B 2030, que está rendendo IPCA + 2,95% ao ano, se o investidor fala que quer papel que rende IPCA + 4% ao ano, o prêmio tem que ser 1,05%, que para a maior parte das companhias com ótimo risco soa alto", comentou a fonte.

Demanda fraca

Mesmo com títulos com prazo longo, a empresa de transmissão de energia elétrica Taesa teve na última emissão para pessoas físicas procura menor do que seria esperado em operação semelhante no início do ano: a demanda foi de 1,16 vez a oferta de R$ 450 milhões e a empresa captou R$ 509 milhões, pagando prêmio de 4,5% somado ao IPCA para papéis com vencimento em 2045.

A Petrobras é outro exemplo de como a queda da Selic vem comprometendo a atratividade dos papéis. Ao contrário de janeiro, quando teve demanda de R$ 12 bilhões para a emissão de R$ 3 bilhões, a petroleira recebeu propostas de até R$ 3,5 bilhões para captação de mesmo tamanho feita em setembro. As duas séries de debêntures da Petrobras têm vencimento em 2029 e 2034 e ofereceram remuneração atrelada ao IPCA somado a um prêmio de 3,6% e 3,9%, respectivamente.

A dificuldade em encontrar retorno faz, ao mesmo tempo, alguns investidores tomarem mais risco. "A queda das taxas futuras de juro, especialmente após a última reunião de política monetária (em setembro), tornou o mercado mais competitivo e seletivo. Está difícil escolher papéis. Especialmente porque alguns deles oferecem pouco prêmio para o risco do crédito", disse a consultora de investimentos da Órama Sandra Blanco.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Prós e contras

Vale a pena optar pelo saque aniversário do FGTS?

Nova modalidade permite ao trabalhador ter acesso a uma parte dos recursos do fundo de garantia ainda que não se enquadre em outros pré-requisitos, mas é preciso abrir mão de sacar o fundo em caso de demissão sem justa causa

Nova modalidade

Você já pode optar pelo saque aniversário do FGTS; confira as regras atualizadas

Opção de saque de parte do FGTS anualmente já pode ser feita desde outubro e não é obrigatória; também não há prazo

A Bula do Mercado

Mercado tem ajuste positivo na volta do feriado

Recorde triplo em Nova York, em meio à otimismo com negociações comerciais entre EUA e China, contrata ajuste positivo no mercado doméstico

A Bula do Mercado

A Bula da Semana: Os sinais da economia

Varejo e serviços no Brasil crescem acima do esperado em setembro, sinalizando expansão mais forte do PIB no 3T19

Fusão no horizonte

O megainvestidor Carl Icahn está dando uma mãozinha para a Xerox comprar a HP

Em meio às notícias de que a Xerox estaria interessada em comprar a HP, o megainvestidor Carl Icahn resolveu entrar no jogo para viabilizar a operação

Contrato fechado

Embraer recebe seis novos pedidos por aeronaves; encomendas somam US$ 374 milhões

A companhia aérea nigeriana Air Peace e a arrendadora egípcia CIAF Leasing acertaram novos pedidos de aeronaves à Embraer

Depois da Previdência...

Reforma tributária pode sair em março, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem planos para dar encaminhamento à reforma tributária ainda no primeiro trimestre de 2020

Seu Dinheiro no domingo

O fim do mundo como o conhecemos — ao menos, na renda fixa

Com os juros cada vez mais baixos, é hora de buscar alternativas às opções tradicionais de investimento em renda fixa: eis o tema da pensata de hoje, enviada primeiro aos assinantes da newsletter do Seu Dinheiro

Uma gigante chega ao mercado

A Saudi Aramco quer levantar até U$ 25,5 bi com seu IPO e quebrar o recorde da Alibaba

Considerada uma das empresas mais rentáveis do mundo, a petroleira Saudi Aramco divulgou a faixa de preço e a quantia de ações a serem emitidas em seu IPO

O SEGUNDO MAIS RICO DO BRASIL

Jorge Paulo Lemann: conheça a trajetória do bilionário dos resultados

Como o carioca revolucionou o capitalismo brasileiro, comprou grandes ícones americanos como Budweiser, Burger King e Kraft Heinz, e acumulou uma fortuna de US$ 22,4 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements