Menu
2019-10-31T07:44:29+00:00
nova tesourada dos BCs

‘Queda de juros ajuda, mas não faz mágica’

Estratégia do BC de controlar a inflação está se mostrando eficiente, e o comportamento médio da inflação nos últimos cinco meses mostra uma sequência fantástica. As projeções apontam que as metas devem ser cumpridas, com folga, até 2021

31 de outubro de 2019
7:44
Montagem de meteoro no espaço em direção para baixo com o texto juros em cima; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O atual cenário de inflação baixa e de necessidade de estimular a atividade econômica são indicativos de que o ciclo de juros baixos no Brasil deve ser longo, analisa o economista e chefe do Centro de Estudos Monetários, do FGV/Ibre, José Júlio Senna. Ele, que também foi diretor do Banco Central, avalia, porém, que os juros baixos não são garantia de recuperação da economia e que o País precisa manter a agenda de reformas estruturais. A seguir, trechos da entrevista.

O ciclo atual de juros baixos no Brasil tende a ser longo?
Eu diria que sim. A estratégia do BC de controlar a inflação está se mostrando eficiente, e o comportamento médio da inflação nos últimos cinco meses mostra uma sequência fantástica. As projeções apontam que as metas devem ser cumpridas, com folga, até 2021.

Isso é comum?
Não. É raro encontrar no Brasil períodos em que o BC não esteja remando contra a maré, ou seja, preocupado em trazer a inflação para baixo. Em outros períodos, o objetivo de controlar os preços conflitava com uma política de gastos públicos expansionista e desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O cenário internacional pode suspender os cortes de juros?
O ambiente internacional, de algum modo, traz até benefícios para a inflação brasileira. O mundo todo está experimentando um fenômeno de inflação baixa. Nos países avançados, o problema é o contrário, fazer com que a atividade e os preços subam. Os países ricos estão com carência de instrumentos adequados para turbinar as suas economias.

O juro real no Brasil pode ficar perto de zero?
Já está praticamente assim. O Brasil vive uma experiência excelente de redução da inflação e dos juros. No passado, a discussão era se faria diferença ter uma inflação de 4% ou de 7%. Hoje, está claro que é a inflação baixa que está permitindo juros baixos. É uma demonstração da importância de ter uma inflação baixa.

Mas a inflação está baixa, também, pela atividade econômica ainda muito retraída, certo?
Sim. Sem medidas de incentivo, o Brasil vai continuar com crescimento baixo. Mas na medida que o País consolidar uma situação fiscal mais equilibrada, com o mercado de capitais tendo resultados melhores e as empresas reestruturando seus passivos, a economia vai se beneficiar muito.

Mas em que medida a queda nos juros pode incentivar o crescimento do País?
A gente está colhendo hoje o resultado das medidas tomadas a partir de 2016, como o teto de gastos (que limita os gastos públicos federais). Mas os juros baixos não são suficientes para recuperar a economia. Há uma relutância em entender que esse enfraquecimento econômico do Brasil não é circunstancial. A recessão de 2015 e 2016 agravou um problema de desempenho que já existe há quatro décadas.

Ajuda, mas não resolve?
Ajuda, anima um pouco a atividade econômica, mas não resolve os problemas, porque o estímulo monetário tem limitações. O consumo das famílias cai com o desemprego elevado e há um grau de endividamento ainda alto. A queda de juros não faz mágica. No caso do investimento, muita coisa ainda precisa acontecer para o empresário ficar mais confiante.

O que precisaria melhorar?
Seria preciso estimular o esforço produtivo, diminuindo a burocracia para o setor empresarial, simplificando o regime de impostos, melhorando a infraestrutura e a estabilidade jurídica. Resumindo: é preciso fazer reformas e mais reformas.

Além dos esforços do BC, o governo tem ido nessa direção?
Em partes. O governo tem tido dificuldade em tocar o programa de privatizações, pelas resistências de natureza política. Ainda assim, parte importante do Congresso, com sorte, tem tido uma postura reformista.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements