Menu
2019-08-31T16:20:12+00:00
Nicolas Gunkel
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) com Nanodegree em Marketing Digital pela Udacity. Foi editor de Redes Sociais e repórter do site Exame, além de repórter no jornal Metro São Paulo.
Vem, gringo

Privatização será a porta de entrada para investidores no país, diz BofA

O banco tem sido ativo nessas negociações e está em conversas com estatais, como Petrobras e Caixa, além do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)

31 de agosto de 2019
16:20
Cristo Redentor, no Rio de Janeiro
Cristo Redentor, no Rio de Janeiro - Imagem: Shutterstock

Um dos maiores bancos estrangeiros com atuação no Brasil, o Bank of America Merrill Lynch (BofA) vê nas privatizações colocadas em curso pelo governo federal uma porta de entrada para investidores financeiros e estratégicos no País.

"O governo está saindo de negócios que não são estratégicos e há muitas empresas no radar dos investidores", disse Hans Lin, chefe da área de banco de investimento do BofA.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O banco tem sido ativo nessas negociações e está em conversas com estatais, como Petrobras e Caixa, além do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Secretaria de Privatização, para entender como o governo está conduzindo esses processos.

Nos últimos meses, a Petrobras vendeu vários ativos - como o gasoduto TAG, por US$ 8,6 bilhões, além de campos de petróleo - e está prestes a fechar mais negócios. Na lista, há oito refinarias, que têm atraído grupos que não atuam no Brasil.

Os bancos públicos também estão indo a mercado para levantar recursos por meio de aberturas de capital e novas emissões de ações de empresas já listadas na Bolsa.

"Temos um ambiente pró-reforma que já tendo impacto no mercado", afirmou Lin. "As discussões estão bem encaminhadas e, se antes falávamos de uma economia de R$ 500 bilhões (com a Previdência), agora é quase o dobro." Para ele, a surpresa boa será se o governo incluir os Estados e municípios.

Evidentemente, a lentidão na retomada da economia e o desemprego alto preocupam. Mas, ainda assim, segundo ele, os investidores voltaram a, mais uma vez, colocar o Brasil no radar. "É importante observar que o mercado de capitais está muito aquecido e com ótimos ativos", afirmou.

Assim, o banco tem projetado o crescimento da economia de 0,7% para este ano e de 1,9% em 2020. "Se olharmos as economias de outros países, não há crescimento expressivo, como na Europa e Japão", afirmou.

"Os Estados Unidos estão crescendo menos. Na China, tem toda essa incerteza. O único País que tem tamanho (para atrair investimentos e potencial de crescimento) é o Brasil."

Guerra comercial

A disputa comercial entre Brasil e EUA, segundo ele, tem tudo para deixar o Brasil mais competitivo. "Tem um clima ainda aguçado no mundo, que cria um sentimento de aversão a risco.

Se ficar muito exagerado, prejudica sob o ponto de vista de fluxo. Sob a perspectiva econômica, os investidores vão procurar outros locais para colocarem seu dinheiro", disse.

O Brasil se beneficia diretamente pelas exportações de commodities, ocupando espaço dos Estados Unidos. Isso já tem acontecido com os embarques de soja, por exemplo.

Mercado de capitais

Coordenador de algumas das mais importantes ofertas no mercado de capitais este ano, o banco esteve envolvido em R$ 38 bilhões dos R$ 60 bilhões emitidos nos primeiros sete meses do ano.

A perspectiva é que o mercado movimente em 2019 até R$ 100 bilhões. O BofA tem mandato para 20 emissões em andamento e há outras 20 operações no radar, o que mostra, segundo Lin, a confiança do investidor em empresas no Brasil.

As operações de fusões e aquisições também devem seguir firmes. As privatizações deverão dar impulso, mas há investidores estratégicos e financeiros de olho em diversos setores industriais no País.

Até o momento, o banco fechou 12 transações - quatro delas campos de petróleo da Petrobrás. Também foi um dos coordenadores da compra da Avon pela Natura, da Aliansce com a Sonae Sierra e a compra dos ativos externos da BRF pela gigante Tyson. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

unicórnio vai à bolsa

Startup de escritórios compartilhados WeWork reduz poderes do CEO

Prestes a estrear na bolsa, a WeWork enfrenta a preocupações de investidores por conta de seu modelo de negócio.

olha a dupla aí

Com IPO da C&A e avanço da Amazon, mercado espera aceleração de investimentos no varejo

Especialistas avaliam a oferta pública inicial de ações da rede de lojas de vestuário e a escalada da varejista fundada por Jeff Bezos

novela com o bilionário

Executivo das criptomoedas pagou US$ 4,6 milhões por almoço com Warren Buffett – mas encontro pode não acontecer

CEO da Tron, Justin Sun, venceu leilão beneficente que promove um encontro com o lendário investidor, mas história teve desdobramentos inesperados

olhos lá na frente

Mineradora tem projeto de R$ 9,1 bi com megabarragem no Norte de MG

Projeto prevê uma das maiores barragens de rejeitos do País, mas é condenado por entidades como o Movimento dos Atingidos por Barragens; empresa afirma que o modelo é seguro

o melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Uma empresa que vale zero?

Mais lida da semana, matéria conta as duras críticas de um analista quanto ao negócio da Tesla, do bilionário Elon Musk. Veja outras notícias que bombaram no Seu Dinheiro nos últimos sete dias.

agora vai?

CSN negocia retomada da ferrovia Transnordestina

Já foram investidos na obra R$ 6,2 bilhões e ainda faltam R$ 6,7 bilhões para concluir os 48% da ferrovia que restam para ser feitos

o futuro já chegou

Carros elétricos são estrelas em evento de Frankfurt

No Salão de Frankfurt, praticamente todos os estandes tem os automóveis movidos a energia elétrica ou híbridos como atrações principais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements