Menu
2019-05-03T14:30:49+00:00
Os lucrões dos bancões

Principais bancos privados ampliam crédito e veem lucro avançar 15,4%

Juntos, Itaú Unibanco, Santander Brasil, Bradesco apresentaram lucro líquido de R$ 16,6 bilhões no primeiro trimestre

3 de maio de 2019
14:30
Bancos Santander e Itaú: guerra na rentabilidade
Santander e Itaú Unibanco, no entanto, viram sua carteira de crédito para grandes empresas encolher mais de 3% no primeiro trimestre - Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

Os três maiores bancos privados do País conseguiram emplacar resultados ainda melhores no primeiro trimestre deste ano, a despeito das revisões para baixo quanto à atividade econômica por conta do atraso da reforma da Previdência.

O combustível para os números do período foi o crescimento mais acelerado da oferta de crédito, ao menos no comparativo anual, e a continuidade dos menores gastos com calotes.

Juntos, Itaú Unibanco, Santander Brasil, Bradesco apresentaram lucro líquido de R$ 16,6 bilhões no primeiro trimestre, 15,43% a mais do que o registrado em igual período de 2018.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O destaque de crescimento ficou com o Bradesco, que viu seus resultados aumentarem 22,3% no período. Na sequência, vieram Santander, com avanço de 21,9% e Itaú, com alta de 7,1%.

O diretor da empresa de análises financeiras Eleven Financial, Carlos Daltozo, diz que o Bradesco tem mais espaço de crescimento que seus pares e, por isso, apresentou expansão em ritmo mais elevado. Uma das razões é o fato de o banco ainda colher sinergias de receitas da integração do HSBC.

Do lado do crédito, o banco também foi o que mais se destacou. A carteira do Bradesco cresceu 12,7%, a do Santander teve alta de 9,3% e a do Itaú, de 7,7%.

Se no comparativo anual o crédito mostrou mais vigor no trimestre, a despeito de questões sazonais, as carteiras já sentiram o arrefecimento da economia.

De acordo com o presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, o crédito não deve deslanchar esse ano.

O próprio banco, que, conforme ele, segue crescendo, espera que sua carteira fique próxima da marca dos R$ 400 bilhões neste ano.

Alcançar essa cifra, porém, significa crescer menos de 4% em 2019, abaixo do ritmo do ano passado, quando os empréstimos totais do Santander tiveram expansão de 11,2%.

"Crescer 4% parece muito fácil, né? Por isso, acho que vamos passar dos R$ 400 bilhões, mas tenho dúvida nas grandes empresas", disse ele, acrescentando que o crédito deve ser puxado novamente pelas pessoas físicas e micro, pequenas e médias empresas este ano.

Tanto o Santander quanto o Itaú Unibanco viram sua carteira de crédito para grandes empresas encolher mais de 3% no primeiro trimestre ante o mesmo período do ano passado. O Bradesco foi exceção com alta de 5,5%, na mesma base de comparação.

"Dois pontos justificam essa expansão: o dólar e o fato de que o banco aproveitou as pouquíssimas oportunidades em créditos corporativos", disse o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, em recente conversa com jornalistas.

Milton Maluhy, vice-presidente executivo do Itaú Unibanco, afirma que, apesar da queda da carteira, a demanda por parte das grandes empresas melhorou.

"No primeiro trimestre, especialmente em março, notamos melhora na demanda das grandes empresas", escreveu.

Rentabilidade

Com a qualidade dos ativos sob controle, exceto movimentos pontuais por conta dos maiores gastos do começo do ano junto às famílias brasileiras e maiores volumes de negócios, os bancos privados seguiram melhorando sua rentabilidade no início deste ano.

O Itaú Unibanco se manteve isolado entre seus pares com retorno (ROE, na sigla em inglês) de 23,6%. Em seguida, vieram Santander, com rentabilidade de 21,1%, e Bradesco, com 20,5%.

"A economia teve um início de ano com desempenho mais modesto do que as expectativas apontavam, refletindo, em parte, a incerteza sobre a trajetória fiscal do País", escreveu, em nota à imprensa, o presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher.

"Seguimos confiantes na retomada do crescimento sustentável, para a qual é imprescindível a reforma da Previdência."

O destaque do Itaú também foi o crescimento dos empréstimos a micro, pequenas e médias empresas, com avanço de 2,7% no trimestre e 13,9% no ano, e ainda pessoas físicas, com aumentos de 2,0% e 12,7%, respectivamente.

Em contrapartida, o crédito para grandes empresas encolheu 0,5% no primeiro trimestre, ante os três meses anteriores.

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements