Menu
2019-05-15T14:19:01+00:00
Transformações tecnológicas

Presidente do Banco Central defende importância do “open banking” para competitividade

Roberto Campos Neto defendeu que o sistema financeiro seja pensado no futuro com foco no papel da evolução tecnológica

15 de maio de 2019
14:19
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central no governo Bolsonaro
Líder do BC destacou que a Agenda BC+ da instituição foi reavaliada e ampliada - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O Banco Central (BC) divulgou nesta quarta-feira, 15, os apontamentos do presidente da instituição, Roberto Campos Neto, que discursa na abertura do Workshop Open Banking, na sede da autoridade monetária. O evento é fechado à imprensa.

"Precisamos nos dedicar ao desenho do sistema financeiro de amanhã, tendo como foco o papel da evolução tecnológica", afirmou Campos Neto, segundo o documento.

"Para o sistema financeiro, essa mudança tecnológica significa: democratizar; digitalizar; desburocratizar; e desmonetizar", completou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Campos Neto destacou ainda que a Agenda BC+ da instituição foi reavaliada e ampliada, para promover a democratização financeira e reduzir a necessidade de financiamento do governo, abrindo assim espaço para o investimento privado.

"Considero essas premissas necessárias ao provimento dos recursos para o setor produtivo de forma ampla e em condições justas, gerando benefícios para todos os brasileiros", acrescentou.

O presidente do BC voltou a afirmar que pretende ter um "foco especial" no mercado de capitais e que trabalhará para eliminar distorções para melhorar a eficiência do mercado brasileiro. Ele citou novamente os quatro pilares de sua agenda: inclusão, competitividade, transparência e educação financeira.

Campos Neto destacou que o "Open Banking" será um instrumento importante para a competitividade no sistema financeiro.

Entre os fatores que impulsionam a tecnologia, ele elencou o uso mais intensivo e inteligente de dados granulares; a demanda da sociedade por um maior empoderamento das suas informações; e a entrada de novos players, como as fintechs, prestando serviços financeiros.

"Jurisdições como União Europeia (incluindo, o caso particular do Reino Unido), Hong Kong e Austrália, só para citar alguns exemplos, identificaram a necessidade de intervenção regulatória para tratar do assunto, de forma a assegurar o desenvolvimento do mercado e o alcance de seus objetivos, como promover a inovação e a eficiência, aumentar a competição e proteger o consumidor", lembrou o presidente.

O presidente do BC ressaltou ainda que o "Open Banking" está em linha com a edição da Lei de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), de forma que as instituições financeiras compartilharão as informações, desde que autorizadas pelos clientes.

"O Open Banking é inevitável e deve ser considerado pelas instituições como uma oportunidade e não como uma ameaça", avaliou Campos Neto.

"A experiência do cliente deve ser ágil e conveniente, mas, ao mesmo tempo, deve ser segura e confiável. A falta de confiança pode minar a usabilidade do modelo", alertou.

Campos Neto considerou ainda que o projeto de desenvolver o "Open Banking" no País é desafiador tanto para as instituições quanto para o próprio BC, mas deve ser visto como um fator relevante para se alcançar os objetivos de eficiência e inclusão.

"Para o efetivo desenvolvimento do Open Banking, todas as instituições precisam embarcar no projeto, das incumbentes às fintechs", concluiu.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

o novo sempre vem

Novo Mercado, nível 1 ou 2: Diga-me a governança da ação e eu te digo quais são os direitos do investidor

Segmento da B3 estabeleceu maior nível de governança entre as empresas e amenizou conflitos entre minoritários e controladores; são hoje 142 empresas no Novo Mercado

De olhos bem abertos

Dez bancos serão investigados por supostos abusos na oferta de consignado a idoso

As empresas têm dez dias para apresentar defesa e, posteriormente, se confirmados os indícios de infração, poderão ser multadas em até R$ 9,7 milhões. As notificações estão formalizadas no Diário Oficial da União (DOU) em despachos do DPDC, órgão da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Seu Dinheiro na sua noite

E o Oscar vai para…

As histórias que mexeram com seus investimentos hoje

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: O FGTS no centro das discussões, os planos da Oi e os balanços dos bancos

Seu Dinheiro traz o cenário esperado para bolsa, renda fixa, imóveis, fundos imobiliários, criptomoedas e câmbio

De olho na Ásia

AB Inbev, de Jorge Paulo Lemann, vende filial australiana e quer retomar IPO na Ásia

Depois de desistir de vender uma participação de 15% em suas operações na Ásia e Austrália na semana passada, a companhia pode fazer uma nova tentativa de oferta inicial de seus negócios asiáticos para reduzir o seu endividamento

Novo negócio

BTG Pactual reforça atuação no varejo com compra de 80% da plataforma de investimento da Ourinvest

Banco manterá a Ourinvest como empresa independente do BTG Pactual digital, plataforma de investimentos voltada para o público de varejo

Balanço surpreendente

Sabe quem é a bola da vez no mercado americano? A boa e velha Microsoft

A Microsoft reportou resultados trimestrais fortes e, com isso, suas ações atingiram uma nova máxima histórica. E analistas veem mais espaço para as ações da empresa fundada por Bill Gates continuarem subindo

Com pouco apetite para consumir

Intenção de consumo das famílias recua 1,7% em julho, na 5ª queda consecutiva

“O consumidor segue cauteloso, condicionado pelo nível de endividamento e pelo mercado de trabalho, em que o desemprego vai se mostrando persistente”, avalia o presidente da CNC, José Roberto Tadros em nota

Vish!

Decisão de Toffoli pode travar 6 mil inquéritos e ações contra facções e tráfico

Entre janeiro de 2014 e junho de 2019, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, braço do Ministério da Economia, produziu 1.586 Relatórios de Inteligência Financeira (RIFs) sobre organizações, inclusive as que controlam presídios

promessa

Usando tecnologia e patriotismo, vamos prestar serviços para o Estado, diz novo presidente do BNDES

Segundo Gustava Montezano, a ideia é assessorar governos a fazerem privatizações, concessões ao setor privado e reestruturações financeiras. 

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements