Menu
Gabriel Casonato
Cannabusiness
Gabriel Casonato
É editor da Empiricus e entusiasta do mercado de cannabis
Canabusiness

Por trás da propaganda, varejista de maconha enfrenta crise

Ações da MedMen, varejista de cannabis mais famosa dos Estados Unidos, já caíram 60% desde o pico em outubro do ano passado e serve de alerta para a indústria da maconha

14 de abril de 2019
6:49
Fachada de loja da MedMen
Fachada de loja da MedMen -

Hoje gostaria de mudar um pouco o tom das últimas colunas. Depois de focar muito no lado bom da coisa, hoje escrevo para mostrar que nem tudo são flores para o badalado mercado legal da maconha.

A história que vou contar ainda está tendo novos capítulos escritos e envolve a varejista de cannabis mais famosa dos Estados Unidos, chamada MedMen.

Trata-se de um caso que serve de alerta para toda a indústria norte-americana de maconha, na medida em que uma grande empresa do setor está tendo que correr para levantar dinheiro a fim de cobrir suas perdas recentes.

Demonstrações financeiras divulgadas no mês passado mostraram que a MedMen corre o risco de ficar sem dinheiro dentro de alguns meses, a menos que ela consiga levantar mais capital.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Isso até aconteceu na última semana, quando a companhia aliviou qualquer crise financeira imediata ao conseguir uma linha de crédito de US$ 100 milhões de uma firma de investimentos focada em cannabis.

O contrato prevê ainda que o empréstimo pode ser aumentado para US$ 250 milhões se o desempenho operacional da empresa melhorar.

O problema é que os termos do financiamento são bastante onerosos, de 6% sobre a Libor – a taxa de juros de grandes empréstimos entre bancos internacionais que operam no mercado de Londres – e emissão de warrants, ou títulos de garantia.

Em meio à difícil situação, as ações da MedMen, listadas na Canadian Securities Exchange e no mercado de balcão da Nasdaq, já caíram 60% desde o pico em outubro do ano passado, reforçando a necessidade de uma devida diligência na hora de se escolher em quais papéis do setor investir.

A luta da MedMen mostra o desafio que as empresas de maconha enfrentam ao operar em estados onde altos impostos e restrições de dispensários – o termo do setor para as lojas – aumentaram os preços do produto legal. Na Califórnia, o principal mercado da MedMen, companhias legais altamente regulamentadas estão tendo que competir por clientes com revendedores ilícitos que cobram muito menos.

De fato, os dispensários e reguladores começaram a exigir uma maior fiscalização contra o mercado ilegal na Califórnia, aumentando o potencial de que a legalização possa realmente levar a uma nova onda de prisões relacionadas à maconha. Enquanto isso, a MedMen teve sucesso limitado em seus esforços para atrair usuários novos ou pouco frequentes, levantando questões sobre quão grande esse mercado pode ser.

Com 16 lojas no final de 2018, a MedMen, que fica sediada na Califórnia, tentou uma estratégia diferente para conseguir comercializar a cannabis para novos usuários. Enquanto a maioria dos dispensários compete pelos clientes focando no preço ou na força do produto, a MedMen pretende se tornar uma cadeia de varejo nacional e se autodefinir como uma experiência de alto nível em lojas elegantes.

Para isso, a empresa lançou recentemente um anúncio de dois minutos chamado “The New Normal”, que evoca a sigla da Organização Nacional para a Reforma das Leis da Maconha (National Organization for the Reform of Marijuana Laws) para extorquir a cannabis legalizada.

O vídeo, do premiado diretor Adam Spiegel – também conhecido como Spike Jonze – termina com um casal suburbano carregando uma sacola vermelha da MedMen. “O símbolo da contracultura é agora apenas cultura”, conclui o anúncio. “É normal novamente.”

Mas por trás do brilho da propaganda, as finanças da MedMen estão sombrias.

Durante os últimos seis meses de 2018, a MedMen perdeu US$ 131 milhões, ou mais de US$ 2 para cada dólar em maconha que vendeu. Para cobrir essas perdas e financiar seus planos de expansão, a empresa arrecadou quase US$ 200 milhões de setembro a novembro. Esse dinheiro já se foi. No final do ano, a companhia tinha cerca de US$ 80 milhões no banco. São quatro meses em dinheiro, com base na rapidez com que o perdeu no ano passado.

Em seu mais recente relatório financeiro, emitido em 27 de fevereiro, ela alertou: “No nosso atual nível operacional, não teremos fundos suficientes gerados pelas operações para cobrir nossas necessidades operacionais de curto e longo prazos”.

Para ganhar tempo, a MedMen vendeu algumas propriedades, incluindo dispensários. Mas essa estratégia tem limites. A empresa já se desfez de grande parte de seus melhores imóveis e, ao vender os ativos, acabou aumentando ainda mais seus custos, porque agora deve pagar aluguel aos novos donos das lojas.

Em nota, a companhia disse que melhorar o perfil financeiro e o fluxo de caixa tem sido uma de suas principais prioridades, e que já promoveu melhorias significativas com a implementação de iniciativas de gastos mais inteligentes.

Como alento ao setor, alguns dos problemas da MedMen parecem ser específicos da empresa, e não da indústria como um todo.

Em 29 de janeiro, James Parker, que era o diretor financeiro da empresa até novembro, processou a empresa no tribunal estadual da Califórnia. Ele alegou que foi forçado a sair por causa de suas preocupações com os gastos e o comportamento não profissional dos dois principais executivos da companhia, Adam Bierman e Andrew Modlin.

Parker disse que ambos mostravam “desprezo pelo cumprimento da lei em geral”, bem como por regulamentos que cobrem as empresas de cannabis. Na parte mais pesada da acusação, afirmou que era tolerado o uso de cocaína pelos funcionários e que a MedMen se engajou em esquemas para manter elevado o preço das ações – os executivos negam as alegações e dizem que o processo não tem fundamentos.

Mas os problemas da MedMen também apontam para questões maiores na indústria legal de maconha, especialmente na Califórnia e em Massachusetts, que têm mercados fortemente regulamentados e de alto custo.

Em 19 de fevereiro, o estado da Califórnia divulgou que os impostos sobre vendas legais de cannabis e extratos de THC caíram durante o outono de 2018 a partir do verão. Os tributos são recolhidos sobre as vendas de maconha medicinal e recreativa, o que significa que o comércio legal total diminuiu.

Uma promessa de legalização era que a maconha regulamentada atrairia os consumidores para longe das vendas ilegais. Mas, por enquanto, a legalização pouco prejudicou o enorme mercado ilegal de cannabis da Califórnia.

O comércio ilícito inclui tudo, desde fazendas no norte rural do estado até dispensários não regulamentados que operam à vista de todos os serviços de entrega que levam a maconha às portas dos usuários.

Os provedores do mercado negro não enfrentam despesas regulatórias, de seguro ou tributárias e podem, portanto, cobrar preços bem menores do que operadores legais como a MedMen.

“O mercado sem licença continua a florescer, em parte devido à vantagem financeira competitiva que tais operações têm sobre as empresas legais de cannabis”, reclamou a comissão consultiva de cannabis da Califórnia em seu relatório de 2018.

“Muitas pessoas entram nas lojas”, diz Tom Adams, diretor-gerente de análise de mercado da BDS Analytics, que cobre a indústria de cannabis, falando do mercado da Califórnia – embora não especificamente da MedMen. “Eles analisam os preços dos produtos, especialmente os consumidores de longa data que usam muito, e dizem: 'Eu sei qual é o preço certo, e não é isso'. "

Como resultado, a BDS estima que o mercado ilícito ainda fornece cerca de 80% de todas as vendas de maconha na Califórnia, e os dispensários apenas 20%. O problema é tão grave que o chefe da comissão reguladora de cannabis do estado está pedindo uma maior atividade de fiscalização contra fornecedores ilegais.

Alguns dos outros estados a legalizarem, como o Colorado e o Oregon, seguiram uma estratégia diferente, concedendo liberalmente dispensários e licenças agrícolas. Nesses estados, os preços legais de varejo despencaram e os dispensários respondem por cerca de 60% a 70% de todas as vendas.

Mas as margens de lucro são mais apertadas nesses estados. Motivo pelo qual a MedMen os evitou, concentrando-se naqueles em que a oferta legal é limitada na tentativa de cobrar preços mais altos para novos usuários. Foi um tiro no pé.

Infelizmente, apesar da ajuda de Jonze, a MedMen não encontrou esses usuários com rapidez suficiente para cobrir seus custos. Agora, está correndo contra o tempo para fazê-lo, levantando a questão de saber se as empresas de maconha legal poderão ter grandes lucros servindo um mercado bastante sensível aos preços.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

O LEMA DE SÃO TOMÉ

Por que os gringos estão com o pé atrás em relação ao Brasil e à bolsa?

Apesar de o Ibovespa acumular alta em 2019, o fluxo de recursos estrangeiros para a bolsa no mercado à vista está negativo. Com a reforma da Previdência avançando aos trancos e barrancos, os gringos estão como São Tomé: só acreditam vendo

Transparência

Guedes defende mesma transparência do Copom para política de preços da Petrobras

Em entrevista, ministro voltou a defender que a estatal é livre para definir os preços

Petróleo

ANP nega mais prazo à Petrobras; campos terrestres irão para oferta permanente

Agência reguladora negou mais prazo para a estatal apresentar um plano de desativação de campos terrestres que não estão em produção há mais de seis meses

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Siga o dinheiro

A vida dos milionários costuma fascinar as pessoas que ainda não chegaram e talvez nunca cheguem lá. Esse é o tipo de tema que costuma despertar as paixões humanas: admiração, inveja, raiva ou simplesmente a questão aspiracional. Quem não nasceu em uma família endinheirada certamente já pensou em como seria a sua vida se fosse […]

Atualização

Avianca cancela mais de 1.300 voos até dia 28

Guarulhos, Brasília e Galeão são os aeroportos mais prejudicados pelos cancelamentos. Já Congonhas e Santos Dumont parecem ter sido poupados

Entrevista

‘O Brasil precisa apressar o passo nas reformas’, diz conselheiro de Paulo Guedes

Para Carlos Langoni, Brasil precisa se apressar porque o processo de “desaceleração sincronizada” da economia mundial impõe desafios ao país. Confira na entrevista

Piora nas contas

Déficit estrutural do setor público chega a 0,7% do PIB em 2018

Devido à deterioração das contas dos Estados e municípios, movimento de melhora das contas públicas pelo resultado oficial não aconteceu no estrutural, que apresentou piora no ano passado

Preço do diesel

Em áudio, Onyx diz que deu uma ‘trava na Petrobras’

Ministro da Casa Civil diz que os caminhoneiros podem ficar sossegados que o governo tem trabalhado para resolver o problema deles

Na mira de quem tem grana

Para que cidades os milionários estão se mudando?

Estudo mostra que Dubai, Los Angeles, Melbourne, Nova York, Sydney, Miami e São Francisco caíram nas graças dos endinheirados

Mercados

O que preocupa gestores de US$ 12 trilhões e uma oportunidade para o Brasil

O país tem que abocanhar trilhão ou menos centenas de bilhões desse dinheiro que está à procura de retornos atrativos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

GUIA GRATUITO

Como declarar seus investimentos no IR 2019