Menu
2019-04-16T12:51:56+00:00
contingenciamento

Planalto congela emendas de Bolsonaro

Medida atinge as indicações do próprio presidente, que havia sido o maior beneficiado pelas liberações, com 30% do valor total autorizado até o início deste mês

8 de abril de 2019
12:25 - atualizado às 12:51
Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Igo Estrela/Estadão Conteúdo

Oito dias depois de ter liberado as primeiras emendas parlamentares individuais do ano, o governo Jair Bolsonaro anulou mais da metade dos empenhos de gastos indicados por deputados e senadores alegando contingenciamento de recursos. A medida atinge as indicações do próprio presidente, que havia sido o maior beneficiado pelas liberações, com 30% do valor total autorizado até o início deste mês.

Dados do Portal da Transparência, do governo federal, mostravam até o dia 2 de abril que Bolsonaro havia obtido o empenho (autorização para gasto) de R$ 639,4 mil referentes a duas emendas feitas por ele ao Orçamento de 2019 quanto ainda era deputado federal, no ano passado. Ambas eram direcionadas para compra de equipamentos para exames no Hospital Naval Marcílio Dias, comandado pela Marinha, no Rio.

As liberações colocavam o presidente no topo do ranking das chamadas emendas parlamentares impositivas empenhadas até o momento - cada parlamentar tem direito a direcionar R$ 15,4 milhões para despesas e investimentos. As liberações beneficiavam apenas nove políticos, no valor total de R$ 2,2 milhões. O ex-senador Cristovam Buarque (PPS-DF) aparecia em segundo na lista, com R$ 310,4 mil empenhados.

Os recursos começaram a ser liberados pelo governo em 26 de março, após uma série de críticas de parlamentares sobre a demora na execução das emendas deste ano. Três dias depois, porém, Bolsonaro editou um decreto congelando R$ 29,5 bilhões do Orçamento para cumprir a meta fiscal do governo. A medida atingiu mais de 15 áreas, principalmente os ministérios da Educação e da Defesa e as emendas parlamentares. No dia 3 de abril, mais da metade das emendas que já haviam sido empenhados foi anulada.

Além das emendas de Bolsonaro, também foram suspensas indicações no valor de R$ 282,8 mil feitas pelo senador Romário (Pode-RJ), R$ 150 mil do deputado Marcelo Matos (PSD-RJ), R$ 111 mil da deputada Norman Ayub (DEM-ES) e R$ 100 mil do senador Major Olímpio (PSL-SP). Escaparam do corte emendas de apenas quatro parlamentares: Cristovam Buarque e os deputados Erika Kokay (PT-DF), Edio Lopes (PR-RR) e Carmen Zanotto (PPS-SC), totalizando R$ 939,8 mil.

Segundo a Secretaria de Governo, no entanto, o contingenciamento poderá ser revisto caso a arrecadação prevista na lei orçamentária se concretize.

Ritmo lento

Mesmo antes do congelamento de recursos, o volume de liberação das emendas era considerado baixo e alvo de críticas de parlamentares. Em 2018, por exemplo, o governo Michel Temer já havia empenhado no primeiro trimestre R$ 359 milhões em emendas individuais, segundo levantamento feito pela ONG Contas Abertas, que monitora a execução orçamentária do governo.

Na ocasião, Bolsonaro ocupava a posição 576 do ranking de parlamentares beneficiados, com R$ 1,1 milhão. Em 2017, os empenhos haviam atingido R$ 7,5 milhões no mesmo período. E, em 2016, no governo Dilma Rousseff, ficou um pouco acima, com R$ 7,6 milhões.

O contingenciamento não afetou até o momento as emendas indicadas pelas bancadas, ainda de acordo com a Contas Abertas. A bancada de Minas Gerais foi a mais beneficiada até agora, com o empenho de R$ 53,6 milhões; seguida pelas bancadas de Rondônia, com R$ 36,8 milhões; Maranhão, com R$ 34,9 milhões; Goiás, com R$ 30,5 milhões; e Rio Grande do Sul, com R$ 24,9 milhões.

"O decreto salvou o presidente de uma enorme enrascada. Ia ser muito difícil explicar para o Congresso e para sociedade em geral que até março tinham apenas nove parlamentares contemplados com empenho de emendas e ele (Bolsonaro) era o campeão, com 30% do valor total das liberações. Isso poderia provocar uma rebelião na Câmara", afirmou Gil Castello Branco, secretário-geral da ONG.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Setor de aviação comercial

Joint-venture entre Embraer e Boeing se chamará Boeing Brasil – Commercial

Venda de 80% da divisão de aviação comercial da fabricante brasileira de aviões para a americana foi fechada no começo de julho do ano passado

Tá complicado!

Funcionários da Avianca anunciam nova greve para esta sexta-feira

Paralisação vai atingir os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro

De olho no gráfico

Como comprar bitcoin com outras criptomoedas – e é uma boa comprar?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. O tema é o mercado de ações e criptomoedas.

Agora vai?

EUA modificam posição e formalizam apoio à entrada do Brasil na OCDE

Sem dar detalhes, secretário-geral da OCDE, José Ángel Gurría, confirmou a informação de que o grupo tem uma posição diferente sobre o Brasil

Reformas

Presidente e relator da Previdência jogam ‘policial bom, policial ruim’ nas suas declarações

Depois de aceno conciliador dado por Samuel Moreira na segunda-feira, Marcelo Ramos sobe à tribuna, critica o governo e pergunta: “Vamos transformar isso aqui em uma Venezuela?”

Enfim, passou!

Câmara conclui votação da MP dos ministérios e medida segue para análise do Senado

Senado tem até a próxima semana para votar a medida, antes que ela perca sua validade, em 3 de junho

Private equity

Para fundos que compram empresas, momento é bom para fazer negócio

Fundos que investem em participações em companhias para vendê-las com lucro posteriormente fecharam o ano passado com R$ 39,3 bilhões disponíveis para investir no Brasil

Um polvo da construção

Duratex anuncia a compra da Cecrisa por R$ 1 bilhão e amplia ainda mais seu espaço no mercado

Anúncio feito nesta quinta-feira está em linha com o modelo de negócio da companhia, que espera estabelecer um sistema “one stop shop” no setor de materiais de construção

Gigantes do mundo da beleza

Avon e Natura devem manter marcas e estrutura comercial independente após fusão

Após a união de Avon e Natura, as empresas manterão duas sedes e devem buscar sinergia operacionais, com produção e distribuição de cosméticos

Transação bilionária

A Natura finalmente comprou a Avon. Ainda dá tempo de entrar nas ações?

Analistas se debruçaram sobre a estrutura da compra da Avon pela Natura — e, em linhas gerais, gostaram do que viram. Mas, considerando o rali recente das ações da empresa brasileira, a postura dos especialistas é cautelosa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements