Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Investigado

PF indicia Michel Temer em inquérito dos portos

Presidente é investigado em inquérito de 2017 que apura se houve favorecimento a empresas do setor portuário

17 de outubro de 2018
6:43
O ex-presidente Michel Temer - Imagem: shutterstock

A Polícia Federal indiciou nesta terça-feira, 16,  o presidente Michel Temer, a sua filha Maristela de Toledo e o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) no âmbito das investigações do inquérito dos Portos, que apura se houve favorecimento a empresas do setor portuário na edição de um decreto de 2017. Entraram na lista da PF o coronel reformado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho (amigo do presidente conhecido como coronel Lima) e arquiteta Maria Rita Fratezi (mulher do coronel), além de executivos da Rodrimar e do grupo Libra.

Ao todo, 11 pessoas foram indiciadas pela PF, que entregou a conclusão das investigações ao gabinete do ministro Luís Roberto Barroso, relator do caso.

A PF também pediu a Barroso o bloqueio de bens de todos os indiciados, inclusive de Temer, e a prisão preventiva de quatro deles: do coronel Lima e sua mulher, além de Carlos Alberto Costa e Almir Martins Ferreira, que atuaram respectivamente como sócio e contador do coronel. O ministro vai aguardar um parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) para decidir sobre esses pedidos, que tem 15 dias para se manifestar.

Segundo Barroso, o relatório da PF aponta a ocorrência dos crimes de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A organização criminosa seria dividida em quatro núcleos: político, administrativo, empresarial (ou econômico) e operacional (ou financeiro).

Em seu despacho, o ministro destaca que a PF afirmou ter produzido provas de "naturezas diversas" que "incluíram colaborações premiadas, depoimentos, informações bancárias, fiscais, telemáticas e extratos de telefone, laudos periciais, informações e pronunciamentos do Tribunal de Contas da União" sobre as irregularidades no decreto dos Portos.

A PF, diz Barroso, teria apurado fatos ao longo do inquérito "envolvendo propinas em espécie, propinas dissimuladas em doações eleitorais, pagamentos de despesas pessoais por interpostas pessoas - físicas e jurídicas -, atuação de empresas de fachada e contratos fictícios de prestação de serviços, em meio a outros." A reportagem está entrando em contato com os indiciados para saber se eles vão se pronunciar.

'Repasses Ilícitos'

O inquérito dos Portos foi instaurado em setembro de 2017 a pedido do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ao autorizar a abertura da investigação, Barroso pontuou que "os elementos colhidos revelam que Rodrigo Rocha Loures" menciona pessoas que poderiam ser intermediárias de repasses ilícitos para o próprio presidente da República, em troca da edição de "ato normativo de específico interesse de determinada empresa, no caso, a Rodrimar S/A".

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

GUIA

Ebook sobre como declarar investimentos no Imposto de Renda 2019

Saiba como declarar rendimentos e saldos em ações, títulos do Tesouro Direto, fundos de investimento, fundos imobiliários, imóveis, COE, poupança e outras aplicações financeiras.

Tretas à vista?

Maia diz que Guedes tenta intervir na escolha do relator da Previdência

O ataque a Guedes tinha outro alvo, o presidente da República, Jair Bolsonaro

Em viagem a São Paulo

Maia se encontra com Doria e diz que nova Previdência permitirá melhor ambiente fiscal nos Estados

Segundo Maia, seu diálogo com os governadores acontece desde que foi reeleito, mas no caso específico de São Paulo, “Doria se mostra preocupado com a reforma da Previdência”, reforçou.

Hora de receber o dinheiro de volta

Em rede social, Bolsonaro diz que quer endurecer cobrança de dívidas e recuperar R$ 4 bilhões ao ano

Ontem, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) detalhou as medidas previstas no referido projeto de Lei 1.646/2019

Clima está tenso

“O governo é um deserto de ideias”, afirma Maia

Na avaliação do presidente da Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “uma ilha” dentro do Executivo

Um toma lá da cá

Em discurso, Bolsonaro diz que responsabilidade sobre a previdência está com o Parlamento

“Não é uma questão de governo, e sim de estado, para que nós do Brasil não experimentemos situações que outros países enfrentaram, como na Europa”, disse o presidente

Aliados

Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Águas passadas?

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é “página virada”

Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília

Bon Vivant

Saiba quais são as maratonas preferidas de quem trabalha no mercado financeiro

Boston, Chicago, Nova York e Berlim estão entre as competições preferidas, mas a lista inclui também provas exóticas

Tempos ruins para a empresa

Dívida da Avianca dá “salto” e agora é de R$ 2,7 bilhões

A alteração no valor da dívida ocorreu em dois momentos. Em janeiro, a companhia atualizou a primeira lista para R$ 1,3 bilhão por conta própria. Protocolada ontem na Justiça, a segunda modificação, para R$ 2,7 bilhões, veio depois de pedido dos credores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu