Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Processadora de carnes

Surfando em uma onda positiva, JBS vê seu rating pela Moody’s subir e anuncia captação de recursos no exterior

Rating da companhia passou de B1 para Ba3, com perspectiva estável

17 de outubro de 2018
14:05 - atualizado às 14:51
Moody's também disse em comunicado que a JBS está buscando reduzir seu volume de dívidas até 2021 - Imagem: Shutterstock

Quem analisava a estrutura financeira da JBS há pouco mais de um ano provavelmente não apostaria em um futuro muito promissor da empresa. A processadora de carnes viveu tempos bem difíceis depois do famoso "Joesley Day", dia em que vieram à tona as delações premiadas e os escândalos de corrupção envolvendo seus executivos.

Mas parece que essa tempestade ficou de vez para trás. Nesta quarta-feira, 17, a companhia deu dois passos importantes rumo ao que parecem ser novos tempos. O primeiro deles veio lá de fora: com mudanças na gestão de suas dívidas, a JBS viu sua nota de crédito ser elevada pela agência de classificação de risco Moody's de B1 para Ba3, com perspectiva estável.

Em comunicado, a Moody's deixou claro que o destaque positivo para que o rating da JBS subisse foi a melhora no perfil de crédito da empresa de processamento de carnes. A agência acrescentou que a empresa está buscando reduzir seu volume de dívidas até 2021 e alongar vencimentos.

Por outro lado...

A Moody's também apontou desafios que a JBS enfrenta, como sua liquidez após escândalos de corrupção envolvendo tanto a empresa como sua controladora J&F quanto executivos como os irmãos Joesley e Wesley Batista.

Para amenizar os efeitos da liquidez, a JBS buscou negociar R$ 12,2 bilhões em instrumentos de dívida de curto prazo com bancos, visando um acordo de normalização. No fim de junho deste ano, a dívida de curto prazo representava 7% da dívida total.

Volta por cima?

O segundo passo importante da empresa de carnes foi o anúncio de que vai captar US$ 500 milhões em recursos no exterior. Segundo o Broadcast/Estadão Conteúdo, a captação teria opção de compra em três anos com taxa entre 7% e 7,5% como ideia de retorno inicial. O processo será feito por meio de seu braço de investimento JBS Investments.

A emissão recebeu rating Ba3 pela Moody's e BB- pela Standard & Poor's e pela Fitch. De acordo com o prospecto que anunciou a oferta, os recursos serão utilizados para recomprar os bônus da JBS que vencem em 2020. A operação está sendo coordenada pelo Barclays, BB Securities, Bradesco BBI, BTG Pactual e Santander.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu