Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
2019-09-05T08:10:09+00:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Perder dinheiro não é da nossa natureza

4 de setembro de 2019
10:02 - atualizado às 8:10
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

A frase acima não é minha, mas parece uma obviedade para qualquer mortal: afinal, ninguém gosta de perder dinheiro, certo? Pois de uns tempos para cá passei a questionar essa premissa. Há uma onda crescente de startups e fintechs, como o Nubank e a Rappi, que dizem que dão prejuízo de propósito. São malucos? Não exatamente... A estratégia é usar o dinheiro do caixa - e dos investidores - para reinvestir na empresa e crescer mais rápido.

Ninguém sabe até onde vai o fôlego dessas empresas ou a paciência dos seus acionistas. Mas o fato é que elas estão ganhando clientes e perturbando as gigantes do mercado. Afinal, como competir com uma empresa que oferece serviços mais baratos e que não está preocupada com o lucro?

Essa é a pergunta que a alta cúpula do Itaú precisou responder ontem na sua reunião anual com analistas e investidores. E foi aí que o presidente do banco, Candido Bracher, mandou a frase que me inspirou no título desta newsletter: “Se nós nos permitíssemos perder dinheiro, nosso regulador ficaria preocupado. Não é da nossa natureza.”

Com o reforço dos copresidentes do Itaú, Pedro Moreira Salles e Roberto Setubal, a diretoria tentou convencer o mercado de que o bancão vai sobreviver ao movimento de transformação digital. Eles admitiram, no entanto, que a instituição não vai passar incólume à competição. Será o fim dos lucros bilionários? O Vinícius Pinheiro esteve ontem neste evento e conta tudo que a alta cúpula do Itaú falou nesta reportagem.

Pedro Moreira Salles e Roberto Setubal, copresidentes do conselho de administração do Itaú Unibanco
Pedro Moreira Salles e Roberto Setubal, copresidentes do conselho de administração do Itaú Unibanco - Imagem: Divulgação Itaú

Alívio que vem da China

Brexit, indicadores econômicos fracos por conta da guerra comercial e incertezas em torno de um acordo entre Estados Unidos e China andam deixando o mercado financeiro com o cabelo em pé. Mas se o dia de ontem refletiu o acúmulo dessas incertezas, hoje o dia deve ser de recuperação dos ativos.

As bolsas asiáticas sustentaram fortes ganhos após Hong Kong retirar o projeto de extradição e atender às reivindicações dos protestos que já duram quase três meses. Além disso, bons números do setor de serviços chinês também contribuem para melhorar o clima nos mercados.

No Brasil, os dados fracos da indústria mostram um setor em recuperação lenta. Com os números e um cenário confortável da inflação, é quase certo um novo corte da Selic neste mês. O Banco Central deve manter o ritmo e reduzir o juro básico em 0,50 ponto percentual, o que deve ajudar a manter o dólar sob pressão.

Ontem, o Ibovespa fechou o dia com queda de 0,94%, aos 99.680,83 pontos. O dólar encerrou a sessão em leve baixa de 0,09%, a R$ 4,1790. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Cara nova no comando

Vivendo um momento conturbado em meio a sua recuperação judicial, uma boa notícia para a Oi. A Justiça finalmente deu o aval para que a empresa inicie o seu plano de transição para a troca de comando, pedido feito meses atrás pelo conselho de administração da operadora. Rodrigo Abreu, ex-presidente da TIM, deve assumir o cargo de diretor de operações e, até o fim do ano, substituir Eurico Teles no comando da companhia.

Essa transição é considerada essencial para que a Oi vire a página e consiga se recuperar de fato. Abreu é um executivo com experiência no comando de teles “saudáveis”. Já Teles vem da área jurídica e sua ascensão na Oi ocorreu no momento em que a empresa tinha de lidar com brigas judiciais entre acionistas e credores e precisava aprovar o plano de recuperação judicial. Saiba mais.

Menos para os partidos

Depois de protagonizar uma das maiores polêmicas no projeto de orçamento para 2020, a cota do fundo eleitoral - aquele dinheiro específico para financiamento de campanhas - deve ser revista pelo Ministério da Economia. O valor anunciado anteriormente, de R$ 2,5 bilhões, cairá para “apenas” R$ 1,8 bilhão. Confira os detalhes sobre esse novo cálculo e as justificativas para o corte.

Tem fatia para todo mundo

Em Brasília, mais uma novela está perto do fim. O Senado aprovou uma PEC para dividir entre União, Estados e municípios os recursos dos leilões do pré-sal, que virão do acordo da cessão onerosa. O valor a ser repartido é da ordem de R$ 70 bilhões. O governo ainda quer pagar uma dívida com a Petrobras com o que for arrecadado. Saiba como ficou a divisão e qual Estado deve se dar bem de imediato.

Um grande abraço e ótima quarta-feira!

Agenda

Índices
- Banco Central divulga dados semanais sobre o fluxo cambial
- IHS Markit divulga PMI de agosto de Alemanha, Reino Unido e zona do euro
- Zona do euro divulga resultados do comércio em julho
- Estados Unidos publicam resultado de sua balança comercial em julho e dados semanais sobre o mercado de petróleo

Bancos Centrais
- Fed divulga nova edição do Livro Bege
- ECON realiza votação sobre a candidatura de Christine Lagarde à presidência do BCE

Política
- CCJ do Senado inicia votação do parecer da reforma da Previdência

 

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

tensão

Preços do petróleo disparam após ataques na Arábia Saudita

Duas grandes refinarias da empresa petrolífera Aramco foram atacadas no último sábado, 14; oferta de petróleo no mundo pode sofrer uma queda de até 5%; neste domingo, contratos futuros chegaram a saltar 19%

após ataques

Petroleira saudita diz que pretende retomar um terço da produção até esta segunda

As atividades da Aramco, a estatal saudita, foram interrompidas devido a um ataque contra suas unidades no último sábado 14

guerra comercial

‘O objetivo de Washington é usar bullying e pressão’, diz embaixador da China no Brasil

Para Yang Wanming, comércio entre Brasil e China tende a sofrer no médio e longo prazos; ele diz que a guerra comercial arruinou a confiança do mercado internacional

a hora e a vez da americana

O que a Amazon, de Jeff Bezos, quer no Brasil?

Gigante varejista dos Estados Unidos avança no Brasil com lançamento do serviço Prime, mas o que isso significa para o setor do varejo e a concorrência?

tendência

Marfrig vai exportar carne vegetal para ao menos quatro países

Companhia brasileira anunciou no início de agosto a produção e comercialização de produtos à base de proteína vegetal, numa parceria com a americana ADM

tensão

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements