Menu
Previdência em pauta

Parlamentares tentam atrasar comissão para discutir reforma

Líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO), estima que a criação da CCJ deve se arrastar por “mais duas ou três semanas”

8 de março de 2019
9:12
Câmara dos Deputados - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Insatisfeitos com a decisão do governo de deixar para depois o projeto que mexe nas regras de aposentadoria dos militares, os parlamentares atuam para colocar em banho-maria a formação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), primeira parada da reforma da Previdência e um dos colegiados mais importantes da Câmara dos Deputados.

O próprio líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO), estima que a criação da CCJ deve se arrastar por "mais duas ou três semanas", o que retardará o início dos trabalhos para depois do dia 20 de março, quando o governo prometeu enviar a proposta dos militares.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda não abriu o prazo para que os blocos parlamentares e os partidos indiquem os integrantes das comissões. A partir da abertura das indicações, há um período de até cinco sessões para preencher os postos. Só então há eleição para a presidência e vice-presidências e o efetivo início dos trabalhos.

Maior força dentro da Câmara dos Deputados, com mais de 300 congressistas, o bloco que inclui partidos próximos ao governo como PSL, PP, PSD, MDB, PR, PSDB e DEM deve indicar 39 dos 66 integrantes da CCJ, segundo o mapa provisório de assentos feito pela Secretaria-Geral da Mesa. Esse será um apoio importante no primeiro teste a ser enfrentado pela reforma da Previdência.

Na CCJ, a aprovação do parecer à reforma depende de maioria simples, ou seja, metade dos presentes, desde que 34 parlamentares votem na sessão que apreciará o texto. A comissão vai analisar a admissibilidade da proposta do governo, ou seja, se ela está de acordo com os princípios da Constituição.

Só o PSL deve ter sete titulares e sete suplentes, além da presidência do colegiado. Segundo a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), a bancada selou acordo para eleger o deputado Felipe Francischini (PSL-PR) para o comando da comissão. O presidente é quem indica a relatoria.

Para Joice, mesmo que haja algum atraso na tramitação da reforma, a proposta deve ser aprovada até junho. Mesmo assim, ela avaliou que "esticar" uns dias não traria problemas.

O bloco formado por legendas como PDT, Podemos, Solidariedade, PCdoB e outros seis partidos deve nomear até 14 integrantes da comissão. Já o formado pela oposição, incluindo o PT, terá 12 assentos. O Novo, com atuação independente, tem uma cadeira. Essa distribuição, contudo, é provisória porque os partidos ou blocos podem firmar acordos para ceder assentos em troca de maior representação em outros colegiados.

Apesar da pressão dos partidos para adiar a formação das comissões, o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), está otimista com o início dos trabalhos do colegiado na próxima semana. "Se depender do PSDB, será na terça.

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), reconheceu que há resistência dos congressistas em indicar os componentes das comissões, mas afirmou que a legenda não vai acompanhar esse movimento. "O PSL indica (os integrantes da CCJ). A oposição não tem interesse, e os demais partidos querem aguardar a reforma dos militares", disse.  As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Bitcoin é furada? O que “eles” viram que você ainda não viu?

Enquanto cresce o número de pessoas com medo das criptomoedas, cresce também o número de pessoas e empresas que aprenderam “um novo jeito” de ficar rico com elas.

Tudo sob controle

Líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann minimiza crise com Rodrigo Maia

Deputada afirmou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, está dedicado a “sanar os ruídos”

Seu Dinheiro na sua noite

Está na hora do banho, não de lavar as mãos

Ibovespa terminou a semana em forte queda no dia em que Brasília pegou fogo com a briga entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o governo

Nova pérola do ministro

Guedes, a jornalistas: “não posso falar hoje, parece que o pau está comendo”

Ministro da Economia participou da cerimônia de posse da nova líder da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Paiva Vieira

Empurrando as datas

CCJ da Câmara só anunciará relator da Previdência depois de audiência com Guedes

Audiência do ministro da Economia na comissão está marcada para a terça-feira, 26, às 14h

dia 81

Me dê motivo, para ir embora…

Do Chile, presidente vê Rodrigo Maia deixar articulação pela reforma

Traz o extintor!

Aliados de Bolsonaro tentam apaziguar a guerra entre Rodrigo Maia e o governo

Mourão, Flávio Bolsonaro e Joice Hasselmann fizeram afagos ao presidente da Câmara depois que ele ameaçou sair da articulação pela Previdência

Mais uma compra?

Natura confirma: está em conversas com a Avon

Uma nova gigante do setor de cosméticos pode estar a caminho: a Natura e a Avon estão em negociações

Conta digital

Os bancões que se cuidem! NuConta do Nubank atinge marca de 4 milhões de clientes

Número do Nubank representa mais de 10% do total de correntistas ativos no Itaú, o maior banco privado do país

Rede dividida

Reforma da Previdência cria “guerra” de hashtags no twitter

Em São Paulo, paralisação de cobradores e motoristas atingiu mais de um milhão de pessoas na manhã desta sexta-feira. Um protesto está marcado para acontecer às 17 horas

Tretas do governo

Bola da vez: Maia diz que a responsabilidade de conquistar votos agora será de Jair Bolsonaro

“O papel de articulação do executivo com o parlamento nunca foi e nunca será do presidente da Câmara”, destacou o presidente da Câmara. As informações são do jornal “Folha de S.Paulo”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu