Menu
2019-07-29T14:25:14+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
muito mais que a reforma

Para FMI, Brasil precisa reduzir déficit do orçamento

Entidade ainda diz que o o Brasil deve elevar o ritmo de crescimento de 0,8% em 2019 para 2,4% em 2020, ao considerar que “uma robusta” reforma da Previdência Social será aprovada pelo Congresso

29 de julho de 2019
14:25
Contas
Contas - Imagem: Shutterstock

Além da reforma da Previdência, o Brasil precisa reduzir o déficit do Orçamento nos próximos anos para assegurar a sustentabilidade de dívida pública. É como avalia o Fundo Monetário Internacional (FMI) a atual situação do País.

O FMI diz que o o Brasil deve elevar o ritmo de crescimento de 0,8% em 2019 para 2,4% em 2020, ao considerar que "uma robusta" reforma da Previdência Social será aprovada pelo Congresso. Além do retorno da confiança de empresários e famílias, recuperação de investimentos e manutenção da política monetária acomodatícia.

De acordo com Alejandro Werner, diretor do FMI para o Departamento do Hemisfério Ocidental, em texto breve que trata das perspectivas econômicas para a América Latina, elevadas incertezas sobre políticas adotadas por governos de países grandes da América Latina contribuíram para o fraco desempenho do crescimento da região de janeiro a junho.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No caso do Brasil, preocupações com o prazo e a magnitude da reforma da Previdência mantiveram dúvidas sobre medidas da administração federal "acima de médias históricas." Ele também apontou que, em relação ao setor de mineração do País, a atividade apresentou moderação no primeiro semestre devido à tragédia provocada pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, Minas Gerais, no começo do ano.

O FMI diminuiu a previsão de alta do PIB do Brasil de 2,1% para 0,8% para este ano, a maior para países analisados pela atualização de julho do documento Perspectivas Econômicas Mundiais. Em relação a 2020, a projeção foi levemente reduzida, de 2,5% para 2,4%.

O desempenho mais fraco da economia do Brasil e do México foram importantes fatores que levaram o Fundo a reduzir a projeção do crescimento da América Latina de 1,4% para 0,6% em 2019 e de 2,4% para 2,3% em 2020.

O Fundo cortou a estimativa de expansão do PIB do México de 1,6% para 0,9% para este ano devido a muitas incertezas sobre políticas do governo do presidente Andrés Manuel López Obrador, mas manteve a previsão de alta de 1,9% em 2020 com a normalização das condições da economia.

Segundo Werner, o México enfrenta incertezas elevadas devido à reversão de algumas políticas oficiais, como a relacionada às reformas nos setores de energia e educação. "Há também continuas preocupações sobre a saúde financeira e perspectivas da Pemex."

Para o diretor do FMI, o cumprimento da meta do déficit fiscal deste ano e a aprovação de um orçamento "prudente" para 2020 serão importantes para provar o compromisso da gestão de López Obrador de responsabilidade na administração das contas públicas e de não elevar a dívida oficial como proporção do Produto Interno Bruto. "Avançar reformas estruturais para reforçar a produtividade continua fundamental para fortalecer o potencial de crescimento do México no médio prazo", destacou o diretor do Fundo.

Para a Argentina, o Fundo estima que a recessão deve reduzir sua força neste ano, pois depois de o PIB cair 2,5% em 2018 deve registrar uma retração de 1,3% em 2019, com um declínio recente da inflação e melhora do nível de atividade.

Contudo, o FMI reduziu pela metade a previsão de crescimento da Argentina de 2,2% para 1,1% em 2020 sobretudo porque os juros reais precisarão continuar elevados por um bom período porque deve persistir a inflação alta. Por outro lado, o país deve registrar uma recuperação da produção agrícola e gradual retomada do poder de compra de consumidores, depois da vigorosa compressão dos salários reais no ano passado.

Em relação à Venezuela, o Fundo ampliou sua projeção de queda do PIB para este ano de -25% para -35% e manteve a previsão de retração de 10% em 2020. Devido à profunda crise econômica e humanitária no país, o FMI prevê que o Produto Interno Bruto deve registrar uma queda de 60% de 2013 a 2019. "A hiperinflação também é prevista para continuar e imigração a intensificar", apontou Werner, ressaltando que o total de pessoas que deixarão aquela nação deve superar 5 milhões até o final deste ano.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements