Menu
2019-09-09T17:27:54+00:00
Cadê a infraestrutura?

País está há 30 anos sem projeto claro de desenvolvimento, diz Abdib

Venilton Tadini afirma que a indústria respira e sofre com o que vem acontecendo com o investimento recente na área de infraestrutura no Brasil

9 de setembro de 2019
17:27
Produção industrial
Imagem: José Patricio/Estadão Conteúdo

O presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e da Indústria de Base (Abdib), Venilton Tadini, disse nesta segunda-feira, 9, que a indústria respira e sofre com o que vem acontecendo com o investimento recente na área de infraestrutura no Brasil. A seu juízo, são dois os pontos vistos como causas de natureza estrutural da tendência à estagnação secular no País.

"O primeiro é que nós estamos praticamente há 30 anos sem um projeto de desenvolvimento claro", disse o executivo, para quem houve três ciclos onde houve essa articulação que foi nos governos Vargas, Juscelino e depois, numa parte expressiva, no governo militar.

"A partir do momento de crise cambial e hiperinflação, as tentativas de estabilização nos deixaram míopes em relação às estratégias de desenvolvimento que o País deveria seguir", disse Tadini.

Ele participou pela manhã da abertura do 16º Fórum de Economia que a Fundação Getúlio Vargas (FGV) realiza em São Paulo.

Para ele, o Brasil que chegou a disputar no século passado níveis de produtividades com a Coreia com intervenção do Estado vê esta intervenção sendo demonizada por causa de alguns instrumentos usados equivocadamente num passado recente. Portanto, de acordo com ele, a questão do planejamento econômico de médio e longo prazo é extremamente fundamental.

"É difícil dizer de que infraestrutura você precisa quando você só cresce a reboque da demanda. E a infraestrutura é indutora do processo de desenvolvimento. É uma coisa absolutamente inconcebível você fazer investimento de infraestrutura para romper gargalo. Fazemos isso porque somos agredidos pelos fatos por não termos clareza da estratégia de desenvolvimento a seguir", criticou o presidente da Abdib.

No período recente, de acordo com ele, isso fica mais agudo com o fato de se esquecer políticas verticais e achar que só políticas horizontais vão resolver os problemas com segurança jurídica. "Não vai resolver. Nós já vimos num passado recente que a taxa de juro caiu e o investimento não subiu. Fica difícil aqueles que têm uma formação mais clássica entenderem esse fenômeno", disse.

O segundo ponto, de acordo com Tadini, é que o déficit primário é elevado e, no entanto, a inflação está abaixo do centro da meta.

"Então tem alguma coisa de errado. Nós temos trabalhado sistematicamente essa falta de planejamento sem um programa articulado entre infraestrutura e indústria. Infraestrutura é fator de competitividade e não um fim em si mesma. Eu ouço falar em infraestrutura como um fim em si mesma e isso não é verdade", comentou.

No entanto, segundo o presidente da Abdib, é preciso que se fale de que infraestrutura se precisa a partir do momento em que se define a estrutura de circulação de mercadorias que se quer.

"Se eu quero ser um País que trata de minério de ferro ou do agronegócio, eu vou por esse caminho porque vou encontrar rapidamente em cada ciclo internacional de queda de preço de commodities uma queda da nossa renda interna, uma dificuldade para retomada e manutenção do crescimento sustentável", disse.

Para Tadini, os produtos de maiores valores agregados não são pensados na estrutura de cadeias produtivas. Segundo ele, o Brasil não tem uma inserção pensada nos mercados internacionais e muito menos uma articulação mais adequada com os países vizinhos seja em infraestrutura, seja em termos de transportes e energia, seja do ponto de vista de mercadorias.

É preciso, segundo o executivo, retomar a capacidade de planejamento. Hoje, de acordo com ele, o que se vê é que nos projetos que estão sendo estruturados a capacidade de estruturação melhorou muito. Mas os investimentos não crescem mais porque simplesmente não tem projetos.

"Nós eliminamos um backlog que existia a partir do momento que se conseguiu dar vazão, depois da criação do PPI Programa de Parcerias de Investimentos com estruturas mais adequadas de investimentos", disse.

Política 'pró-cíclica'

O presidente da Abdib criticou ainda o que chamou de "capacidade do Brasil ter se especializado em fazer sempre política pró-cíclica".

"Nós fizemos isso num passado recente e demonizamos todas as políticas públicas que cairiam em descrédito agora que precisamos acionar mecanismo de Estado para sairmos da crise", disse.

Segundo ele, há quem ache que só mexer em estrutura de oferta, com aumento da produtividade, e melhora das instituições de segurança jurídica é "fantástico".

Ou seja, ao mesmo tempo em que se pede a saída do Estado, pede mais segurança jurídica. "Não existe capitalismo sem Estado e a gente houve esse tipo de coisa recorrentemente", disse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

tensão

Preços do petróleo disparam após ataques na Arábia Saudita

Duas grandes refinarias da empresa petrolífera Aramco foram atacadas no último sábado, 14; oferta de petróleo no mundo pode sofrer uma queda de até 5%; neste domingo, contratos futuros chegaram a saltar 19%

após ataques

Petroleira saudita diz que pretende retomar um terço da produção até esta segunda

As atividades da Aramco, a estatal saudita, foram interrompidas devido a um ataque contra suas unidades no último sábado 14

guerra comercial

‘O objetivo de Washington é usar bullying e pressão’, diz embaixador da China no Brasil

Para Yang Wanming, comércio entre Brasil e China tende a sofrer no médio e longo prazos; ele diz que a guerra comercial arruinou a confiança do mercado internacional

a hora e a vez da americana

O que a Amazon, de Jeff Bezos, quer no Brasil?

Gigante varejista dos Estados Unidos avança no Brasil com lançamento do serviço Prime, mas o que isso significa para o setor do varejo e a concorrência?

tendência

Marfrig vai exportar carne vegetal para ao menos quatro países

Companhia brasileira anunciou no início de agosto a produção e comercialização de produtos à base de proteína vegetal, numa parceria com a americana ADM

tensão

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements