Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Impostos

“Ou governo aprova a reforma tributária agora ou não aprova mais”, diz Hauly

Deputado disse que existe um consenso em torno da aprovação do projeto, mesmo antes da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro

22 de novembro de 2018
11:37 - atualizado às 12:32
Imagem: Raul Junior/BTG

Ou aprova agora ou não aprova mais. Foi em um tom de ultimato que o deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) defendeu a proposta de reforma tributária, da qual é relator, em tramitação no Congresso.

O projeto do deputado prevê a unificação de nove tributos com a criação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA). Hauly disse que hoje existe um consenso em torno da aprovação da reforma, mesmo antes do presidente eleito Jair Bolsonaro assumir o cargo.

"A reforma tributária é suprapartidária. É pegar ou largar", disse Hauly, que participa hoje de evento promovido pelo BTG Pactual.

Na terça-feira, Hauly esteve no Centro Cultural Banco do Brasil, onde está reunido o governo de transição e disse que obteve autorização para colocar sua equipe em contato com a equipe técnica do governo. Mas ele não teria sido autorizado a articular sua proposta.

A proposta de Hauly, no entanto, difere da defendida por Paulo Guedes e Marcos Cintra em outras ocasiões. Os dois defenderam um modelo de simplificação tributária, com eliminação de diversos impostos e instituição de um tributo sobre movimentação financeira. Além disso, por se tratar de emenda à constituição, a proposta não teria como ser votada ainda em 2018.

Potencial

Uma mudança no sistema de impostos brasileiro teria um potencial de adicionar 10% ao Produto Interno Bruto (PIB) em um prazo de 10 a 20 anos, segundo Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal.

A proposta de Appy, que é diferente da que está no Congresso, prevê uma de dez anos transição para o novo sistema, com a criação do IVA. A ideia é dar tempo para a adaptação de empresas que fizeram investimentos sob sistema atual.

A receita obtida pelo IVA iria para o destino da mercadoria ou serviço, mas com um prazo de 50 anos de transição para evitar a resistência de Estados e municípios que sairiam perdendo. "Mas com o efeito positivo da reforma tributária sobre economia não haveria perdedores", disse Appy.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Para reduzir dívida

Casino fecha venda de 26 hipermercados e supermercados

Negócio é avaliado em 501 milhões de euros (US$ 569,2 milhões); pelo acordo assinado com a Fortress, o Casino receberá cerca de 392 milhões de euros no primeiro semestre do ano

Em dezembro

Indústria e varejo da China superam expectativas, mas avanço do PIB é o menor em 28 anos

Produção industrial chinesa subiu 5,7% em dezembro na comparação anual; analistas previam uma desaceleração, com ganho de 5,3%

Caso Queiroz

Flávio Bolsonaro reclama que não teve oportunidade de esclarecer movimentações

Nas entrevistas, o senador eleito afirmou que o pagamento de R$ 1.016.839 milhão de um título da Caixa Econômica Federal, registrado pelo Coaf como movimentação atípica, é referente ao valor da quitação da dívida de um apartamento

Dívida corporativa

Por que as debêntures devem ser as estrelas do investimento em renda fixa em 2019

Esse fenômeno já começou. Em 2018, as captações de recursos pelas empresas brasileiras diretamente de investidores no mercado de capitais atingiram quase R$ 200 bilhões, um crescimento de 19% e praticamente o dobro de 2016. Confira o que faz as perspectivas para este ano serem ainda melhores.

Renda fixa

O que você precisa saber antes de investir em uma emissão de debêntures

Investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa. Mas como tudo no mundo dos investimentos, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos

A Bula do Mercado

Mercado entre China e Davos

PIB da China abre semana marcada por expectativa pela participação do governo Bolsonaro em Davos

Desânimo

Para JP Morgan, aumentou a chance de recessão nos EUA nos próximos 12 meses

Banco projeta uma probabilidade de 42,9% de contração na economia americana, contra uma projeção anterior de 40,8%

Indústria automobilística

Sindicato reage à ameaça de saída da GM do país, e montadora marca reunião com trabalhadores

Presidente da montadora para a América do Sul havia divulgado comunicado dizendo que “investimentos e o futuro” do grupo no país dependiam de volta da lucratividade em 2019

Sufoco

Empresas de alimentos concentram maior débito entre as mais endividadas

BRF, Marfrig e JBS tentam reduzir endividamento; siderúrgicas e outras empresas de infraestrutura também têm dificuldades

Alívio

Dívida das empresas abertas cai 17,7%, mas investimento ainda deve demorar

Movimento de reestruturação e redução das dívidas é puxado por Petrobras e Vale; cautela das empresas e capacidade ociosa, porém, ainda é grande

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu