Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nas mãos de Paulo Guedes?

Os rumos das concessões no governo Bolsonaro

Governo de presidente eleito deverá ter duas áreas distintas para tratar das relações com o setor privado com foco em concessões de infraestrutura

23 de novembro de 2018
8:41 - atualizado às 8:49
Paulo Guedes - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) deverá ter duas áreas distintas para tratar das relações com o setor privado. No foco estão os projetos de concessões de infraestrutura, atividade que é tida como vital pelos membros do novo governo para impulsionar a economia no curto prazo.

Conforme apurou o jornal "O Estado de S. Paulo", parte das iniciativas de desestatização serão comandadas por uma secretaria ligada a Paulo Guedes e o Ministério da Economia. Estará sob sua tutela a Secretaria de Desinvestimento e Desmobilização.

O novo órgão chegou a ser inicialmente chamado de Secretaria de Privatização, mas prevaleceu o entendimento de que este nome não era o mais adequado. A secretaria vai cuidar exclusivamente de ações que envolvam a venda de imóveis da União e desinvestimentos de estatais, como, por exemplo, uma eventual redução de participação da Petrobrás em outra companhia.

As concessões de infraestrutura seguirão com a Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), sem migrar para a gestão econômica, como chegou a ser cogitado inicialmente por Guedes.

A avaliação interna dos membros da transição é de que se trata de uma área que precisa ser tocada diretamente pela Presidência por envolver, muitas vezes, diversos ministérios e áreas de interesse. Com essa decisão, a atual carteira de projetos do PPI não deve perder nenhum projeto para a secretaria de Guedes.

A divisão de responsabilidades, porém, não deu fim a impasses na cúpula do novo governo. Há dúvidas sobre quem, afinal, vai mandar na Secretaria do PPI. Pela estrutura atual, o órgão está vinculado à Secretaria-Geral da Presidência, a qual tem status de ministério e será comanda pelo ex-presidente do PSL, Gustavo Bebianno.

Sinalizações

Fontes ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paulo afirmaram, porém, que o vice-presidente eleito da República, general Hamilton Mourão, já sinalizou sua intenção de ficar à frente da gestão do PPI. O entendimento é que a secretaria só funciona se estiver diretamente ligada à autoridade máxima do governo, ou seja, ao presidente eleito Jair Bolsonaro, que delegaria sua gestão a Mourão.

A primeira rodada de projetos do PPI sob a administração de Bolsonaro já foi preparada pelo governo Temer. Os leilões de 12 aeroportos, quatro portos e da Ferrovia Norte-Sul, que terão seus editais divulgados no próximo dia 29, têm previsão de serem realizados em março do ano que vem. Cada um desses projetos foi executado pela Secretaria do PPI.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Bitcoin é furada? O que “eles” viram que você ainda não viu?

Enquanto cresce o número de pessoas com medo das criptomoedas, cresce também o número de pessoas e empresas que aprenderam “um novo jeito” de ficar rico com elas.

Novidades à vista?

Em estratégia de “fatiamento” da Abril, Exame deve ficar com o BTG

Segundo uma fonte, o empresário deve buscar compradores não só para a “Exame”, mas também para outras unidades de negócio, como a Casa Cor e o Guia do Estudante

Novidades nos EUA

Não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, destaca carta

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) às autoridades americanas uma parte do conteúdo do relatório do conselheiro especial do DoJ, Robert Mueller

Investigações

Caixa 2 é o crime eleitoral mais investigado pela Polícia Federal

Entre 2006 e 2016, a maioria dos procedimentos eleitorais abertos pela PF estava relacionada à acusação de compra de voto

Articulação política

Major Vitor Hugo visita Bolsonaro e tenta aproximar Planalto e demais poderes

Ao sair da residência oficial da Presidência da República, Vitor Hugo disse que conversou com Bolsonaro sobre a aprovação da reforma da Previdência e a tramitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ)

OBRIGADA, LEITOR!

Seis meses com o Seu Dinheiro

Projeto foi lançado em 24 de setembro e já tem mais de 800 mil leitores por mês no site e 65 mil cadastrados para as newsletters diárias. Conheça a linha editorial, saiba quem não somos e como ganhamos dinheiro.

Entrevista com o cientista político

“Presidente não demonstra capacidade de articulação”, afirma Sérgio Abranches

Autor do termo “presidencialismo de coalizão” nos anos 1980, Abranches afirma que “não faz sentido” o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser articulador político de qualquer agenda do governo

Todo mundo se estranhando...

Bolsonaro rebate Maia e cita “velha política”

O presidente também alegou não saber por que Maia anda tão “agressivo” com ele

Bon vivant

Mergulhe no maravilhoso mundo dos cafés especiais

Além de apreciar safras de pequenos produtores, amantes da bebida podem tomar um banho terapêutico ou sobrevoar plantações a bordo de um balão

Fintech

Fundo do BNDES investe em ‘bolsa’ de cotas de consórcio

Com sede na Bahia, o Bom Consórcio funciona como uma plataforma de compra e venda de cotas de pessoas que desistiram ou deixaram de pagar as prestações

IR 2019

Guia: como declarar os seus investimentos no imposto de renda 2019

Você também precisa prestar contas das suas aplicações financeiras ao Leão! Confira nosso guia completo sobre como declarar investimentos no IR 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu