Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Investimentos

Órama está de olho em uma fatia maior do ‘bolo dos investimentos’ e lança home broker

Clientes que aderirem à oferta de cotas do fundo imobiliário Capitânia Securities II serão os primeiros a conhecer sistema de negociação que será aberto ao público em geral em janeiro

21 de novembro de 2018
12:25 - atualizado às 14:06
Imagem: Shutterstock

Buscando atender não só os clientes da casa, mas também quem está fora dela, a Órama planeja lançar em janeiro seu sistema de home broker, que permitirá a compra e venda de ações e cotas de fundos imobiliários por meio de sua já conhecida plataforma de investimentos.

No entanto, a entrada nesse disputado mercado acontecerá de forma escalonada. Os clientes que participarem da oferta pública do fundo imobiliário Capitânia Securities II, primeira oferta pública da qual a empresa participa, serão os primeiros a ter acesso ao home broker.

Habib Nascif - CEO da Órama - Imagem: Assessoria

  “Temos notado aqui na Órama que o ideal é ter uma plataforma plena de distribuição de produtos financeiros. Boa parte desses clientes que já entraram na Órama demandam outros produtos, que vão buscar em outros lugares, como fundo imobiliário ou mesmo home broker”, diz o CEO da Órama, Habib Nascif.

O movimento da Órama segue uma tendência no mercado financeiro de ampliação de ofertas de produtos financeiros na plataformas digitais. Muitas começaram como um nicho, oferecendo apenas renda fixa e fundos, e estão avançando para a oferta de renda variável. Foi o que fez, por exemplo, o BTG Digital, que também lançou seu home broker neste ano.

De acordo com o diretor da Órama, Thiago Villela, a empresa já tem feito operações diárias em ambiente de bolsa de valores como uma forma de teste, se preparando para ofertar o sistema de home broker para os demais clientes. A corretora opera sob o número 3701.

A negociação de cotas de fundos imobiliários acontece em ambiente de bolsa de valores. Segundo Nascif, a negociação de fundos imobiliários será isenta de corretagem. Ainda não está definido qual será o modelo de cobrança para as demais operações como compra e venda de ações.

De acordo com Villela, a expectativa é que cerca de 40% dos atuais clientes da corretora venham a ter posição em fundo imobiliário ou bolsa de valores.

“Antes de começar esse trabalho conversamos com os investidores e vimos que tem bastante aceitação. Há um interesse grande pelo produto [fundo imobiliário]. O retorno é muito superior aos demais produtos de renda fixa do mundo fundos”, diz Villela.

O diretor lembra que alguns fundos imobiliários têm apresentado retorno de 140% a 160% do CDI líquido de imposto. “Compara isso com a indústria tradicional de renda fixa que é a nossa origem. O rendimento nos fundos imobiliários tem se mostrado bastante interesse”, afirma Villela.

Ainda de acordo com Nascif, ao ampliar o leque de produtos com o home broker, a empresa atende aos investidores da casa e também busca novos clientes.

Foco em ferramentas e produtos

Nascif também destaca a atuação da Órama em ferramentas para o próprio mercado, como a oferta da plataforma de investimento e aplicativo de celular para as empresas parceiras, como agentes autônomos e gestores.

A plataforma da Órama se transforma e passa a ter as cores da gestora e logotipo. “A distribuição é Órama, mas o cliente se sente dentro do ambiente da gestora”, explica Nascif.

A empresa começou a fazer essas parcerias em 2017 e já tem 190 empresas “plugadas” na plataforma. O gestor ou agente autônomo monta o cardápio de fundos e demais produtos entre os mais de 500 fundos disponíveis.

“Acabamos virando um hub de produtos financeiros, onde agentes autônomos e gestoras diferentes estão interligados”, diz Nascif.

A oferta pública

A oferta pública em questão é referente às cotas da 4ª emissão do fundo de investimento imobiliário (FII) Capitânia Securities II no montante inicial de até R$ 100 milhões. O prazo de reserva se encerra nesta quarta-feira, dia 21 de setembro. O valor nominal unitário da cota é de R$ 98,60, não incluído o custo unitário de distribuição no valor de R$ 2,95 por cota subscrita, valor equivalente a um percentual fixo de 2,99%.

O fundo está em funcionamento desde agosto de 2014 e investe em ativos imobiliários, notadamente Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI). É o modelo que se conhece como “fundo de papel”, que obtém rentabilidade aplicando em títulos de renda fixa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Para reduzir dívida

Casino fecha venda de 26 hipermercados e supermercados

Negócio é avaliado em 501 milhões de euros (US$ 569,2 milhões); pelo acordo assinado com a Fortress, o Casino receberá cerca de 392 milhões de euros no primeiro semestre do ano

Em dezembro

Indústria e varejo da China superam expectativas, mas avanço do PIB é o menor em 28 anos

Produção industrial chinesa subiu 5,7% em dezembro na comparação anual; analistas previam uma desaceleração, com ganho de 5,3%

Caso Queiroz

Flávio Bolsonaro reclama que não teve oportunidade de esclarecer movimentações

Nas entrevistas, o senador eleito afirmou que o pagamento de R$ 1.016.839 milhão de um título da Caixa Econômica Federal, registrado pelo Coaf como movimentação atípica, é referente ao valor da quitação da dívida de um apartamento

Dívida corporativa

Por que as debêntures devem ser as estrelas do investimento em renda fixa em 2019

Esse fenômeno já começou. Em 2018, as captações de recursos pelas empresas brasileiras diretamente de investidores no mercado de capitais atingiram quase R$ 200 bilhões, um crescimento de 19% e praticamente o dobro de 2016. Confira o que faz as perspectivas para este ano serem ainda melhores.

Renda fixa

O que você precisa saber antes de investir em uma emissão de debêntures

Investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa. Mas como tudo no mundo dos investimentos, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos

A Bula do Mercado

Mercado entre China e Davos

PIB da China abre semana marcada por expectativa pela participação do governo Bolsonaro em Davos

Desânimo

Para JP Morgan, aumentou a chance de recessão nos EUA nos próximos 12 meses

Banco projeta uma probabilidade de 42,9% de contração na economia americana, contra uma projeção anterior de 40,8%

Indústria automobilística

Sindicato reage à ameaça de saída da GM do país, e montadora marca reunião com trabalhadores

Presidente da montadora para a América do Sul havia divulgado comunicado dizendo que “investimentos e o futuro” do grupo no país dependiam de volta da lucratividade em 2019

Sufoco

Empresas de alimentos concentram maior débito entre as mais endividadas

BRF, Marfrig e JBS tentam reduzir endividamento; siderúrgicas e outras empresas de infraestrutura também têm dificuldades

Alívio

Dívida das empresas abertas cai 17,7%, mas investimento ainda deve demorar

Movimento de reestruturação e redução das dívidas é puxado por Petrobras e Vale; cautela das empresas e capacidade ociosa, porém, ainda é grande

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu