Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-08-12T19:51:18+00:00
Seu Dinheiro na sua noite

Oblivion, um tango triste

12 de agosto de 2019
19:51
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Ontem à noite eu já sabia que o assunto de hoje no mercado seria a Argentina. Após o resultado da prévia eleitoral no país vizinho, que mostrou a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner bem à frente daquela encabeçada pelo atual presidente Mauricio Macri, começaram a pulular no Twitter os comentários (e memes) de gente de mercado preocupada com o resultado das eleições argentinas em outubro.

Um dos memes, no melhor estilo “rir pra não chorar”, fazia piada com a rivalidade Brasil-Argentina: “Chupa Joesley Day!!” A comparação não é esdrúxula. A segunda-feira foi, para os hermanos, um Joesley Day multiplicado por três. A reação dos mercados foi dramática como um tango: a bolsa caiu mais de 35%, o dólar subiu 15% frente ao peso e o banco central argentino elevou a taxa de juros para 74%. A inflação projetada para o fim do ano agora está em torno de 50%.

A vitória de uma chapa potencialmente populista sobre o governo liberal de Macri, que tenta a reeleição, foi uma surpresa, dado que os investidores confiavam que o atual presidente argentino estava com a vantagem. E as consequências negativas não foram sentidas apenas no país vizinho: os ecos do bandoneon também foram ouvidos por aqui.

Um retorno do kirchnerismo simboliza, para o mercado, a volta do intervencionismo econômico, possibilidade de calote e coisas do tipo. E embora a questão argentina possa ser considerada um problema menor em comparação a desafios como a guerra comercial, para nós brasileiros o buraco é mais embaixo.

Aos olhos do mundo (e dos grandes investidores internacionais), somos todos emergentes e latino-americanos. Partilhamos alguns balaios, além de sermos parceiros comerciais. Dá até para ir além: a situação da economia argentina hoje nos é muito familiar e ainda somos assombrados pelo fantasma do retorno àquela situação. Poderia o Brasil vir a se tornar uma Argentina e, junto com os hermanos, cair no esquecimento para os mercados internacionais?

Meu colega Eduardo Campos escreveu esta ótima análise sobre por que essa nova crise política argentina também é problema nosso, e os reflexos que ela pode vir a ter no seu bolso. Recomendo muito a leitura!

Por una cabeza

Nos mercados brasileiros foi possível ouvir um pouco do tango triste que tocou em Buenos Aires hoje, principalmente na cotação do dólar, que chegou a romper o patamar dos R$ 4 novamente pela manhã e que fechou em R$ 3,98. Mas a queda do Ibovespa e a alta do dólar refletiram um movimento de aversão ao risco maior no mundo, que levou os investidores a retirar as suas apostas dos cavalos emergentes e se refugiar no cavalo da moeda americana, considerado mais seguro. O Victor Aguiar te conta tudo sobre os motivos que derrubaram as bolsas e fortaleceram o dólar nesta segunda-feira.

O jardim dos caminhos que se bifurcam

Além de eventualmente acabar se tornando a Argentina economicamente falando, outro possível destino do Brasil seria passar por uma crise cambial a reboque do cenário de crise vindo do país vizinho. Mas, no que depender do nosso Banco Central, isso não vai acontecer, e tomaremos um rumo mais tranquilo. Segundo o presidente do BC, Roberto Campos Neto, o Brasil tem uma posição cambial líquida bastante sólida, uma espécie de “colchão” para absorver os impactos que vêm de fora. Campos Neto também falou sobre a perspectiva de o país entrar numa recessão técnica e do que pode vir a acontecer com as taxas de juros.

El día que me quieras

Passada a reforma da Previdência na Câmara, os olhos do mercado se voltam para a reforma tributária. A equipe de Paulo Guedes havia prometido para agosto a apresentação de seu próprio projeto ao Congresso, mas ao que tudo indica os parlamentares vão ter que esperar um pouco mais. Nesta segunda-feira, o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, arriscou um prazo. Enquanto isso, na Câmara, onde já tramita uma proposta de reforma nos impostos, Rodrigo Maia tenta costurar apoio às mudanças. Mas, segundo ele, a aprovação será mais difícil que a da reforma da Previdência.

Libertango

As eleições de 2018 estiveram cercadas de expectativa para os investidores no quesito privatizações. Os candidatos vencedores traziam consigo uma agenda robusta de vendas de estatais, inclusive no âmbito estadual. Dois exemplos claros foram as vitórias de Romeu Zema em Minas Gerais e Eduardo Leite no Rio Grande do Sul. Mas passado quase um ano da votação, a realidade se mostrou um pouco diferente do esperado. É bem verdade que, em Minas, o caráter liberal e desestatizante do governador permanece, mas a privatização da Cemig vem encontrando obstáculos; já nas terras gaúchas, a gestão estadual enterrou um dos seus grandes projetos nesse sentido.

A loteria da Babilônia

Muitos dos que me leem aqui na newsletter ou lá no Seu Dinheiro têm o objetivo claro de investir bem para a aposentadoria, ainda mais frente às mudanças iminentes na Previdência Social. E quando o assunto é planejamento de longo prazo, é sempre bom ouvir a voz da experiência. Do alto dos seus 79 anos, nosso colunista Ivan Sant’Anna já passou por altos e baixos no mundo dos investimentos e faz um alerta: tratar o mercado como uma roleta e não se preparar adequadamente para o futuro é um risco tremendo. Há quem perca tudo por especular demais, enquanto que, lá na frente, a conta sempre vem, e cada vez mais alta. Você quer uma aposentadoria tranquila, ou viver à mercê do acaso, como os apostadores da loteria da Babilônia de Jorge Luis Borges? Então recomendo a leitura do texto do mestre!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements