Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Em meio à crise

Nubank recebe aporte chinês e vira maior startup da América Latina

Empresa deve receber US$ 180 milhões de chinesa “Tencent”, que também é do setor de tecnologia

9 de outubro de 2018
6:39
Chinesa investira US$ 180 milhões em startup brasileira - Imagem: shutterstock

A startup brasileira Nubank, conhecida pelo seu cartão de crédito roxo, informou nesta segunda-feira, 8, que recebeu uma rodada de investimentos de US$ 180 milhões da chinesa Tencent, uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. De acordo com o site americano ‘The Information’, que antecipou a notícia, o investimento faz o Nubank ser cotado em US$ 4 bilhões, tornando-se a maior startup de capital fechado da América Latina.

Segundo as companhias, US$ 90 milhões serão investidos diretamente na empresa, enquanto outros US$ 90 milhões serão utilizados pela asiática para comprar participação de outros acionistas da startup brasileira. Ao todo, a chinesa deve ter uma fatia de cerca de 5% dentro do Nubank, disseram fontes próximas ao assunto ao Broadcast, do Estadão.

Alta demanda

Fundado em 2013, pelo colombiano David Vélez, o Nubank tem registrado crescimento expressivo nos últimos meses: há duas semanas, divulgou ter 5 milhões de clientes em seu cartão de crédito controlado por aplicativo, 20% mais do que tinha em fevereiro. Além disso, a empresa também tem 2,5 milhões de usuários em sua conta bancária digital, a NuConta, lançada há cerca de um ano.

“O projeto do Nubank é ser um banco digital completo. Uma avaliação de mercado de US$ 4 bilhões é condizente com o potencial da empresa”, avalia Guilherme Horn, diretor executivo de inovação da consultoria Accenture. Na visão do especialista, os números atuais do Nubank o credenciam como um dos maiores bancos digitais do mundo, mesmo atuando apenas no Brasil - em entrevista recente, David Vélez negou ter planos de expansão para a América Latina no curto prazo.

Já para o presidente da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), Amure Pinho, o investimento mostra a força do ecossistema brasileiro de startups, mesmo em meio à crise. “É um sinal de que nosso mercado consumidor interno tem apetite”, afirma ele, ressaltando que o investimento ajudará o Nubank a brigar de frente com as instituições bancárias tradicionais brasileiras. “A empresa tem tudo para ser a maior emissora de cartões do País em breve.”

Destino

Em comunicado divulgado à imprensa, o presidente executivo do Nubank, David Vélez, ressaltou que a empresa não “precisava de mais capital neste momento” - em fevereiro, a startup recebeu um aporte de US$ 150 milhões do fundo DST Global. “Já geramos caixa operacional desde o ano passado, mas não poderíamos deixar passar a oportunidade de ter a Tencent conosco.” Para especialistas ouvidos pelo Estado, a troca de conhecimento com a chinesa será o principal ganho do Nubank na operação.

“Os chineses têm um grande conhecimento para fazer negócios ganharem escala”, diz Horn, da Accenture. “Além disso, mudanças que já estão maduras na China ainda não aconteceram aqui, como toda a revolução na área de pagamentos.”

É um setor que a chinesa tem experiência: hoje, é dona do WePay, um dos serviços de pagamentos móveis mais populares do mundo. Ele funciona dentro do WeChat, espécie de WhatsApp chinês, utilizado por mais de 1 bilhão de pessoas atualmente. Além disso, a Tencent também tem participações em empresas como Tesla, Snap e o aplicativo de transportes Didi. Avaliada em US$ 360 bilhões, a chinesa também é dona da Riot, produtora do sucesso dos games League of Legends.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu