Menu
2019-01-06T11:17:06+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
IMPRENSA ESTRANGEIRA

Nova geração tenta emplacar livre mercado no Brasil, diz Financial Times

Segundo a publicação, partidos como Novo, que representam os mercados livres, são uma parte de uma mudança tectônica que abalou a política brasileira

6 de janeiro de 2019
11:17
João Amoêdo, fundador do partido Novo
João Amoêdo, fundador do partido Novo - Imagem: Rovena Rosa/Agencia Brasil

O site do jornal britânico Financial Times trouxe hoje uma reportagem em que salienta que uma nova geração tenta levar o mercado livre para o Brasil. "O velho modelo econômico estatal está cercado no maior país da América Latina", considerou a publicação.

O texto recordou que investidores aplaudiram quando o presidente Jair Bolsonaro declarou em sua posse na semana passada que o Brasil iria "se libertar do socialismo", um sentimento rapidamente ecoado por seu ministro da Economia, Paulo Guedes, que repetiu sua mensagem de que o País precisa de "mais Brasil, menos Brasília".

O prazer dos investidores nesse credo liberal era tal, como descreveu o periódico, que, mesmo com a queda dos mercados globais, os ativos brasileiros subiram, iniciando o ano como um dos mercados de ações com melhor desempenho do mundo.

Tais palavras, considerou o FT, também eram música para os ouvidos dos partidos liberais. Há muito vistos no Brasil social-democrata como movimentos marginais excêntricos, eles aproveitaram o sucesso eleitoral de Bolsonaro, um conservador mais tradicional, para se tornarem uma importante força política.

"Estamos totalmente alinhados com o plano de economia liberal [do governo]", disse Romeu Zema, o recém-eleito governador do estado de Minas Gerais e membro do Novo.

O Brasil é famoso por se tornar mais socialmente liberal nas últimas décadas, uma tendência que Bolsonaro, conhecido por comentários homofóbicos e ocasionalmente racistas e misóginos, disse que quer reverter.

Mas, na economia, o Brasil tradicionalmente se inclinou para políticas de grandes Estados, especialmente nos últimos 14 anos de governo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Partidos como Novo, que representam os mercados livres, são, portanto, parte de uma mudança tectônica que abalou a política brasileira, conforme a versão do diário na internet.

O Novo "quer reduzir o Estado e trazer eficiência para o maquinário público", disse Guilherme Fuertes, estudante de direito de 22 anos de uma universidade particular, explicando seu apoio.

Lançado há três anos pelo banqueiro João Amoêdo, o Novo cresceu e tem hoje oito cadeiras no Congresso. Amoêdo, que disputou a Presidência, ganhou 2,7 milhões de votos, o dobro da famosa ambientalista Marina Silva.

Partidos de uma inclinação liberal semelhante também se saíram bem na eleição de outubro, amplamente vista como a mudança mais profunda da direita do Brasil desde a ditadura militar.

Os democratas de centro-direita, por exemplo, têm 27 cadeiras no Congresso e seis senadores.

Com mais de 30 partidos representados no novo Congresso do Brasil, legendas como Novo e Democratas serão importantes para Bolsonaro, que precisa formar coalizões para aprovar reformas.

Mas eles prometem ser agrupamentos desajeitados, como destacou a reportagem. Juntamente com os liberais clássicos, estarão evangélicos pregadores de valores familiares, homens fortes, fazendeiros e conservadores isolacionistas.

O Financial Times também explicou a seus leitores que membros democratas estão previstos para compor o governo, como seu chefe de Gabinete e a ministra da Agricultura.

Do Novo, o partidário Salim Mattar, fundador da empresa de locação de carros Localiza, está encarregado da privatização, e Ricardo Salles, outro empresário, é ministro do Meio Ambiente - apesar de ele afirmar que o aquecimento global não é uma prioridade.

O Partido Social Liberal (PSL) de Bolsonaro ganhou 52 assentos no Congresso, ante apenas um anteriormente, e quatro senadores de nenhum anterior.

Recessão

A pior recessão do Brasil foi um fator fundamental nesse movimento, segundo o site do jornal, enquanto outro motivo foi a repulsa popular aos escândalos de corrupção do governo anterior e a subsequente rejeição do eleitorado ao establishment político.

"Isso abriu o caminho para pessoas de fora como Bolsonaro", avaliou o veículo britânico. Zema é um desses outsiders.

Um empresário sem experiência política, ele entrou para a política depois que a brutal recessão de 2015-16 o obrigou a demitir um terço de seus empregados. "Eu decidi então fazer parte da Novo, que tem ideias econômicas liberais, ideias que farão bem ao Brasil", disse ele.

Contrarrevolucionários mais radicais como Kim Kataguiri, de 22 anos, também tiveram um papel na ascensão de Bolsonaro.

Agora deputado do Partido Democrata, há quatro anos o estudante de Direito ajudou a iniciar um movimento no estilo Tea Party, chamado Movimento Brasil Livre.

Por meio das mídias sociais e protestos de rua, defendeu o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do PT, e a prisão de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, acusado de corrupção.

Até que ponto esses partidos serão bem-sucedidos em ajudar a conter o Estado inchado do Brasil, ou os instintos mais liberais de Bolsonaro, ainda serão vistos, considerou o FT.

Há tantos novos rostos políticos de direita que eles podem lutar para manter Bolsonaro "em verificação", disse Malu Gatto, professora assistente de política latino-americana na UCL.

Quanto a Kataguiri, enquanto ele se alinha com os planos econômicos de Guedes, teme que o presidente seja estatisticamente inato, como mostra seu histórico de votação no Congresso. "Guedes tem nossa mesma visão", disse ele. "Bolsonaro é mais protecionista."

Rogério Chequer, membro Novo e também líder do grupo "Vem Pra Rua", que também organizou protestos em massa contra Dilma Rousseff, é mais esperançoso.

Como muitos de seus pares, ele vê Bolsonaro como um catalisador para mais mudanças: "Se continuarmos com esse nível de engajamento público... a velha política continuará perdendo espaço", disse.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De olho na economia

Armínio Fraga vê ‘obscurantismo’ e ambiente ‘envenenado’ como entraves à economia

Fraga destacou que o Brasil nunca investiu tão pouco na sua história e que para destravar o investimento será preciso dar mais clareza em áreas que vão além da econômica, como “temas de natureza distributiva”

Novidades à vista?

Petrobras negocia potencial consórcio para leilão de pré-sal, diz presidente

Muitas das maiores petroleiras do mundo, entre elas ExxonMobil, Royal Dutch Shell e BP, além da própria Petrobras, estão registradas para participar da disputa, marcada para 6 de novembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

As duas faces do dólar

No filme “As duas faces de um crime”, o eterno canastrão Richard Gere faz o advogado oportunista que defende um jovem acusado de assassinato. A coisa complica quando ele descobre que o garoto interpretado por Edward Norton sofre de múltiplas personalidades. Eu me lembro do filme toda vez que tento encontrar alguma explicação para o […]

Na gringa

Campos Neto: O que foi prometido está sendo entregue

Em encontros no exterior, presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, passa a mensagem de que existe um plano de reinvenção do país com dinheiro privado

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: O cabo de guerra no PSL

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Situação delicada

Papéis da Boeing caem 7% em NY com notícia de que companhia pode ter “enganado” FAA

De acordo com o periódico, o piloto Mark Forkner teria reclamado que o sistema conhecido como MCAS, na sigla em inglês, o teria deixado em apuros dois anos antes dos acidentes que tiraram a vida de várias pessoas

Boas novas

Ações da Eletrobras sobem após MME dizer que pode encaminhar PL sobre privatização da empresa até início de novembro

De , a proposta do governo federal para a privatização da Eletrobras ainda é a capitalização, com a diluição da participação da União na holding elétrica

nos eua

Reservas são vistas como seguro e não se fala em mudar isso, diz presidente do BC

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil “não é a realidade” e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas

no velho continente

Há ‘sinais leves’ de supervalorização dos mercados, diz presidente do Banco Central Europeu

Draghi destaca ainda que o setor financeiro não bancário da zona do euro continua tomando risco, mas pontua que a resiliência do setor bancário permanece “sólida”

entrevista

‘Huck vai deixar de ser celebridade e ser líder?’, questiona FHC

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) assiste com ceticismo as articulações do apresentador global

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements