Menu
2019-07-21T10:34:10+00:00
AIRBNB

“Não vamos aceitar alegações de concorrência desleal”, diz Leonardo Tristão

No ano passado, o impacto econômico do serviço – que inclui refeições, passeios e outros gastos que os turistas fazem além da hospedagem – foi de R$7,7 bilhões, alta de 92% em relação a 2017

21 de julho de 2019
10:34
Celular acessa o Airbnb
Airbnb: em 2018, a empresa registrou 3,7 milhões de hospedagens no País - Imagem: Shutterstock

Leonardo Tristão é veterano das gigantes de tecnologia no Brasil: já passou pelo Google e liderou o Facebook. Há quatro anos comanda o serviço de turismo Airbnb - foi sob sua batuta que a empresa se tornou, por exemplo, parceira dos Jogos Olímpicos do Rio. Em 2018, a empresa registrou 3,7 milhões de hospedagens no País, alta de 640% na comparação com a temporada do evento esportivo.

No ano passado, o impacto econômico do serviço - que inclui refeições, passeios e outros gastos que os turistas fazem além da hospedagem - foi de R$7,7 bilhões, alta de 92% em relação a 2017.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Na entrevista a seguir, Tristão discute temas como crise econômica, ameaças de regulação e a preparação da empresa para abrir capital. "Não vamos aceitar alegações de concorrência desleal nem de que não pagamos impostos", afirmou.

O sr. ajudou empresas como Google e Facebook a entrar no Brasil. Agora, está há quatro anos no Airbnb. Qual é o balanço?

Quando entrei, o objetivo era colocar o Airbnb no mapa. Sempre acreditei no potencial do brasileiro para experimentar novas tecnologias. Tivemos marcos: nos Jogos Olímpicos, conseguimos que 80 mil pessoas tivessem hospedagem. Os anfitriões entenderam que podiam gerar riquezas com seus imóveis ou quartos fechados. Hoje, 69% dos anfitriões no Brasil dizem que a renda do Airbnb os ajuda a manter o imóvel. Já o turista entendeu que podia viajar, mesmo na crise. Fechamos 2018 com 3,7 milhões de chegadas. Em 2016, foram 500 mil estadias.

O crescimento do Airbnb seria tão grande sem a crise?

É difícil dizer. Sem a crise, haveria mais dinheiro circulando. Por outro lado, em uma pesquisa recente, 27% dos nossos viajantes disseram que não teriam viajado ou não teriam ficado tanto tempo se não fosse a opção do Airbnb.

O que o Brasil representa hoje para o Airbnb?

Não posso revelar números por conta da preparação para a abertura de capital. Mas nesse estudo recente que fizemos, mensuramos que o Airbnb gerou R$ 7,7 bilhões em impacto econômico no País em 2018. É o 13.º lugar entre os 191 países onde estamos. Ao todo, o Airbnb gerou US$ 100 bilhões em impacto no mundo todo. Agora, queremos entender como podemos pulverizar esse impacto pelas cidades do Brasil, além dos grandes destinos turísticos.

Nos últimos tempos, discute-se a regulação do Airbnb, em nível federal e municipal.

A regulamentação não pode olhar o passado, mas sim o futuro. No Brasil, nossa atividade é legal e se enquadra na lei do inquilinato. Cresci com meus pais alugando casas de praia no verão. Qual a diferença de fazer isso pela internet? Ajudamos a organizar e demos escala e segurança para as partes. Tradicionalmente, negócios estabelecidos tentam criar barreiras. Não vamos aceitar alegações de concorrência desleal ou de que não pagamos impostos.

No Brasil, muitos anfitriões optam por colocar seus imóveis na mão de administradores. Isso não vai contra o conceito da plataforma?

Não é ruim. Percebemos que, em muitas casos, as pessoas querem hospedar, mas não têm tempo para fazer a entrega de chaves. Para nós, os empreendedores de acomodação ajudam anfitriões a tornar disponíveis seus espaços. Isso não significa que não exista troca de experiências entre hóspede e anfitrião. É uma evolução natural do negócio.

O que a abertura de capital deve significar para o usuário?

Aqui no Brasil, não há impacto diferenciado. Já vivi isso em outros carnavais e sei que o segredo é continuar tocando o negócio independentemente dos fatores externos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Já sabe quais os melhores investimentos até o fim do ano? Baixe de graça nosso eBook exclusivo com as melhores dicas.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

dinheiro que entra

Arrecadação em julho soma R$ 137,735 bilhões, diz Receita

Valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de julho desde 2011; resultado veio dentro do intervalo de expectativas de especialistas

olho nos números

Prévia da inflação de agosto tem menor taxa para o mês desde 2010

IPCA-15 variou 0,08%; no ano, o índice acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, informa o IBGE

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, […]

será que vai?

Guedes não mostrou proposta de privatização da Petrobras, diz Bolsonaro

Ontem, reportagem disse que o governo quer concluir a venda da estatal até 2022; as ações da Petrobras dispararam

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements