Menu
2019-07-02T18:47:58+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sabatina

Não existe crescimento sustentado sem estabilidade de preços, diz indicada à diretoria do BC

Fernanda Feitosa Nechio também defendeu manutenção do atual nível de reservas internacionais. Indicação foi aprovada por unanimidade na CAE e por 64 votos a 2 no plenário do Senado

2 de julho de 2019
13:02 - atualizado às 18:47
Fernanda Nechio
Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) realiza sabatina da indicada para diretoria do Banco Central, Fernanda Feitosa Nechio - Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado

Indicada para ocupar a diretoria de Assuntos Internacionais do Banco Central (BC), Fernanda Feitosa Nechio, defendeu a manutenção de mandato único para o BC em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

“Não existe crescimento sustentado sem estabilidade de preços”, disse ao responder questionamentos dos senadores.

Fernanda disse não conseguir apontar um país no mundo que tenha se desenvolvido de forma sustentada sem atender à precondição de preços controlados.

A indicação foi aprovada por unanimidade dos senadores da comissão (17 votos a zero). No plenário, ele teve 64 votos contra 2. Assim, formalizadas sua nomeação e posse, Fernanda já deve participar da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), no dia 31 de julho.

Com a chegada de Fernanda, a diretoria colegiada passa a ter duas mulheres, algo inédito até então. Em março de 2018, Ilan Goldfajn indicou Carolina de Assis Barros para a diretoria de Administração. Até sua indicação, a última mulher a participar do Copom tinha sido Maria Celina Arraes, que ficou até 2010.

São recorrentes no Congresso as perguntas e até os projetos de lei que tentam instituir duplo mandato ao BC, somando crescimento econômico ou nível de emprego ao controle de preços e estabilidade financeira.

“O sistema atual é adequado. O país tem histórico recente de hiperinflação e nível de indexação bastante alto. Temos de levar isso em consideração sobre mudança de mandato. É arriscada qualquer mudança no mandato. Mudanças podem ser mal interpretadas e aumentar a incerteza quando à condução da política monetária no Brasil”, afirmou.

Fernanda também explicou que o BC já leva em consideração não só a situação atual da economia, mas também as perspectivas futuras nas suas decisões de política monetária.

Reservas internacionais

Segundo Fernanda, as reservas internacionais são muito importantes como um colchão de segurança contra crises externas. Em momentos de estresse internacional, ela lembrou que o Brasil sofreu menos que outros pares emergentes por ter reservas.

“Vejo a manutenção do nível de reservas como fator muito positivo”, disse, depois de explicar que o custo de carregamento está no menor nível da história.

Sobre o uso de reservas para pagamento de dívida ou para outros fins, Fernanda foi taxativa ao dizer que usar reservas de forma voluntarista para estimular a economia é uma discussão muito arriscada.

“Acho muito arriscado usar reservas de forma voluntarista. Isso abre precedentes para outros possíveis usos no futuro”, disse.

Segundo Fernanda, o uso de reservas pode elevar o nível de incerteza com relação à capacidade de o país honrar seus compromissos. Esse aumento de incerteza dificultaria a tomada de decisões de investimento, reduzindo o crescimento e, por fim, aumentando o endividamento em relação ao PIB.

“Pode ser contraproducente usar reservas para cobrir situações específicas”, explicou.

Ainda sobre o tema, Fernanda disse que não há consenso na literatura econômica sobre o que seria um nível ótimo de reservas. Para ela, dado o tamanho da economia brasileira a relação reservas sobre PIB não é muito diferente de outros países.

Reformas

Fernanda explicou aos senadores que a recuperação da atividade tem sido gradual e a tendência é de que esse movimento continue. Mas ressaltou a importância das reformas micro e macroeconômicas que estão em discussão no Congresso.

“As reformas têm o potencial grande de mudar expectativas. Elas diminuem riscos e incertezas. Os efeitos das reformas podem não ser imediatos, mas as mudanças na percepção com relação ao país e ao futuro da economia afetam decisões de investimento”, explicou.

Compulsórios

Fernanda também disse aos senadores que a manutenção de um nível adequado de compulsório serve como uma medida de segurança para que o sistema financeiro consiga enfrentar crises.

“Dito isso, o BC já anunciou que está em tendência de redução do nível de compulsórios. Ele é elevado, mas não há pronunciamento de prazo ou nível ótimo que vai se alcançar. O BC tem atuado em um esforço de liberalização e simplificação no custo de observação de compulsórios. Tendência é de redução, mas não tem informação sobre objetivos e prazos”, explicou.

Fernanda foi perguntada, mais de uma vez, sobre declaração do ministro Paulo Guedes de que seriam liberados mais R$ 100 bilhões em compulsórios.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Startup no banco dos réus

STJ vai decidir se condomínios podem proibir aluguéis por aplicativos como Airbnb

Tribunal julga recurso para anular uma decisão que proibiu um casal de Porto Alegre de alugar um apartamento por meio do aplicativo Airbnb

Santiago em chamas

Chile põe Exército nas ruas após protestos que deixaram três mortos

Manifestantes saíram às ruas contra o aumento de preço do metrô de Santiago, que passaria do equivalente a US$ 1,12 para US$ 1,16. Ontem, o governo anunciou a suspensão do reajuste

Seu dinheiro no domingo

Bancão X Fintech, um duelo que vi ao vivo

Você pode apostar comprando ou vendendo ações dos bancos e fintechs na bolsa. A batalha está longe de acabar, mas já temos o ganhador, o cliente

Varejo

Compras pela internet devem crescer 18% na Black Friday deste ano

Expectativa para a Black Friday de 2019 no e-commerce é de faturamento acima de R$ 3 bilhões. O dia de promoções no varejo neste ano será em 29 de novembro

Disputa política

Eduardo Bolsonaro publica vídeo com campanhas do PSL que citam presidente

No vídeo, protagonistas da nova crise, como os deputados Delegado Waldir (PSL-GO) e Joice Hasselmann (PSL-SP), pedem votos para si próprios mencionando Bolsonaro

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements