Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-06-25T19:23:22+00:00
Seu Dinheiro na sua noite

Não adianta nem me abandonar

25 de junho de 2019
19:23
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Mistério sempre há de pintar por aí, já diria o analista Gilberto Gil. Eu que não sou nada esotérico acrescentaria que risco sempre há de pintar para quem aplica na bolsa. E há de ser assim para toda classe de investimentos com maior perspectiva de retorno.

Depois que o Ibovespa ultrapassou a marca dos 100 mil pontos e embalou mais duas altas na sequência, parecia que o céu de brigadeiro não iria se dissipar tão cedo. Mas como a renda variável tem essa péssima mania de variar, hoje foi dia de o mercado ver o copo meio vazio.

Não faltaram motivos, é claro. Entre eles, o enrosco na tramitação da reforma da Previdência e a queda nas bolsas lá fora. No pior momento do dia, o Ibovespa chegou a voltar aos 99 mil pontos.

De todo modo, não vejo nenhuma mudança nos fundamentos que levaram a bolsa a atingir o recorde histórico. Se a reforma passar ainda em julho pela Câmara, pavimenta o caminho que já está mais do que traçado para o Banco Central iniciar um novo ciclo de queda de juros. Tudo isso deve dar um novo impulso às ações.

É claro que esse cenário pode mudar a qualquer momento, afinal de contas estamos no Brasil. Por isso é muito importante acompanhar de perto o pulso dos investidores para separar o som do ruído no mercado. O Victor Aguiar fez esse trabalho para você e conta todos os detalhes sobre o “pit stop” que fez a bolsa perder algumas posições hoje.

Deixa para a próxima

O tempo do mercado definitivamente não é o da política. No “calendário Maia”, que é o dos sonhos dos investidores, o relatório do deputado Samuel Moreira seria votado ainda nesta semana na comissão especial da reforma da Previdência. Cada dia é importante porque a grande expectativa é que o texto seja votado (e aprovado) no plenário da Câmara antes do recesso parlamentar. Só que no calendário da política tudo indica que os líderes partidários vão estender um pouco mais o prazo de discussão na comissão, como você confere nesta matéria.

Um ano em cinco meses

Não é só a bolsa que vem batendo recordes. O Tesouro Direto está mesmo caindo nas graças da população brasileira (ainda bem!) e já acumula várias marcas neste ano. Nos primeiros cinco meses, os títulos públicos se tornaram opção para 248 mil novos investidores. Para você ter uma ideia, esse número já supera o de 2018 inteiro. O Edu Campos fez uma análise sobre esses dados e traz os motivos por trás do “boom” do Tesouro Direto.

O gás na economia

A equipe econômica de Jair Bolsonaro parece mesmo empenhada em colocar para baixo o preço do gás. Hoje, por exemplo, o governo anunciou que pretende transferir até R$ 6 bilhões por ano aos Estados que privatizarem e abrirem seus setores de distribuição de gás. O projeto tem potencial, afinal de contas muito Estado por aí precisa de uma graninha extra para sair do buraco. Os detalhes da medida você confere neste link.

Se intervir, vai dar ruim

Basicamente foi essa a mensagem que o presidente do Federal Reserve (o BC norte-americano), Jerome Powell, quis passar nesta terça-feira sobre as pressões que vem sofrendo para cortar os juros por lá. Ele defendeu mais uma vez a autonomia da instituição para tomar seus próprios rumos, sem influência política. Essa é uma clara alfinetada a Donald Trump, que tem cada vez mais criticado a atuação do Fed no que diz respeito à política monetária.

Uma nova chance

Roberto Campos já dizia que o Brasil não perde uma oportunidade de perder oportunidades. Com mais um ano fraco para a economia brasileira, devemos completar uma nova década perdida. Mas não escrevo isso para você ficar pessimista, pelo contrário. Lembra daquele Cristo Redentor decolando na capa da The Economist? A imagem representou o país que poderia dar certo. Para o nosso colunista Felipe Miranda, a revista pode reeditar a capa porque estamos diante de uma nova chance de decolagem. Recomendo a leitura!

Cortando na carne bilionária

Essa proposta gerou polêmica nas eleições brasileiras e agora está ganhando corpo, quem diria, em solo norte-americano. A taxação de grandes fortunas pode ser algo defendido por muitos e efetivado por poucos, mas o fato é que ela se tornou uma das grandes apostas nos Estados Unidos para combater a desigualdade de renda e promover o “sonho americano”. Você pode até não acreditar, mas tem muito bilionário por lá defendendo taxas sobre seus próprios patrimônios. Saiba quem nesta matéria.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Sopa de letrinhas

Entenda como funciona o rating, a nota de crédito dos países e das empresas

A avaliação sobre a capacidade financeira de países e empresas de uma maneira padronizada serve para que os investidores conheçam o nível de risco a que estão se expondo na hora de comprar títulos de dívida. Eu conto para você o conceito que está por trás dessas notas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements