Menu
2019-06-14T18:21:13+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Inabalável

Moro segue como personalidade com melhor avaliação no governo

Pesquisa também mostra que aprovação de Bolsonaro parou de cair e que 52% da população concorda total ou parcialmente com uma reforma da Previdência. Também sabemos se centrão virou palavrão

14 de junho de 2019
18:21
19/02/2019 Solenidade de encaminhamento do Projeto de Lei Anticr
(Brasília - DF, 19/02/2019) Ministro de Estado da Segurança Pública, Sérgio Moro. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

A rodada de junho da pesquisa XP Ipespe trouxe boas notícias para Jair Bolsonaro e seus dois principais ministros. O presidente parou de ver sua aprovação cair. O vazamento de mensagens trocadas com procuradores da Lava Jato não afetou a imagem de Sergio Moro. E a maioria da população passou a se dizer favorável à reforma da Previdência, o que deve agradar Paulo Guedes.

Começando pelo caso envolvendo Sergio Moro, 77% da população diz ter tomado conhecimento do episódio. E para cerca de metade dos entrevistados (47%), o evento não altera a percepção sobre a Operação Lava Jato. Para 31%, o evento pode alterar a percepção para pior e para 11%, pode alterar para melhor.

Para 44%, a Lava Jato não cometeu excessos em sua atuação até aqui. Outros 14% viram excessos, mas acham que o resultado “valeu a pena”, e 30% avaliam que houve excessos e que, por isso, decisões precisariam ser revistas.

A revelação das mensagens trocadas entre o então juiz da Lava Jato e membros do Ministério Público não resultou em variação significativa na avaliação da população sobre o agora ministro Sergio Moro.

A nota de Moro é de 6,2 dentro de uma escala de zero a 10. Jair Bolsonaro, por exemplo, tem nota 5,7. Paulo Guedes e o vice Mourão têm 5,5.

Bolsonaro

Em maio, Jair Bolsonaro amargou o quarto mês seguido de queda no índice de aprovação, com o percentual de ruim e péssimo ultrapassando o ótimo/bom. Agora em junho, há estabilidade nas notas, que estão empatadas. Temos 35% de ruim e péssimo e 34% de ótimo e bom. Para 28% a nota é regular.

A expectativa para o restante do mantado também mostrou pouca variação. Para 46% será ótimo ou bom, 30% dizem que será ruim ou péssimo e 19% acreditam que será regular.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Previdência

A novidade está na opinião com relação à reforma, com 52% se dizendo a favor, em comparação com 44% da sondagem anterior. Os contrários são 42%, ante 51% em maio.

Abrindo os números, temos 26% de “é a favor e concorda totalmente” e outros 26% de “é a favor, mesmo sem concordar totalmente”.

Entre os contrários, temos 15% de “é contra, mesmo achando que é necessária” e outros 27% de “é contra e discorda totalmente”.

 

A percepção com relação à aprovação soma 79%, dividida entre um pequeno grupo (11%) que fala que a reforma será aprovada integralmente, 47% que dizem que será aprovada com algumas alterações e outros 20% que acreditam na aprovação com muitas alterações.

 

Outra pergunta interesse diz respeito à participação de Estados e municípios na reforma, tema que tomou boa parte do noticiário político da semana e ainda não teve um desfecho. Para 80%, a reforma deve incluir os entes federados, 13% acham que não e os demais não opinaram.

E o centrão? Virou palavrão?

O questionário do mês também trouxe a seguinte pergunta: “Conhece ou ouviu falar sobre os partidos do centrão?” Resposta: 52% dizem que não e 48% dizem que sim.

O centrão figura muito no noticiário político como um bloco de partidos fisiológicos e adeptos do famigerado “toma lá, dá cá”.

Nas últimas semanas há uma movimentação dos próprios políticos para se distanciar dessa imagem negativa.

Mas o centrão virou palavrão? Para 32% sim. Outros 47% discordam dessa avaliação.

Perguntados em quais partidos pensam quando se fala em centrão, há uma interessante divisão com 36% a 28% das menções incluindo MDB, DEM, PSDB, PSB, PL, PSD, PP e PRB. O PSL do presidente Bolsonaro tem 25% das menções o mesmo atribuído (vejam só) ao partido Novo. PT aparece com 21% e PSOL com 20%.

O desempenho desse centrão no Congresso ganhou 10% de ótimo, 40% de regular, 29% de ruim ou péssimo e 22% não opinaram.

Foram realizadas mil entrevistas telefônicas entre os dias 11 e 13 de junho. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Novo comando

Gustavo Montezano é indicado para lugar de Levy no BNDES

Atual secretário-adjunto da Secretaria de Desestatização, Montezano já foi sócio do Banco Pactual. Ministério da Economia agradece dedicação de Levy

Xi...

Odebrecht pede recuperação judicial nesta segunda-feira

Não estão incluídas as seguintes sociedades: Braskem S.A., Odebrecht Engenharia e Construção S.A., Ocyan S.A., OR S.A., Odebrecht Transport S.A., Enseada Industria Naval S.A. (em conjunto denominadas “Negócios”), assim como alguns ativos operacionais na América Latina e suas respectivas subsidiárias, além de outros nomes

Câmbio

Banco Central anuncia rolagem de linha de dólar na terça e quarta-feira

Serão ofertados até US$ 2 bilhões por dia visando rolar US$ 3,375 bilhões que venceriam no começo de julho

De olho na Previdência

Onyx: “relatório da reforma vai permitir país incluir palavrinha previsibilidade”

“O Brasil estará equilibrado pelos próximos 10 anos ou 15 anos”, acrescentou Lorenzoni, apesar de Guedes ter dito na semana passada que, com o texto de Moreira, o próximo governo já teria de fazer outra reforma

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia função de investimento de trocados em CDB

Função que começa a ser implantada neste mês permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements