Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esquenta dos mercados

Mercados: pessimismo depois da fala de Trump sobre China

No Brasil, investidores também têm expectativas hoje sobre o projeto da cessão onerosa da Petrobras: será que deslancha ou não?

27 de novembro de 2018
7:24 - atualizado às 10:10
Paulo Guedes já discute com o Tribunal de Contas da União a assinatura da revisão da cessão onerosa - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! Às vésperas do encontro com o presidente da China, Xi Jinping, o presidente americano, Donald Trump voltou a ameaçar o país oriental com tarifas ontem à noite, colocando em dúvida um acordo. Isso pesou nos índices futuros de Nova York, no petróleo e no minério de ferro. Outra expectativa lá fora é a fala do vice-presidente do banco central dos EUA (FED, Richard Clarida, que pode confirmar aperto do juro. Aqui, o BC agiu rápido contra a alta do dólar que atinge os emergentes, enquanto o futuro ministro da economia, Paulo Guedes tenta uma saída para a cessão onerosa.

Trump

O risco de desaceleração global assusta e promove corrida ao hedge, que aumenta o suspense para a fala de Powell, amanhã, na esperança de que sinalize para a interrupção no ciclo de aperto do juro. Hoje, há o discurso do vice, Richard Clarida (11h30),

Ontem, comentários de Trump ao Wall Street Jorunal resgataram o risco de escalada protecionista, às vésperas do G‐20. Ele disse que espera avançar com tarifas de 10% ou 25% para bens chineses e considerou “altamente improvável” aceitar um pedido do governo de Pequim para adiar o aumento das tarifas já impostas à China. Na próxima sexta-feira, Donald Trump encontra‐se com Xi Jinping na cúpula do G‐20, em Buenos Aires.

Onerosa

O PLC 78/2018 (que autoriza a Petrobras a transferir até 70% dos direitos de exploração de petróleo do pré-sal na área cedida onerosamente pela União para outras petroleiras) está na pauta do Senado, em sessão marcada para as 14h, mas a votação pode ser adiada mais uma vez, porque o presidente do Congresso, Rodrigo Maia, botou areia no acordo fechado por o presidente do Senado, Eunício Oliveira, Guedes e os governadores. Descontente com o presidente eleito Jair Bolsonaro, que não apoia sua reeleição à Presidência da Câmara, ele não deve levar ao plenário o PLS 209/2015, que destina recursos do pré‐sal ao Fundo Social e viabiliza o repasse a Estados e municípios (e faz parte dos acordo com os governadores).

Para driblar essa possível derrota no Congresso, Paulo Guedes já discute com o Tribunal de Contas da União a assinatura da revisão da cessão onerosa sem precisar da aprovação do projeto de lei que tramita no Senado, apurou o Estadão.

Guedes já teve uma primeira conversa com o TCU e isso parece ser possível. Volta hoje a tratar do assunto. O acordo da União com a Petrobras é fundamental para viabilizar o megaleilão do óleo excedente das áreas da cessão onerosa, que poderá render R$ 100 bilhões, recursos que serão usados para o ajuste fiscal em 2019. A avaliação é de que a mudança na lei não é necessária para a revisão do contrato.

Riscos

Entende‐se agora que, se o TCU der o aval, mesmo sem a aprovação do PLC 78, o problema estará resolvido. Com o acordo assinado, o leilão dos excedentes da cessão onerosa poderá ser marcado para 2019, e o projeto de lei ficaria para a próxima legislatura, quando o Senado deverá ser mais favorável ao novo governo.

Outra possibilidade, a edição de Medida Provisória para prever a partilha dos recursos, encontra resistência da atual equipe econômica, que é contra o repasse do dinheiro sem a contrapartida de ajuste fiscal dos Estados.

Para acontecer em 2019, o leilão precisa ser aprovado no dia 17 de dezembro, para quando está marcada a última reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). Se passar desse prazo, pode ficar para 2020.

Novos nomes

Bolsonaro volta hoje à Brasília para novas reuniões com a equipe de transição e, possivelmente, bater o martelo dos últimos integrantes do seu Ministério. A maior expectativa é para o anúncio do futuro ministro das Minas e Energia, que tem um novo cotado, o economista Luciano de Castro, diante da resistência a outros nomes na disputa pela pasta. Estão menores as chances de Paulo Pedrosa (ex‐executivo do MME) e de Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Também pode ser definida a pasta da infraestrutura, que deve ficar com o general Joaquim Brandão, segundo informou o vice-presidente, general Hamilton Mourão.

Previdência

Um dos postos‐chave do governo, a secretaria‐executiva da Casa Civil, número dois na hierarquia do ministério, deverá ser ocupada pelo economista Abraham Weintraub, segundo apurou o Broadcast. Ele foi apresentado por Onyx Lorenzoni, futuro ministro da Casa Civil, a Paulo Guedes para elaborar um plano para a Previdência junto com seu irmão, Arthur Weintraub, e a ideia é que ajude na articulação política para aprovar a reforma, que não será a dele. Entre as propostas em estudo pela equipe de transição, a que deverá ter maior aproveitamento é a elaborada por
Armínio Fraga e Paulo Tafner, segundo informação obtida pela jornalista Adriana Fernandes.

Leilão do BC

Rápido no gatilho, o Banco Central só esperou o mercado fechar e já atendeu ao desejo do investidor, chamando os dois leilões de linha, com oferta total de US$ 2 bilhões, para estancar a alta do dólar. A resposta imediata à escalada do dólar tende a ser recebida com alívio pelo mercado, neste momento em que pressões de todos os lados coincidem para justificar o rompimento dos R$ 3,92, no pico em quase dois meses.

Em comunicado, o BC disse que irá “prover liquidez, como é normal nesta época do ano". Além do efeito calendário, com antecipação de remessas de fim de ano, entram na conta do estresse a alta em escala global, o impacto da turbulência do petróleo sobre os emergentes e o grave quadro fiscal do País.

Wall Street

A Cyber Monday foi de recuperação para as bolsas americanas. As vendas online sustentaram as gigantes de tecnologia (a Amazon, por exemplo, teve valorização de 5,28%) e o setor de energia pegou impulso com o petróleo. O índice Dow Jones fechou em alta de 1,46%, o S&P 500 subiu 1,55% e o Nasdaq ganhou 2,06%

 

 

 

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
dia 51

Reconhecendo o erro

Bolsonaro entregou PEC da Previdência ao Congresso e disse que errou ao se contrário à reforma quando era deputado

Limite saudável

Para Arminio Fraga, qualquer economia menor do que a proposta por Bolsonaro sobre a Previdência é preocupante

Em declarações sobre o projeto apresentado hoje, o ex-presidente do BC destacou como positiva a economia prevista para os cofres públicos

Tem que manter isso aí

Guedes defende que negociações envolvendo a reforma respeitem a marca de R$ 1 trilhão de economia para o governo

Ministro alertou que, caso a Previdência seja desidratada a ponto de trazer uma economia menor que essa, o Brasil não conseguirá “escapar da armadilha”

Previdência

Com reforma apresentada, grande questão é qual será a diluição

Executivo enviou proposta abrangente com previsão de economia de R$ 1,1 trilhão. Mas quanto disso sobreviverá às negociações no Congresso?

Balanço

Acabou a faxina? Veja como os analistas reagiram a (mais um) prejuízo da Via Varejo

Ações da rede dona das Casas Bahia e Ponto Frio reagem em queda moderada ao prejuízo de R$ 279 milhões no quarto trimestre do ano passado. Projeções da empresa para este ano ajudam a sustentar algum otimismo

DE OLHO NO GRÁFICO

Aprenda a usar os gráficos

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Repercussão do projeto

Como a classe política reagiu à proposta de reforma da Previdência entregue por Bolsonaro

Enquanto a oposição fez barulho e emplacou uma hashtag no Twitter contra a reforma, líderes do Congresso já citam pequenas mudanças no projeto

O escolhido de Bolsonaro

Novo líder do governo no Senado é alvo de 5 inquéritos judiciais

Entre as acusações, Fernando Bezerra é suspeito de ter de recebido R$ 2 milhões de empreiteiras por obras no Porto de Suape, em Pernambuco

Reforma da Previdência

Líder do MDB diz que reforma será aprovada até 15 de julho

Proposta da reforma da Previdência foi entregue nesta quarta-feira (20/2) aos deputados. O texto precisa de 308 votos para ser aprovado

Fluxo cambial

Dólares continuam entrando no mercado brasileiro

Dados do Banco Central mostram que, depois dos US$ 55 milhões em entradas líquidas em janeiro, o País registra fluxo positivo de US$ 6,626 bilhões até 15 de fevereiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu