Menu
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Esquenta dos mercados

Mercados devem superar decepção com Bolsonaro e se reanimar com Datafolha

Investidores devem continuar escolhendo acreditar em Bolsonaro que, mesmo menos liberal, ainda é considerado melhor que a volta do PT; candidato do PSL tem 58% das intenções de voto no segundo turno

11 de outubro de 2018
7:49 - atualizado às 7:57
Vantagem de 16 pontos nas intenções de voto em Bolsonaro devem agradar ao mercado - Imagem: Seu Dinheiro

A pesquisa Datafolha de ontem deve dar novo ânimo aos mercados locais nesta quinta-feira, apesar da decepção dos investidores ontem com declarações pouco liberais do seu candidato preferido, Jair Bolsonaro.

O levantamento mostrou Bolsonaro com 16 pontos de vantagem nas intenções de voto para o segundo turno, com 58%, contra 42% de Haddad.

Como resultado, o EWZ, principal índice de fundos do Brasil em Nova York, e os ADR (recibos de ações) brasileiros se recuperaram no exterior, sinalizando que hoje a bolsa deve abrir em alta.

O recibo de Petrobras, que encerrou o pregão regular da bolsa de Nova York em queda de 6%, subiu 3% no after hours, e o de Eletrobrás, que despencou ontem, recuperou parte da perda, com alta de 1,61%.

O que rolou ontem

A quarta-feira foi de desapontamento nos mercados locais, depois que Bolsonaro deu entrevista falando em reforma da Previdência mais branda e descartando a privatização de ativos de geração de energia e do "miolo" da Petrobras.

Essa fala pouco liberal derrubou a bolsa e fez o dólar e os juros futuros dispararem. As ações de estatais apanharam, notadamente as da Eletrobrás. O Ibovespa fechou em queda de 2,80%, aos 83.679 pontos, e o dólar subiu 1,28%, para R$ 3,7631.

Pesou também o fato de que o candidato foi proibido de comparecer a debates. Bolsonaro, no entanto, acredita que conseguirá participar dos dois últimos debates do segundo turno, o da "Record", no dia 21, e o da "Globo", no dia 26.

As perdas de ontem foram agravadas pelas fortes quedas nas bolsas do exterior por conta de uma maior expectativa de que o Fed, o banco central americano, precise fazer um aperto monetário maior que o previsto em razão da forte recuperação da economia americana. Dois bancos elevaram suas perspectivas para crescimento do PIB dos EUA.

Os mercados internacionais também foram afetados pelo temor com a guerra comercial com a China, e as perspectivas do FMI de um crescimento mundial menor.

Por aqui, alguns traders quiseram minimizar o peso das declarações de Bolsonaro para o desempenho dos mercados locais, atribuindo-o mais ao cenário exterior.

Mas as maiores quedas lá fora só ocorreram na parte da tarde, enquanto aqui a bolsa já abriu em baixa. Tanto que, no after hours, após o Datafolha, os ativos brasileiros lá fora passaram a se recuperar, enquanto os mercados em Nova York continuavam negativos. Sinal de que a corrida eleitoral ainda está ditando as regras por aqui.

De qualquer forma, o mercado deve continuar escolhendo acreditar em Bolsonaro, por entender que um novo governo do PT seria muito pior para a economia e as empresas brasileiras. Algo como "antes um Bolsonaro menos liberal do que o PT".

Entrevista na Record

Ontem à noite, Bolsonaro voltou a descartar uma onda privatista no seu governo em nova entrevista, desta vez à "Record". Disse que não vai privatizar o setor elétrico, o Banco do Brasil e a Caixa, e repetiu que o "miolo" da Petrobras será preservado, admitindo a possibilidade de privatizar apenas a parte de refino.

Também disse que seu guru econômico Paulo Guedes, cotado para ser ministro da Fazenda em um eventual governo seu, "terá carta branca, mas só bate o martelo depois de falar comigo".

Falou, ainda, que Guedes reconhece que "muita coisa tem dificuldade de passar pelo Parlamento", mas que as reformas estão quase todas com "sinal verde" e serão apresentadas em janeiro.

O candidato voltou a dizer que pediu a Guedes um "dólar compatível e uma taxa de juros o menor possível", junto com a desregulamentação e desburocratização da economia, para "tirar o Estado do cangote de quem produz". Outro compromisso fechado com a equipe econômica é não aumentar impostos e reduzi-los para empresas.

Hoje tem CPI nos Estados Unidos

No Brasil, teremos a divulgação das vendas no varejo ampliado (incluem veículos e material de construção), às 9h, que podem subir 2,1% em agosto frente a uma queda de 0,4% em julho, de acordo com a mediana da pesquisa do Broadcast, do "Estadão".

Também serão divulgadas as vendas no varejo restrito, mas o mercado está dividido entre queda de 0,7% e alta de 1,6% (mediana de alta de 0,1%).

Às 9h ainda teremos divulgação da safra agrícola de setembro e, às 10h, o relatório Prisma fiscal.

Nos Estados Unidos, será divulgado o CPI (inflação ao consumidor), às 9h30. Não é o dado mais olhado pelo Fed, mas ganha máxima importância neste momento em que o risco de uma aceleração das altas de juros pesa nos mercados de Nova York.

A previsão é de que o núcleo do índice suba de 0,1% em agosto para 0,2% em setembro, pressionado pelo petróleo nas máximas em quase quatro anos.

Às 9h30 saem também os números de auxílio-desemprego, com estimativa de alta de mil pedidos.

Na zona do euro, o Banco Central Europeu (BCE) divulga a ata da reunião de política monetária de setembro às 8h30.

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu