Menu
2019-07-02T13:58:09+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
boas do setor

Mercado de veículos novos cresce 10,5% em junho

Comparação é feita com mesmo mês do ano passado; no fechamento do primeiro semestre, o mercado somou 1,308 milhão de emplacamentos, o maior nível para o período desde 2015

2 de julho de 2019
12:28 - atualizado às 13:58
Carros em concessionária
Carros - Imagem: Shutterstock

O mercado de veículos novos cresceu 10,5% em junho ante igual mês do ano passado, para 223,2 mil unidades, informou nesta terça-feira, 2, a Fenabrave. Os dados são do balanço feito pela federação, que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Na comparação com maio, no entanto, as vendas caíram 9%, em razão da diferença de dias úteis, com dois a mais para maio.

Segundo o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr, o crescimento foi impulsionado principalmente pelas vendas para clientes corporativos. Ele diz que as chamadas vendas diretas, voltadas para empresas, cresceram 23,59% na primeira metade de 2019 ante igual período do ano passado, enquanto as vendas para o consumidor pessoa física subiram 2,15%.

"É um fenômeno atípico, de maior desequilíbrio, e as prováveis razões são a instabilidade política e na economia, com reformas ainda não aprovadas, queda do PIB e alto índice de desemprego", acrescentou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No fechamento do primeiro semestre, o mercado somou 1,308 milhão de emplacamentos, o maior nível para o período desde 2015, primeiro ano da retração do PIB durante a crise a econômica. O resultado representa crescimento de 12,1% em relação à primeira metade do ano passado.

Segmentos

Na categoria de veículos leves, que soma os segmentos de automóveis e comerciais, as vendas cresceram 9,4% em junho ante igual mês do ano passado, para 213,4 mil unidades.

O volume, se comparado a maio, significa recuo de 8,8%. No acumulado do ano, as vendas sobem 10,8% em relação a igual período do ano passado, para 1,248 milhão de unidades.

Entre os veículos pesados, os caminhões tiveram crescimento de 36,2% em junho ante igual mês do passado, com o emplacamento de 7,8 mil unidades. O número equivale a um recuo de 15,1% na comparação com maio. De janeiro a junho, foram 46,8 mil licenciamentos, avanço de 44,9% sobre o resultado de igual intervalo de 2018.

No caso dos ônibus, o mercado emplacou 1,9 mil unidades em junho, alta de 63,5% sobre junho do ano passado, mas baixa de 5,9% em relação a maio. De janeiro a junho, foram vendidas 12,4 mil unidades, expansão de 71,3% na comparação com a primeira metade do ano passado.

Corte na projeção

A Fenabrave cortou a previsão para o mercado de veículos novos em 2019, de crescimento de 11,1% para alta de 8,4%. O volume estimado cai de 2,852 milhões de unidades para 2,781 milhões de unidades, em conta que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Alarico Assumpção Jr. diz que o corte na projeção é influenciado no índice de confiança do consumidor e pelo alto nível de desemprego, num momento de revisão para baixo nas projeções para o crescimento do PIB em 2019. A previsão da Fenabrave para o avanço d PIB deste ano caiu de 2% para 0,9%.

O segmento que mais contribuiu para a revisão da projeção foi o de automóveis. Para esta categoria, a estimativa de crescimento foi reduzida de 10,3% para 7,5%. Entre os caminhões, a projeção de expansão foi elevada, de 15,4% para 17,6%.

Para os ônibus, a estimativa é de avanço de 19%, para 22,7 mil unidades. Para os comerciais leves, o crescimento previsto é de 10,9%, para 409,2 mil unidades.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

a bula do mercado

Ativos preparam-se para encerrar semana no azul

Confusão sobre fala de presidente do Fed de NY pode induzir a ajustes

Na expectativa

Modelo de capitalização da Eletrobras será apresentado até agosto

Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a privatização de holdings, caso da Eletrobras, precisa passar pelo Congresso

Temporada de balanços

O que esperar para o lucro dos grandes bancos no segundo trimestre?

O resultado combinado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco ou Santander Brasil deve atingir R$ 20,9 bilhões no segundo trimestre, um avanço de 17,6%. Parece um filme repetido, mas a história pode reservar surpresas. Saiba o que esperar dos balanços

Vem que vem!

Banco N26, o “Nubank alemão”, levanta mais US$ 170 mi e diz que o seu próximo destino pode ser o Brasil

Com isso, ele elevou o seu valor de mercado para US$ 3,5 milhões e passou a figurar entre as startups europeias mais valiosas e entre as dez principais fintechs do mundo

De volta para o dono

Lava Jato recupera mais R$ 67 mi no exterior

Os valores foram transferidos para contas judiciais vinculadas ao processo e integram os mais de R$ 13 bilhões que são alvo de recuperação pela Lava Jato ao longo de cinco anos de operação, destaca a Procuradoria

Seu Dinheiro na sua noite

O herói improvável

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements