Menu
2019-04-05T14:22:23+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reforma da Previdência

Cadê o Paulo Guedes? O posto Ipiranga sumiu do mapa

Ministro da Economia não deu uma palavra no dia mais relevante de sua gestão até o momento

15 de fevereiro de 2019
5:34 - atualizado às 14:22
mca_abr_0611186829
Ministro da Economista Paulo Guedes. - Imagem: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Depois de 45 dias de mandato e mais de três meses após a eleição, o governo Jair Bolsonaro tomou a decisão mais importante do governo. Fechou o texto base da reforma da Previdência, medida de “salvação nacional”, e onde estava o ministro da Economia, Paulo Guedes?

O homem mais importante no núcleo econômico do governo, que veio para dar um choque liberal em uma economia de bases arcaicas, não deu uma palavra sobre o tema, não emitiu uma nota oficial. Escapou dos jornalistas no Palácio da Alvorada, Procuradoria-Geral da República e Ministério da Economia e embarcou, em silêncio, para o Rio de Janeiro.

Depois de uma reunião no Alvorada, o escalado para dar uma palinha da reforma, depois de vazamentos e falsas “batidas de martelo”, foi o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho. Que com sua calma habitual contornou a ansiedade dos repórteres, que insistentemente perguntavam da idade mínima, para dizer o pouco que foi autorizado a dizer.

Não que a figura do secretário não seja relevante, mas tendo em vista a montanha de expectativas que rondavam o tema e a importância vital dessa reforma, seria de bom tom que Paulo Guedes desse a “boa nova”.

Aliás, Guedes ainda não concedeu nenhuma entrevista coletiva desde que passou a comandar o Ministério da Economia, maior estrutura da Esplanada dos Ministérios, com a fusão de Fazenda, Planejamento, Industria e Comércio e outros órgãos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A batalha da comunicação

Tenho insistido que até mais importante que conquistar votos no Congresso, ou se serão 62 anos para mulheres ou 65 anos para homens, é ganhar a “batalha da comunicação”. É não deixar que corporações públicas e outros atores se organizem e façam “memes”, vídeos e campanhas usando a figura do pobre como escudo contra a perda de privilégios e "direitos adquiridos".

Ao menos não estou sozinho nisso, em entrevista ao “Estadão”, o ex-ministro Nelson Jobim afirmou que o verdadeiro foco de resistência à reforma está nas corporações do serviço público, como o Judiciário e o Ministério Público. Aliás, já vimos ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) falando em limite às reformas.

Guedes e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), parecem ter bastante ciência disso, pois já fizeram duras críticas às corporações e às “fake news” sobre o tema. Mas perderam uma grande oportunidade de explicar de forma clara para a população o que se pretende com esse 62/65 e 12 anos de transição.

Usando um termo de mercado, Guedes perdeu a chance de se "alavancar" com custo zero nessa batalha que tem de ser travada diuturnamente, pois teria todos os holofotes sobre ele e suas boas frases e comparações.

Mas enfim, no lado prático da coisa a primeira leitura do mercado foi bastante positiva, com o Ibovespa disparando minutos depois do anúncio para fechar ao redor das máximas do dia, acima dos 98 mil pontos.

As questões em aberto são muitas e até o dia 20 certamente teremos “vazamentos”, “balões de ensaio”, notícias de que essas idades não passam “nem a pau” no Congresso e todo tipo de ruído que informações incompletas podem gerar. O caminho será tortuoso com reflexo imediato nas cotações dos ativos financeiros.

Enquanto isso, ficamos no aguardo de Paulo Guedes e não dá nem para usar o famoso bordão “pergunta lá no posto Ipiranga”, porque ele é o referido posto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Próximos passos

Banco dos BRICS quer trabalhar com mais empréstimos em moedas locais

NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul

Trato feito

Grupo Prumo e Siemens AG assinam acordo de cooperação em projetos de energia

Assinatura ocorreu durante a reunião do BRICs, em cerimônia que contou com a presença dos principais executivos das companhias envolvidas

Ficou difícil

Negociação EUA-China trava por questão de compras agrícolas, dizem fontes

Impasse sobre agricultura cria outro obstáculo no caso, conforme Pequim e Washington tentam fechar a fase 1 do acordo

Mantendo relações

Bolsonaro confirma viagem à Índia em janeiro de 2020

Mais cedo, presidente teve reunião com o presidente da China, Xi Jinping, para a assinatura de acordos bilaterais

Hora de comprar

Quer uma ação com potencial de alta de 20%? o J.P. Morgan recomenda a Totvs

Apesar de as ações ON da Totvs já acumularem ganhos de mais de 125% em 2019, o J.P. Morgan ainda vê espaço para valorização nos papéis até o ano que vem

Reação do mercado

C&A frustra expectativas em primeiro balanço após IPO e ações caem forte

Um dos pontos que chamaram a atenção no balanço da companhia foi o fato de que o lucro líquido fechou o terceiro trimestre com queda de 40,5%, ante o mesmo período de 2018, assim como o fato de que a companhia perdeu poder competitivo e houve desaceleração das vendas nas mesmas lojas

Tribunal da concorrência

Cade vai revisar compra da Fox pela Disney, já que Fox Sports não foi vendida

Em sua sentença, o tribunal concorrencial condicionou a aprovação do negócio à venda do canal Fox Sports, o que não ocorreu até agora

Dá-lhe recuperação

Lucro das três maiores estatais brasileiras no ano até setembro atinge o maior valor em 26 anos

Resultado de R$ 52,065 bilhões em 2019 é 53% superior ao acumulado no mesmo período de 2018, de R$ 33,966 bilhões

Entrando dólares

Fluxo cambial total em novembro até dia 8 é positivo em US$ 256 milhões

Resultado inicia o mês positivo depois de encerrar outubro com saídas líquidas de US$ 8,494 bilhões

Precisa melhorar isso aí

Em reunião em Brasília, representantes dos BRICS dizem que cooperação do grupo está aquém do potencial

Grupo realiza nesta quarta-feira uma série de encontros e debates em Brasília para decidir os seus próximos passos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements