Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Projeções para 2019

Maior lucro do Banco Central pode dar aquele ‘empurrãozinho’ para o governo buscar a regra de ouro

Projeção oficial do Tesouro para o ano que vem é de um rombo de R$ 260,5 bilhões na famosa conta

22 de novembro de 2018
20:02 - atualizado às 20:33
Planejamento estima que terá um colchão de R$ 151,3 bilhões em fontes de recursos para reduzir o rombo - Imagem: Shutterstock

Apesar de esperar um novo rombo fiscal em 2019, o governo estima que chegará um pouco mais perto da chamada "regra de ouro" do Orçamento. Essa métrica impede a emissão de títulos da dívida para bancar despesas correntes como salários. Segundo o Ministério do Planejamento, o déficit será de R$ 109,2 bilhões.

Mesmo com um déficit menor, o governo precisará de uma autorização do Congresso Nacional para aprovar um crédito suplementar maior, de R$ 258,2 bilhões. Segundo o Planejamento, essa conta leva em consideração uma exigência da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019.

Despesas com benefícios previdenciários, assistenciais e com o Bolsa Família foram parcialmente condicionadas à aprovação do crédito porque essa é a única maneira de permitir que gastos correntes sejam bancados com emissão de dívida. Sem isso, haveria violação da norma prevista na Constituição, o que seria crime de responsabilidade, passível de impeachment.

A projeção oficial do Tesouro é de um rombo de R$ 260,5 bilhões na regra de ouro no ano que vem. A necessidade efetiva, porém, caiu graças principalmente ao uso do lucro do Banco Central obtido no primeiro semestre deste ano. O Planejamento estima que terá um colchão de R$ 151,3 bilhões em fontes de recursos para reduzir a insuficiência na regra de ouro em 2019.

Para este ano, as medidas adotadas pelo governo levarão a uma margem de R$ 12,5 bilhões em relação à norma constitucional. Entre as iniciativas que colaboraram para sanar o rombo que havia para 2018 estão a devolução antecipada de recursos pelo BNDES e o saque de recursos do Fundo Soberano.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Para reduzir dívida

Casino fecha venda de 26 hipermercados e supermercados

Negócio é avaliado em 501 milhões de euros (US$ 569,2 milhões); pelo acordo assinado com a Fortress, o Casino receberá cerca de 392 milhões de euros no primeiro semestre do ano

Em dezembro

Indústria e varejo da China superam expectativas, mas avanço do PIB é o menor em 28 anos

Produção industrial chinesa subiu 5,7% em dezembro na comparação anual; analistas previam uma desaceleração, com ganho de 5,3%

Caso Queiroz

Flávio Bolsonaro reclama que não teve oportunidade de esclarecer movimentações

Nas entrevistas, o senador eleito afirmou que o pagamento de R$ 1.016.839 milhão de um título da Caixa Econômica Federal, registrado pelo Coaf como movimentação atípica, é referente ao valor da quitação da dívida de um apartamento

Dívida corporativa

Por que as debêntures devem ser as estrelas do investimento em renda fixa em 2019

Esse fenômeno já começou. Em 2018, as captações de recursos pelas empresas brasileiras diretamente de investidores no mercado de capitais atingiram quase R$ 200 bilhões, um crescimento de 19% e praticamente o dobro de 2016. Confira o que faz as perspectivas para este ano serem ainda melhores.

Renda fixa

O que você precisa saber antes de investir em uma emissão de debêntures

Investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa. Mas como tudo no mundo dos investimentos, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos

A Bula do Mercado

Mercado entre China e Davos

PIB da China abre semana marcada por expectativa pela participação do governo Bolsonaro em Davos

Desânimo

Para JP Morgan, aumentou a chance de recessão nos EUA nos próximos 12 meses

Banco projeta uma probabilidade de 42,9% de contração na economia americana, contra uma projeção anterior de 40,8%

Indústria automobilística

Sindicato reage à ameaça de saída da GM do país, e montadora marca reunião com trabalhadores

Presidente da montadora para a América do Sul havia divulgado comunicado dizendo que “investimentos e o futuro” do grupo no país dependiam de volta da lucratividade em 2019

Sufoco

Empresas de alimentos concentram maior débito entre as mais endividadas

BRF, Marfrig e JBS tentam reduzir endividamento; siderúrgicas e outras empresas de infraestrutura também têm dificuldades

Alívio

Dívida das empresas abertas cai 17,7%, mas investimento ainda deve demorar

Movimento de reestruturação e redução das dívidas é puxado por Petrobras e Vale; cautela das empresas e capacidade ociosa, porém, ainda é grande

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu