Menu
2019-11-29T12:44:22-03:00
Alô Huawei

‘Leilão de 5G não vetará nenhuma das tecnologias’, diz Marcos Pontes

Tecnologia 5G é a quinta geração das redes de comunicação móveis. Ela promete velocidades até 20 vezes superiores ao do 4G

29 de novembro de 2019
12:44
Huawei
Imagem: Shutterstock

O governo brasileiro não vai impor nenhum tipo de restrição à tecnologia chinesa nem a nenhuma outra no leilão de frequências de 5G, garantiu ao jornal O Estado de S. Paulo o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Marcos Pontes. Em meio a pressões e disputas entre os Estados Unidos e a China em torno da tecnologia, o presidente Jair Bolsonaro disse, nesta semana, que a palavra final sobre o assunto é de Pontes. "As empresas de telecom ficarão livres para contratar a tecnologia de quem elas quiserem", afirmou o ministro.

A tecnologia 5G é a quinta geração das redes de comunicação móveis. Ela promete velocidades até 20 vezes superiores ao do 4G. Em ambiente controlado, as redes 5G podem ter velocidades de até 1 gigabit por segundo (Gbps). Assim, permitem um consumo maior de vídeos, jogos e ambientes em realidade virtual. Além disso, o 5G promete reduzir para menos da metade a latência, tempo entre dar um comando em um site ou app e a sua execução - dos atuais 10 milissegundos para 4 ms. Em algumas situações, a latência poderá ser de 1 ms, importante, por exemplo, para o desenvolvimento de carros autônomos.

Há uma disputa em torno da tecnologia 5G que envolve os Estados Unidos e a China. O presidente Bolsonaro disse que a palavra final sobre o leilão de frequência 5G no Brasil será do sr. Qual será sua decisão?
Qualquer tipo de ação com relação ao mercado tem de ser feito baseado em dados. Nós não interferimos no mercado, nós fazemos regulação e fiscalização. (Excluir uma empresa) seria a mesma coisa de o Ministério da Infraestrutura resolver tirar a Volkswagen do Brasil. Tem de ter uma razão muito forte para um tipo de ação dese tipo. Estamos lançando um edital para a construção de oito laboratórios de inteligência artificial, um deles se conecta diretamente à segurança cibernética, junto com o Exército.

Esse laboratório vai blindar o País contra eventuais riscos cibernéticos, como os EUA alegam que há na tecnologia chinesa?
Blindar, eu não diria essa palavra. Eu diria que a gente vai fiscalizar tudo isso. Empresas como Cisco (americana), Huawei (chinesa) e Qualcomm (americana) já têm uma infraestrutura grande dentro das nossas telecomunicações. O 5G é só uma outra tecnologia, não vai modificar o fato de que elas já estão no sistema.

Então, não vai haver no edital do leilão de 5G nenhuma restrição a nenhum tipo de tecnologia? Nem à chinesa?
Não. A nenhuma delas. As empresas de telecom, que são as que participarão da disputa, vão ficar livres para contratar a tecnologia de quem elas quiserem.

O governo dos Estados Unidos procurou o governo brasileiro com o pedido de que a Huawei seja excluída do 5G no Brasil? Houve algum tipo de pressão?
Não tivemos nenhum tipo de pressão, mesmo porque não cabe. Cada país tem sua soberania e dever de tomar decisões que forem melhor para aquele país. Existem alguns "approaches" diferentes. Tem países que seguem mais o princípio preconizado pelos EUA e outros preferem um "approach" mais científico. Nós trabalhamos aqui com ciência.

O sr. acha que tem algum tipo de vulnerabilidade na tecnologia chinesa?
Em todas as tecnologias, não só a chinesa. É igual segurança de vôo, existem riscos envolvidos. Se você não quer risco, deixa o avião no hangar. Mas todas as empresas têm standards, certificações, tem fiscalização. Não necessariamente a Huawei, a Ericsson (sueca), todas as empresas estarão nessa mesma situação.

Quando será o leilão? Quando lança o edital?
Inicialmente, seria em março, mas no processo de análise, houve preocupação de interferência com antenas parabólicas. A Anatel fez um trabalho junto com as TVs para achar a solução. Ainda não recebi oficialmente o resultado, mas me falaram que o risco é muito menor do que se imaginava e há soluções técnicas para isso. Com isso, adiamos o leilão para o segundo semestre de 2020, mas vai ser muito mais seguro. O edital tem de sair no primeiro semestre.

Com a promulgação do acordo com os Estados Unidos na semana passada, quando serão lançados os primeiros foguetes norte-americanos na Base de Alcântara? Qual o volume de negócios?
Ano que vem é ano de planejamento. Em 2021, fazemos testes e, em 2022, os primeiros lançamentos. Não só lançamentos americanos, pode ser empresa japonesa, italiana, inclusive brasileira. Tem muitas empresas interessadas. Se você pensar em 1% do mercado atual, estamos falando em algo em torno de R$ 200 milhões a R$ 300 milhões por ano. À medida que os anos passam, vamos para a casa de bilhões por ano.

Quando o Brasil mandará o segundo astronauta para o espaço? (O ministro foi o primeiro)
Precisamos formar alguns. Podemos ter algumas parcerias, estou conversando com a Nasa sobre possibilidade de participação de brasileiros em programas ligados à lua, como o Gateway (futura estação espacial em órbita lunar).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Eletrobras será discutida no 1º semestre, diz Ferreira Júnior

“É a primeira vez que o Brasil vai fazer uma operação desse tamanho, temos que ir com calma”, disse durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

ESTÁ DE SAÍDA

Oi anuncia saída de Eurico Teles da presidência

A saída ocorre no mesmo dia em que a companhia foi alvo da 69ª fase da Operação Lava Jato e que investiga supostos repasses financeiros que teriam sido realizados pela Oi / Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol

Oferta de ações

XP vende ação acima da faixa indicativa no IPO e estreia na Nasdaq valendo R$ 62 bilhões

Preço por ação da XP na oferta realizada na bolsa americana foi definido em US$ 27, acima do teto da faixa estipulada, que variava de US$ 22 a US$ 25, segundo a Broadcast/Estadão

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Rodada decisiva no jogo das tarifas

Além dos números da economia e das empresas, entender pelo menos um pouco sobre relações internacionais tornou-se fundamental para os investidores desde o início da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A disputa, que está mais para um jogo de cartas do que para uma guerra propriamente dita, é acompanhada com tensão pelo mercado porque […]

Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo para o S&P 500 e 16 ações para ficar de olho

Neste vídeo, eu analiso o S&P 500, o Ibovespa e outros indicadores americanos e indica 16 ações brasileiras para ficar de olho. A contagem regressiva para o fechamento de minha Última Imersão a preço de Black Friday está terminando. Garanta aqui o seu acesso

BANCO

Presidente do BB diz que não há nenhuma negociação sobre venda do banco para concorrente

Ele destacou que “é mentira” que o Banco do Brasil esteja negociando seu controle com outro grupo econômico. “Isso nunca passou por nossa cabeça”, disse Novaes

NOVIDADES À VISTA

Marfrig lança marca própria de hambúrgueres vegetais

Além dos investimentos na parte de produtos de origem vegetal, a Marfrig quer trazer mais dinheiro para o caixa da empresa. A empresa confirmou no começo deste mês que fará uma oferta subsequente de ações (follow-on)

Altas e baixas

Gol, Azul, Itaú e Banco do Brasil: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O setor aéreo liderou as perdas do Ibovespa nesta terça-feira, com as ações da Gol e da Azul fechando em queda. Itaú e Banco do Brasil também caíram

AÇO E ALUMÍNIO

‘Já foi sobretaxado aço e alumínio? Então, não tem o que discutir’, diz Bolsonaro

Trump escreveu no Twitter no último dia 2, sobre a intenção de aumentar tarifas sobre aço e alumínio de Brasil e Argentina, como forma de compensar a desvalorização da moeda desses países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements