Menu
2019-07-09T12:10:37+00:00
O BANQUEIRO DE 93 ANOS

Lázaro Brandão: A receita de quem já viu de tudo

Aos 93 anos, ex-presidente do conselho do Bradesco, bate o ponto todo dia na sede do banco na Cidade de Deus, em Osasco.

9 de julho de 2019
12:07 - atualizado às 12:10
Lázaro de Mello Brandão, ex-presidente do Conselho do Bradesco.
Lázaro de Mello Brandão, ex-presidente do Conselho do Bradesco. - Imagem: IARA MORSELLI/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

Aos 93 anos, dos quais 76 deles dedicados ao Bradesco, Lázaro de Mello Brandão bate o ponto todo dia na sede do banco na Cidade de Deus, em Osasco. Chega às 7h30 e fica até um pouco mais de 5h da tarde.

Com toda essa experiência, já viu praticamente de tudo. À frente de uma das maiores instituições financeiras do País, passou pelo período de hiperinflação do governo José Sarney, presenciou a abertura da economia e o impeachment de Fernando Collor de Mello e a estabilização da moeda. Exatamente por isso, pouca coisa o assusta no mercado financeiro.

Para ele, por exemplo, os bancos estão longe de estar na rota rumo à extinção, como muitos pregam. O avanço das fintechs, diz, é natural, mas não vai tirar o papel dos bancos. Mesmo assim, considera o futuro do setor incerto. “Há uma expectativa geral de como serão as incursões legítimas (de novos agentes)”, afirmou Brandão ao Estado na semana passada, quando recebeu uma homenagem da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“Mas certamente haverá um entrosamento e os bancos tradicionais vão absorver o que for mais inovador.”

De acordo com Brandão, é um movimento que está acontecendo rapidamente. “Essa mudança é decorrente das fases que o próprio mundo vive”, diz.

Trajetória

Economista e administrador, Brandão assumiu a presidência do Bradesco em 1981, sucedendo ao banqueiro Amador Aguiar, fundador do Bradesco e morto em 1991. Deixou o cargo em 1999.

No início dos anos 1990, também passou a acumular a presidência do conselho de administração do banco. Saiu da função em 2017, função que passou a ser exercida por Luiz Carlos Trabuco Cappi. Trabuco passou a presidência executiva para Octávio De Lazari Júnior.

Nascido em Itápolis (SP), Brandão começou como escriturário ainda na Casa Bancária Irmãos Almeida, em 1942. Um ano depois, a instituição foi comprada pelo Bradesco.

Mesmo fora do dia a dia, Brandão vai à Cidade de Deus de segunda à sexta. Em sua agenda estão as decisões dos conselhos de administração da Fundação Bradesco e da holding que controla as empresas do banco.

Acostumado a acompanhar as mudanças no poder e na economia, tem prestado atenção às negociações entre governo e Congresso para aprovação da reforma da Previdência, que considera vital para a retomada do crescimento do País. “O governo tem todas as condições para aprovar (a reforma)”, disse. “Ela trará a estabilidade que o Brasil tanto precisa.”

Segundo ele, a alta na economia este ano deve ser pequena. “O País vai crescer modestamente, mas voltará a crescer”, disse. “Já há uma confiança se restabelecendo, o que cria uma força natural. Indiscutivelmente, o Brasil vai ter proeminência.”

Brandão diz que, agora, governo Jair Bolsonaro precisa preparar o terreno para dar saltos. “Uma vez aprovada a reforma da Previdência, o governo tem de criar condições e regras bem definidas em todas as áreas de atuação”, disse. Palavra de quem já viu de tudo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Dúvidas atrás de dúvidas

Bolsas da Europa fecham em queda, com incertezas sobre acordo entre EUA e China

Apesar de resultados econômicos positivos da Alemanha, a cautela no mercado também foi alimentada por dados fracos no Reino Unido e na China

Joia reluzente

A Vivara cresceu no trimestre e já começa a entregar uma das promessas do IPO

A Vivara mostrou crescimento da receita líquida e um aumento importante nas vendas do e-commerce — resultados que dão força às ações da empresa

Bolsa

Via Varejo tem prejuízo maior e queda nas vendas. Então por que a ação sobe?

Como ninguém esperava mesmo um balanço bonito, os investidores se debruçaram em encontrar algum sinal de avanço na ampla reestruturação implementada desde que Michael Klein reassumiu o comando da varejista

atento ao balanço

Ação da Sinqia sobe com resultado do terceiro trimestre — analistas veem espaço para valorização de mais de 20% da ação

Após quatro aquisições, provedora de tecnologia para o sistema financeiro bateu recorde de receita; para analistas, ação pode chegar a R$ 23

hora do tchau?

Presidente do BNDES vê redução de carteira de ações da instituição em até três anos

Gustavo Montezano ressaltou que as alienações podem ser pela “mesa de operações” do banco, em bloco ou em ofertas

Tem que melhorar

Fitch mantém nota de crédito do Brasil em grau especulativo

Ainda falta um bocado de consolidação fiscal e crescimento econômico para o país retomar o almejado grau de investimento

em brasília

Presidente do STF exige do BC e obtém acesso a dados sigilosos de 600 mil pessoas

Segundo fontes, Toffoli ainda não acessou os relatórios, que lhe foram disponibilizados eletronicamente; PGR avalia recorrer da decisão

Economia

“Se o Brasil continuar com as reformas, as agências podem voltar com o grau de investimento em até um ano”, destaca Mario Mesquita

Mesquita disse que, se olhar o Credit Default Swap (CDS) brasileiro, “é possível perceber que ele já é compatível com país com grau de investimentos”

DEPOIS DE DOIS ANOS...

Pão de Açúcar planeja abrir novas unidades em 2020

A marca Pão de Açúcar sempre foi a “queridinha” do setor de supermercados e sinônimo de loja com produtos diferenciados. “Mas, nos últimos anos, a marca empalideceu”, afirma o consultor da Mixxer Desenvolvimento Empresarial, Eugênio Foganholo

Cúpula no Brasil

Bolsonaro diz que Brics trabalhou para alimentar competitividade e produtividade

Bolsonaro disse que a relevância econômica do Brics é inquestionável e que o grupo de países seguirá crescendo. Segundo Bolsonaro, esses resultados garantem legitimidade para governança internacional “mais inclusiva”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements