Menu
2019-11-11T09:50:40-03:00
queda não tão intensa

Juros de empréstimos caem, mas ainda não voltam ao nível pré-crise

Em 2013, a taxa média de juros que os clientes encontravam no mercado para o chamado crédito livre era de 43,1% ao ano; para 2019, a previsão é de que ela feche o ano em 46,9%

11 de novembro de 2019
9:50
cadastro positivo crédito cartão
Imagem: Shutterstock

Apesar do cenário econômico mais favorável à oferta de crédito no Brasil, os juros para empréstimos às pessoas físicas ainda não voltaram ao patamar pré-crise no País. Em 2013, a taxa média de juros que os clientes encontravam no mercado para o chamado crédito livre - que envolve cheque especial, rotativo do cartão, consignados, entre outras linhas voltadas para o consumo - era de 43,1% ao ano. No ápice da crise, em 2016, essa taxa chegou a 72%. Para 2019, a previsão é de que ela feche o ano em 46,9%, com o retorno ao nível experimentado até 2013 previsto apenas para 2023, de acordo com dados do Banco Central analisados pela consultoria Tendências.

A taxa básica de juros da economia, a Selic, que chegou a 14,25% ao ano em agosto de 2016, hoje está na mínima histórica de 5%. Nesse período de cortes, praticamente todas as linhas de crédito livre baixaram as taxas. No caso do rotativo do cartão de crédito, uma das modalidades com a taxa mais alta, a queda foi de 475% ao ano para 307,8%. Esses números são ressaltados pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), quando questionada sobre o repasse da queda da taxa básica de juros ao consumidor. No entanto, para especialistas, o patamar que os juros alcançaram antes dessas quedas é o problema.

"A questão é que os juros continuam em níveis altos quando a Selic já está em níveis historicamente baixos. Como eles já estavam muito maiores que a taxa básica, teriam de ter caído de maneira mais intensa para compensar", diz Isabela Tavares, economista especialista em crédito da Tendências. Ela explica que, embora as reduções de juros até setembro deste ano não tenham alcançado o patamar de antes da crise, a oferta de crédito por parte dos bancos já alcançou os níveis de 2013.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No mês de setembro, dado mais recente disponível no BC, a oferta de crédito livre às pessoas físicas no País chegou a R$ 1,05 trilhão ante R$ 1,01 trilhão em dezembro de 2013.

Fatores

Para Isabela, a redução da Selic e o aumento de oferta não repercutiram como poderiam nos juros por razões que envolvem desemprego, inadimplência e pouca competição no sistema financeiro. "Vemos, daqui para frente, as taxas caindo de forma mais gradual. E, a partir do próximo ano, uma queda consistente do spread bancário (diferença entre o custo do dinheiro para o banco, quanto ele paga ao tomar empréstimo, e quanto cobra para o consumidor na operação de crédito)", diz.

Ela cita iniciativas como o cadastro positivo, uma lista de bons pagadores, em vigor desde julho, e o open banking como fatores que podem acirrar a competição entre bancos e pressionar as taxas para baixo. O Banco Central já deu início à implementação do sistema financeiro aberto - open banking. Em fase de discussões, a medida deve proporcionar maior acesso das instituições financeiras às informações dos clientes, o que deve aumentar o oferta de crédito e de juros mais condizentes com o histórico de pagamento de cada contratante.

"O open banking permite ao cliente abrir seus dados para instituições de crédito. Nesse sistema, os dados são do cliente e não dos bancos", diz Isabela. Ela explica que a possibilidade de ter mais informações sobre o histórico dos tomadores de crédito deve levar empresas mais jovens a oferecem taxas de juros melhores.

Na mesma linha, a planejadora financeira da Planejar e professora da Fundação Getulio Vargas Myriam Lund, afirma que "os bancos não têm obrigatoriedade de acompanhar as quedas da Selic, portanto, sobem ou baixam os juros por questões estratégicas. Eles só reduziriam as taxas, se a demanda por crédito diminuísse. Por isso, o estímulo do Banco Central à entrada de fintechs (as startups do setor financeiro) e cooperativas de crédito no mercado é tão importante para aumentar a competição nesse setor".

O economista-chefe da Febraban, Rubens Sardenberg, afirma que o spread bancário é composto por uma série de fatores que não mudam, necessariamente com a taxa de juros mais baixa. Inadimplência, custos administrativos e tributação são alguns deles.

Cliente mais informado. Para quem precisa de crédito, a saída ainda é a pesquisa. Myriam Lund afirma que as condições dos grandes bancos no oferecimento de crédito são parecidas entre si, por isso, aconselha que quem está em busca de empréstimo faça uma varredura online em todas as possibilidades que bancos, fintechs e cooperativas de crédito oferecem. "Se houver insegurança, basta checar se a financeira está listada no Banco Central." (Colaborou Érika Motoda)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

A Bula do Mercado

Dia de decisão de BCs

Bancos Centrais dos EUA e do Brasil anunciam decisão de juros, mas atenção do mercado financeiro está na sinalização dos próximos passos

PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Eletrobras será discutida no 1º semestre, diz Ferreira Júnior

“É a primeira vez que o Brasil vai fazer uma operação desse tamanho, temos que ir com calma”, disse durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

ESTÁ DE SAÍDA

Oi anuncia saída de Eurico Teles da presidência

A saída ocorre no mesmo dia em que a companhia foi alvo da 69ª fase da Operação Lava Jato e que investiga supostos repasses financeiros que teriam sido realizados pela Oi / Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol

Oferta de ações

XP vende ação acima da faixa indicativa no IPO e estreia na Nasdaq valendo R$ 62 bilhões

Preço por ação da XP na oferta realizada na bolsa americana foi definido em US$ 27, acima do teto da faixa estipulada, que variava de US$ 22 a US$ 25, segundo a Broadcast/Estadão

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Rodada decisiva no jogo das tarifas

Além dos números da economia e das empresas, entender pelo menos um pouco sobre relações internacionais tornou-se fundamental para os investidores desde o início da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A disputa, que está mais para um jogo de cartas do que para uma guerra propriamente dita, é acompanhada com tensão pelo mercado porque […]

Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo para o S&P 500 e 16 ações para ficar de olho

Neste vídeo, eu analiso o S&P 500, o Ibovespa e outros indicadores americanos e indica 16 ações brasileiras para ficar de olho. A contagem regressiva para o fechamento de minha Última Imersão a preço de Black Friday está terminando. Garanta aqui o seu acesso

BANCO

Presidente do BB diz que não há nenhuma negociação sobre venda do banco para concorrente

Ele destacou que “é mentira” que o Banco do Brasil esteja negociando seu controle com outro grupo econômico. “Isso nunca passou por nossa cabeça”, disse Novaes

NOVIDADES À VISTA

Marfrig lança marca própria de hambúrgueres vegetais

Além dos investimentos na parte de produtos de origem vegetal, a Marfrig quer trazer mais dinheiro para o caixa da empresa. A empresa confirmou no começo deste mês que fará uma oferta subsequente de ações (follow-on)

Altas e baixas

Gol, Azul, Itaú e Banco do Brasil: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O setor aéreo liderou as perdas do Ibovespa nesta terça-feira, com as ações da Gol e da Azul fechando em queda. Itaú e Banco do Brasil também caíram

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements